Recusa de pulseira electrónica por José Sócrates custa três vezes mais ao Estado

O ex-primeiro-ministro José Sócrates vai continuar, pelo menos, mais três meses em prisão preventiva, depois de ter recusado prisão domiciliária com pulseira electrónica. Com esta atitude, revela hoje o Diário de Notícias, Sócrates vai continuar a custar ao erário público 48 euros por dia, enquanto se tivesse aceitado a medida de coação proposta pelo Ministério Público o custo diário baixaria para 16,35 euros.

Segundo o Diário de Notícias, por dia, o ex-primeiro-ministro – tal como outros reclusos – custa aos cofres públicos 48 euros, ou seja, três vezes mais do que custaria se tivesse ido para casa em prisão domiciliária. Até ao dia 9 de Setembro, Sócrates irá custar ao erário público 4.500 euros. Se o ex-primeiro-ministro tivesse consentido a prisão domiciliária com recurso a pulseira electrónica, o valor baixava substancialmente pois, como explica o DN, esta é a medida de coação que menos custa aos cofres públicos, ficando os três meses por o valor gasto seria de 1.520 euros.

Como não aceitou a pulseira electrónica, Sócrates só poderia ir para casa com a medida de coação de obrigação de permanência na habitação, sendo vigiado 24 horas por dia por agentes da PSP. Esta medida seria a mais cara de todas uma vez que, explica o DN, teria um custo diário que iria variar entre os 204 e os 306 euros o que, até 9 de Setembro, iria implicar um gasto de 18 mil a 28 mil euros, pois seriam necessários oito agentes da PSP com turnos de seis horas cada um.

LEIA TAMBÉM

Mortes em acidente em Tábua no acesso ao IC6

Dois homens morreram hoje na sequência de uma colisão frontal entre duas viaturas ligeiras numa …

Funcionário público detido na região de Viseu por apropriação de objectos apreendidos judicialmente

PJ deteve em Trancoso desempregado por alegada violação de criança

A Polícia Judiciária (PJ) anunciou hoje a detenção de um homem de 34 anos, em …

  • respeitoaoproximo

    Essa despesa devia ser tirada do dinheiro dele.O resto que sobra devia ir todo para a Seg.Social,para que não falte a reforma a quem trabalhou honestamente. Todos os bens móveis e imóveis deviam ser tirados a ele e a quem fez como ele.