Hoje, o meu editorial é interrogativo.

Quem é que diria?

É como a espuma da vida, que mais não é do que um grande ponto de interrogação, quase sempre seguido de um ponto de exclamação…

E por que é que eu me interrogo? Interrogo-me porque a vida – nos seus segundos, minutos, horas e anos – prega-nos as mais inimagináveis partidas.

Quem diria, por exemplo, que José Carlos Mendes, que há tão pouco tempo se demitiu da presidência do PSD, já conseguiu ‘roubar’ – essa é a minha convicção e, portanto, vale o que vale – a maioria absoluta ao seu antigo presidente, Mário Alves?

Quem é que também diria que Mário Alves – um homem tão poupado, que se julgava que evitava ir à casa de banho para não gastar papel higiénico –, passaria de repente a ser um gastador compulsivo em “brinquedos” caríssimos, como rotundas, parques de estacionamento subterrâneos, ‘Tonis Carreiras’… e pirotecnia, muita pirotecnia?

Quem é que diria que as próximas eleições autárquicas do dia 11 de Outubro, estariam assim tão indefinidas, ao ponto de ser extremamente difícil avançar com qualquer previsão?

Quem é que diria que num concelho onde escorrem esgotos a céu aberto em quase todas as freguesias, e em que muitas dezenas de crianças ainda frequentam velhas escolas do tempo do Estado Novo, há um autarca que – em tempos de crise e de desemprego, e num acto de completa megalomania – se lança na construção de um caríssimo parque de estacionamento subterrâneo, com capacidade para 74 lugares, e onde cada estacionamento custa ao erário público mais de 10 mil euros? Quem é que diria que no país que em 1974 derrubou a ditadura, existia ainda tanta asfixia democrática, que obriga tanta gente a estar calada e amordaçada?

Quem é que diria que em Oliveira do Hospital ainda há gente com medo da represália e da chantagem do poder político?

Quem é que diria que todas as candidaturas que concorrem a estas eleições autárquicas, dia 11 de Outubro, estariam pejadas de tanta gente impreparada para a missão de participar no processo de desenvolvimento do concelho de Oliveira do Hospital?

henriquebarreto@correiodabeiraserra.com

LEIA TAMBÉM

Os jornais também se abatem

Os jornais também se abatem, e esta é a última edição impressa do CBS – um jornal com cerca de 20 anos de história que fundei na Primavera de 1988 e cuja publicação suspendi em 2002.

Correio da Beira Serra suspende publicação em Junho

Hoje, trago más notícias. O Correio da Beira Serra, em versão impressa, vai suspender a sua publicação.