Quercus quer ampliação da paisagem protegida da Serra do Açor

A Quercus exigiu hoje a ampliação da área da Paisagem Protegida da Serra do Açor, para garantir a existência de corredores ecológicos, e a aposta no turismo de natureza, com a reconstrução de edifícios antigos.

Para assinalar o Dia Internacional da Vida Selvagem e o 32.º aniversário da criação da Paisagem Protegida da Serra do Açor – serra que abrange concelhos como Oliveira do Hospital, Arganil, Seia e Pampilhosa da Serra -, a associação ambientalista fez uma avaliação desta área e concluiu que “trouxe à região inúmeros benefícios” na conservação da natureza e dos recursos naturais. Também possibilitou a manutenção de alguns dos seus habitats “num excelente” grau de conservação e a “elevada” diversidade de espécies.

A avaliação da Serra do Açor insere-se numa iniciativa da Quercus que vai avaliar todas as 25 áreas protegidas portuguesas ao longo do ano, sendo divulgado o resultado no dia do aniversário de cada uma.

Entre as críticas resultantes da análise, está a “reduzida dimensão” da Paisagem Protegida. A não ampliação reflete “a inércia e a falta de visão estratégica que tem caracterizado a gestão pública desde a sua criação”, salienta a associação.

A ausência de controlo de acumulação de combustível lenhoso e a falta de estações de tratamento de águas residuais em algumas populações como Pardieiros, a proliferação de espécies exóticas, a “profusão” de linhas elétricas de alta, média e baixa tensão, o risco elevado de incêndios ou o despovoamento são outros problemas listados pela Quercus.

Os ambientalistas querem que “se inicie de imediato um processo com vista à ampliação da Paisagem Protegida de forma significativa, garantindo a existência de corredores ecológicos e salvaguardando as formações vegetais reliquiais, como bosquetes de azereiro, de azevinho e loureiro, que ocorrem pontualmente”.
Em paralelo, segundo a associação, devia ser dinamizado na Serra do Açor, um programa de renaturalização, “criando áreas onde os processos naturais decorram com o mínimo de perturbação humana”.

A aposta no turismo de natureza está relacionada com a presença de novos operadores, aproveitando percursos pedestres, existentes e a criar, a reconstrução de edifícios antigos para alojamento turístico e o aproveitamento de produtos locais tradicionais, como artesanato, silvicultura de espécies autóctones, apicultura ou pastoreio.

lusa.pt

LEIA TAMBÉM

IMT vai recorrer de decisão que declarou ilegal fecho de centro de inspecção automóvel de Seia

O Instituto de Mobilidade e Transportes (IMT) anunciou que vai recorrer das decisões judiciais que …

Dez detidos em Seia por tráfico de droga

A GNR de Gouveia deteve, entre os dias 1 e 3 de Setembro, oito homens …