Rangel veio a Oliveira do Hospital defender “investimento de proximidade” como forma de desbloquear “aspirações” dos oliveirenses

 

Apesar de nunca se ter referido em concreto aos Itinerários Complementares 6, 7 e 37 que foram suspensos pelo governo, Paulo Rangel disse ontem, na sede da Comissão Política de Secção do PSD de Oliveira do Hospital, compreender “algumas” das aspirações dos oliveirenses e apontou “o investimento de proximidade” como a solução para “desbloquear obras que estão a ser um obstáculo ao desenvolvimento e crescimento de concelhos como Oliveira do Hospital”.

De facto, “a necessidade de imperiosa do arranque” das acessibilidades externas surgiu no topo das preocupações que o mandatário concelhio da candidatura de Rangel, Rui Abrantes, apresentou ao candidato que, ontem, se deslocou a Oliveira do Hospital, acompanhado pelo director distrital de campanha, Ricardo Alves e, pelo presidente da Comissão Política Distrital do PSD, Pedro Machado.

Na sede do partido, onde também compareceu o ex-presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital, Abrantes alertou ainda Rangel para a necessidade “imprescindível de construção das novas instalações da ESTGOH” e, apelou a “uma atenção particular” ao problema do desemprego no concelho que é “o dobro da média nacional”.

“Será que nós podemos deixar definhar e cair no abandono um concelho como Oliveira do Hospital?”

Adepto do “desenvolvimento regional” e da “correcção das assimetrias”, o candidato à presidência do PSD, disse não aceitar os desequilíbrio existente entre as regiões mais ricas – Lisboa e Vale do Tejo – e as regiões mais pobres – Norte, Centro e Alentejo – e posicionou-se em defesa da “harmonização do território”.

“Será que nós podemos deixar definhar e cair no abandono um concelho como Oliveira do Hospital?”, questionou Rangel, colocando a “coesão territorial” no topo das suas prioridades. Para o efeito, explicou que é sua intenção atribuir “mais força às comissões de coordenação” que “hoje estão um pouco esgotadas na sua capacidade e perderam alguma eficácia”.

O candidato propõe, por isso, que o presidente da comissão de coordenação deva ser uma membro do governo, um secretário de Estado, que possa avançar com decisões sem necessidade de recorrer à tutela.

Na corrida pelo lugar ainda ocupado por Manuela Ferreira Leite e, em consequência pelo de candidato a primeiro-ministro, Paulo Rangel colocou-se à margem das políticas desenvolvidas por 15 anos de “consulado socialista” e, em particular de cinco anos de governação de José Sócrates.

“O projecto do PSD deve ser de ruptura”, considerou o candidato, apontando o dedo à “desesperança” que o PS causou nos portugueses que agora sem vêem com “falta de ânimo para enfrentar o futuro”.

Rangel pretende, por isso, libertar as famílias e as empresas da dívida, como forma de fazer face ao problema do desemprego que, em Oliveira do Hospital já assumiu “proporções gigantescas”. “Sócrates aposta tudo nas grandes obras e, a verdade é que não há apoio para as pequenas e médias empresas que produzem e exportam, e os trabalhadores ficam nesta situação desesperada”, verificou o candidato, referindo-se à “morte lenta da classe média que está no limite do possível, para poder pagar as suas prestações mensais”.

Contra a construção do TGV, aeroportos e grandes travessias, Paulo Rangel considerou prioritário o apoio às empresas.

Também a forma como as verbas do QREN estão a ser distribuídas a nível nacional mereceram o reparo de Rangel que, aos militantes do PSD de Oliveira do Hospital, considerou “vergonhoso o desvio de fundos comunitários das regiões no Norte, Centro e Alentejo para Lisboa e Vale do Tejo. Da mesma forma, criticou a baixa execução do QREN, por parte do governo português.

“O governo executou apenas seis por cento, sendo que 94 por cento do dinheiro está guardado em Bruxelas sem estar a servir à nossa economia”, sublinhou.

Confiante num bom resultado, Rangel apelou ao voto “em liberdade” dos militantes, “sem ligarem a pressões de barões e baronetas que aparecem por aqui”, no próximo dia 26 de Março.

LEIA TAMBÉM

Nova liderança da JSD de Oliveira do Hospital quer colocar problemas dos jovens na agenda política local

Virgílio Salvador, de 26 anos, foi eleito no domingo presidente da Juventude Social Democrata de …

«Castração» política em Oliveira do Hospital. Autor: João Cruz

Passados 44 anos após o 25 de Abril de 1974, vive-se hoje em Oliveira do …