Requalificação do mercado e central de camionagem corre risco de não financiamento

 

Em fase de receção de propostas para a necessária adjudicação dos trabalhos, a requalificação do mercado municipal e central de camionagem de Oliveira do Hospital corre sérios riscos de vir a ser totalmente suportada pelos cofres da autarquia oliveirense.

Em causa está um cenário que o executivo de José Carlos Alexandrino nunca chegou a descartar, mas que começa a ganhar contornos de maior veracidade com o congelamento dos fundos comunitários e “limpeza” de 600 milhões nos fundos destinados aos municípios da região.

“Tinha esperança de ir ao QREN, mas hoje não tenho”, confidenciou o presidente da Câmara na última reunião da Assembleia, onde voltou a dar como certa a realização da obra “com ou sem financiamento”.

“Se alguns pensam que não vou fazer a requalificação enganam-se”, disse convicto o presidente, contando que até ao momento “já concorreram mais de 40 empresas”.

Em face de um investimento que ronda um milhão de Euros, Alexandrino assegura que o município “tem condições de fazer a obra só por si”, reconhecendo que para isso necessita de “fazer um exercício mental”. “É preciso repensar a estratégia de aplicação dos dinheiros públicos”, referiu.

Avenida Dr. Carlos Campos requalificada em ano de eleições

O início dos trabalhos da requalificação do mercado e central de camionagem deverá acontecer no último trimestre de 2012. Contudo, até ao final do mandato, Alexandrino conta também avançar com a requalificação da Avenida Dr. Carlos Campos.

“Na próxima reunião vamos lançar a avenida num projeto diferente”, contou o presidente da Câmara, assegurando ter havido alterações ao projeto inicial, registando o facto de não haver qualquer mexida no Parque do Mandanelho.

A pouco mais de um ano das próximas autárquicas, Alexandrino não deixa de verificar que aquela obra deverá acontecer em “ano de eleições”. Um “timing” que o autarca desvaloriza, por considera que “o que importa é que se faça a obra”.

A requalificação da Avenida deverá, contudo, acontecer por duas fases, decorrente do impasse em torno dos terrenos localizados por trás do cemitério e que são pertença da empresa “Marques” de Viseu. “A situação vai exigir um processo de reversão”, explicou o presidente, contando que inicialmente vai ser requalificada a zona central da Avenida, ficando aquela zona, por trás do cemitério, reservada para uma segunda etapa dos trabalhos.

LEIA TAMBÉM

Atropelamento mortal em Candosa, concelho de Tábua

Mulher morreu hoje em Oliveira do Hospital vítima de atropelamento na EN17 junto ao Lidl

Uma mulher, com 60 anos, morreu ao final da manhã de hoje na sequência de …

João Paulo Albuquerque acusa PS por não concluir IC6, pelo menos, até 2030

João Paulo Albuquerque considera que o IC6 não é uma prioridade, mas sim uma necessidade …