“Quando se pensa em Educação, deve-se pensar no futuro e não só no presente”

Ao leme da direcção do Agrupamento de Escolas Brás Garcia de Mascarenhas (AEBGM) desde 2007, Luís Ângelo faz uma análise daquilo que foi a primeira década de actividade do agrupamento e chega à conclusão que o concelho “merece mais”.

Sem que tenha qualquer hesitação em enumerar o que de melhor a escola tem – “é atractiva, é o maior agrupamento do concelho e da região de Coimbra interior, onde existem estreitos laços entre a massa humana”, referiu – o director da escola também não se inibe, quando convidado, a identificar os principais pontos negros do agrupamento frequentado por 1348 alunos.

Sempre em defesa daquilo que entende como “o que é melhor para o agrupamento e para os alunos”, Luís Ângelo – tomou posse na direcção da escola em Maio deste ano – coloca à cabeça de todas as preocupações a inexistência de “Centros Educativos com todas as condições”. “Sempre manifestei que este concelho merecia mais, mas eu obras não faço, só posso tratar de questões pedagógicas”, afirmou ao Correio da Beira Serra, entendendo que o “ideal” seria a construção de um Centro Educativo na cidade e de um outro que sirva a freguesia de Nogueira do Cravo.

Sem conseguir compreender o motivo pelo qual o anterior executivo não seguiu o exemplo de municípios vizinhos e não aproveitou os fundos do QREN, Luís Ângelo também se revela discordante das obras que foram realizadas na EB1 da cidade, que continua a ser “manifestamente insuficiente”. “Tendo-se apostado, deveria ter-se apostado num centro que conseguisse abarcar todas as turmas e ter capacidade para acolher ainda mais alunos”, verificou, lembrando que a EB1 não consegue acolher as 13 turmas, tendo havido necessidade de transferir três turmas do quarto ano para a escola sede do agrupamento.

Agrupamento deu “muito pouco contributo” na elaboração da Carta Educativa

Também a forma como a Carta Educativa foi elaborada merece o reparo de Luís Ângelo. “Tivemos a possibilidade de dar muito pouco do nosso contributo”, contou, lamentando a “pouca discussão pública” que foi dada ao assunto, e “o pouco diálogo estabelecido entre as partes”. “Acho que foi uma falha do anterior executivo”, disse, ao mesmo tempo, que também verificou que a anterior equipa à frente da Câmara Municipal “fez muitas coisas boas em termos de Educação”. “Houve ligação estreita com a vereadora da Educação que fez um excelente trabalho, mas por vezes estava muito limitada na sua acção”, referiu o director, manifestando-se confiante numa boa articulação com o novo executivo camarário e com a vereadora da Educação e Cultura.

Escola fornece pequenos-almoços a alunos carenciados

Decidido em continuar a sua luta pela melhoria dos resultados escolares dos alunos e das condições físicas da sede do agrupamento, o director do Brás Garcia de Mascarenhas destaca o empenho da direcção quer ao nível pedagógico, quer de ordenação e beneficiação do espaço interior e exterior cuja edificação remonta a 1980. “A escola vive dos alunos e para os alunos e, o objectivo principal de uma escola, é ter bons resultados”, referiu Luís Ângelo, sublinhando que o agrupamento “não vai baixar os braços e já reforçou os apoios pedagógicos aos alunos”. Em matéria de condições físicas, a escola tem vindo a desenvolver uma série de melhorias e nos seus planos está também a substituição das coberturas – contêm amianto na sua composição – de todos os espaços. A intervenção vai ser feita já no início de 2010 em dois pavilhões e deverá continuar de forma gradual.

Para além da preocupação em proporcionar o que de melhor existe a toda a comunidade educativa, a direcção do Agrupamento de Escolas Brás Garcia de Mascarenhas depara-se com uma situação à qual não consegue fazer face: a carência económica que afecta muitos alunos. “Vivemos diariamente situações dramáticas”, confessou Luís Ângelo a este jornal, estendendo a dura realidade a todo o agrupamento onde são visíveis “carências económicas delicadas”.

Ao CBS, Luís Ângelo traçou um cenário nada animador sobre as condições de vida por que passa um número considerável de crianças e jovens. Contou, inclusivamente, que a escola sede se viu obrigada a fornecer pequenos-almoços a cerca de uma dezena de alunos carenciados. “No concelho há muitas necessidades”, verificou o responsável, adiantando que “ainda recentemente, a escola fez uma campanha para atribuição de roupas a alguns alunos”. “Esta é uma situação que muito me preocupa”, assumiu.

“Há alunos muito mal comportados e os pais pedem-nos ajuda”

Em semelhante nível de preocupação, o director da escola coloca também os casos de pais que “não sabem o que hão-de fazer aos filhos ao nível educacional e disciplinar”. “Há alunos muito mal comportados e os pais pedem-nos ajuda”, contou, sublinhando que estes casos são acompanhados pelo gabinete de psicologia, com o apoio do projecto AGIR e da CPCJ.

Neste ponto, o director não se coíbe contudo em responsabilizar os pais pelo estado a que deixam chegar os seus filhos. “A falta de respeito e de disciplina foi agravada pelo estreitar das relações entre pais e filhos”, observou, revelando-se crítico relativamente à opção dos pais “colocarem os filhos em tudo o que existe”.

Na opinião do responsável pelo maior agrupamento do concelho “as crianças passam pouco tempo com os pais” e não apreendem o conceito do respeito pela família e pela escola.

Agrupamento comemora aniversário e apresenta logótipo

Ainda que atrasado, o Agrupamento de Escolas Brás Garcia de Mascarenhas comemora 10 anos no dia 21 de Novembro. Com a data de aniversário a remeter para o passado dia 4 de Maio, Luís Ângelo justifica o atraso com o período eleitoral que na ocasião estava a decorrer na escola, onde existem duas listas candidatas à direcção do agrupamento.

Justificado o adiamento das comemorações de uma década de actividade, o órgão directivo do agrupamento convida à festa marcada para 21 de Novembro e que será composta pelo descerramento de uma placa de divulgação do logótipo do Agrupamento, celebração de missa e por um jantar para o qual já estão inscritas mais de 100 pessoas, onde serão feitas algumas homenagens.

LEIA TAMBÉM

Ana Abrunhosa entregou quatro habitações reconstruídas em Seia

A presidente da CCDRC, Ana Abrunhosa, entregou as chaves de quatro habitações (três na freguesia …

Dez detidos por tráfico de estupefacientes em Seia e Manteigas

O Comando Territorial da GNR da Guarda deteve dez pessoas, com idades entre 18 e …