Reparos a um cancioneiro popular. Autor: António da Silva Brito

O município de Oliveira do Hospital publicou há alguns anos o Cancioneiro Popular do Concelho de Oliveira do Hospital, da autoria de Francisco Correia das Neves. Trata-se de uma recolha que, como o próprio título indica, se destina a fazer um registo de composições tradicionais e populares deste concelho, na tentativa de contribuir para a divulgação e preservação desse importante espólio da cultura do povo da região. É, por isso, uma iniciativa meritória e, nessa medida, um exemplo a apontar a muitas outras autarquias.

Mas, como não há bela sem senão, integra este cancioneiro, nas suas páginas 162 e 163, uma composição classificada como “tradicional portuguesa” que de modo algum poderá ser incluída em tal classificação. Acrescenta ainda que a mesma foi recolhida na freguesia de Meruge. Trata-se de “Pastora da Serra” que não é, de todo, uma composição tradicional, mas uma cantiga de Luís de Camões musicada por António Brito, antigo professor da Escola Secundária de Seia.

Este professor de Português e Francês foi responsável, durante mais de duas décadas, dos grupos de teatro e de música do Centro Cultural de Vila Cova de Seia, de que foi um dos fundadores no ano de 1967. No início dos anos 80, o Centro apresentou um espetáculo camoniano concebido pelo referido docente que para o mesmo espetáculo criou a composição em causa. Servindo-se da conhecida cantiga de Camões que exalta a figura da pastora serrana, compôs para ela uma melodia naturalmente adequada ao tema. Foi neste contexto que surgiu a “Pastora da Serra”, um contributo original para o referido espetáculo que o grupo de teatro do Centro Cultural de Vila Cova apresentou em vários palcos da região centro do País.

Dado que o público acolheu com geral agrado esta composição, o seu autor decidiu incluí-la, ainda na década de 80, no repertório do grupo “Águas Novas”, do mesmo Centro Cultural, que se encarregaria de a divulgar em inúmeras atuações, quer em Portugal quer até no estrangeiro, onde continuou a recolher os aplausos de muita gente. Mais tarde, editaria mesmo uma cassete e dois Cds, num dos quais está a referida composição com indicação de autor.

Nestas atuações, o “Águas Novas” conviveu com muitos outros grupos congéneres. Com alguns deles veio depois a realizar ações de intercâmbio. Foi o caso da Tuna e Cantares de Meruge que, entre 1986 e 1989, esteve em Vila Cova e recebeu o mesmo “Águas Novas” na sua terra. É natural que a Tuna tivesse adotado a “Pastora da Serra”, dado o êxito que obteve junto das pessoas, mas teria sido mais curial se tivesse obtido a concordância do autor para a utilizar nas suas atuações…

Certo é que o autor do Cancioneiro Popular do Concelho de Oliveira do Hospital teve acesso à composição através da Tuna de Meruge e, por omissão ou menos clareza da informação que lhe foi prestada, a tomou como local e tradicional.

Contactado o autor do Cancioneiro, o Dr. Correia das Neves prontificou-se de imediato a corrigir o erro. Por sua vez, o responsável pela edição, o município de Oliveira do Hospital, através da sua atual Vereadora do Pelouro da Educação e Cultura, disponibilizou-se para fazer a correção em futura edição do livro e passar a informação aos grupos musicais do concelho.

Uma vez que sejam efetivamente concretizados estes propósitos, ficará reposta a verdade das coisas e será reparada (mesmo que apenas na medida em que tal ainda é possível…) a falha havida no que concerne aos direitos de autor.

Autor: António da Silva Brito

LEIA TAMBÉM

“Rescaldo” dos Incêndios de 15 (e 16) de Outubro – 2017 Ainda com muita “fumaça” e pouca obra… Autor: João Dinis, Jano

Começar por (re)dizer que são trágicas as piores consequências humanas e sociais dos Incêndios Florestais …

Conto de Natal – A porta secreta. Autor: Renato Nunes

“– Meu filho! Já viste bem todas as prendas que o Menino Jesus te deixou …

  • Guerra Junqueiro

    Boa iniciativa, no entanto um erro destes com Camões, é de palmatória.

    Cumprimentos
    Guerra Junqueiro