Assembleia Municipal pretende ratificar destituição António Lopes que considera este acto mais uma ilegalidade

Ressabiamento ou Responsabilidade? Autor: António Lopes

Por estes dias, em que o espírito natalício nos recorda  os sentimentos mais nobres, temos tendência a procurar o afago da família e a uma maior preocupação com aqueles a quem, contingências várias,  privaram  de uma vida normal, em termos materiais.

Dentro deste espírito, queremos pensar, decidiu a Câmara Municipal de Oliveira do Hospital, através do seu Pelouro de Solidariedade e Acção Social, vir anunciar alguns apoios aos Munícipes mais carenciados. Até aqui, tudo bem. Tais medidas só podem merecer o nosso aplauso.

A nossa discordância, diria mesmo indignação, é com a forma e o modo e, especialmente, com a substância. Perante comunicados à imprensa, parangonas em tudo o que é meio de divulgação, pensámos: Finalmente, depois de tanta crítica, vamos ter o “TUDO PELAS PESSOAS”! Erro meu. Analisada a substância, concluímos…são esmolas! Trinta a cinquenta euros, conforme o agregado familiar, dá para quê? Dir-me-ão que se compra uma razoável ceia. Admitimos que sim, se forem poucos. Então, porquê a minha indignação?

De há uns tempos a esta parte, são conhecidos os meus desencontros com a governação do Município. Das causas e motivações falarei noutra oportunidade. Dizem os meus adversários actuais, que o que me move é o ressabiamento. Para mim, é a Responsabilidade.

Sou dos que venho fazendo cerrada oposição, progressivamente, desde Janeiro de 2012, por me parecerem exageradas e desproporcionais, uma boa parte das medidas que vêm sendo implementadas. Repugnam-me, profundamente, a irresponsabilidade e a demagogia que, progressivamente, se vai apoderando da nossa vida quotidiana em termos de gestão municipal.

Efectivamente, como se pode classificar aquilo a que vamos assistindo, sempre que a ocasião o proporciona? Como podemos levar a sério um discurso de dificuldades e miserabilismo quando, como temos vindo a denunciar, raiam a escândalo uma parte das medidas tomadas? Como pode um executivo vir anunciar um apoio a carenciados de três mil euros, a distribuir por  setenta e cinco famílias, quando gasta numa EXPOH cento e sete mil euros? Como pode um executivo responsável vir dizer que perante a crise vai reduzir as despesas com este evento e, depois, gasta mais 44 258.75 euros que o ano anterior (com Tony Carreira)??? Alguém nos explica como é que as receitas passaram de 86 337.24, em 2013, para 26 899.64, este ano (menos 59 437.00 euros)! Como é isto possível? Que contenção e gestão são estas?

Em 2013, a EXPOH teve um gasto total de 149 999.46 euros e receitas de 86 337.24 euros. Em 2014, o gasto totalizou 134 820.61 e a receita foi apenas de 26 899.64 euros? Este ano teve um prejuízo de 107 920,97 (mais 44 258 75) contra os 63 666 22 euros de 2013.

Quando a Senhora vereadora, Graça Silva, vem dizer, em 30 de Outubro (acta da CMOH, no ponto 2.3.A5), que as despesas foram 45 295.61 e pedir um subsídio de 18 395,97 (que foi aprovado), para cobrir os prejuízos, estava esquecida dos montantes anteriormente aprovados? Toda a Câmara estava com amnésia?  Não foi esse o montante publicamente anunciado pelo Senhor Presidente quando foram aprovados 45 mil euros, em protocolo com a ADI, em 17 de Junho, para fazer a feira, (ver acta desse dia)? Como, e porquê,  foram aprovados  mais 20 mil euros  para aquisição de serviços (The Gift) e mais 24 525.00 euros para “aluguer montagem e desmontagem de Stands” (ver acta de 24 de Julho, ponto 2.3.7.e 2.3.8)? Afinal, o que aconteceu ao dinheiro?

Quais 45 mil euros de despesa? Aprovados, em actas da CMOH, estão 107 920.97 euros (ver as actas citadas). Como se explica este descalabro?  Como é que aquele que nos veio dizer que era preciso poupar, gasta mais 44 258.75 euros na EXPOH, praticamente o dobro do anunciado! Que moral pode ter  quem, perante estes números, vem encher a boca com SOLIDARIEDADE, com AÇÃO SOCIAL e distribuir três mil euros aos carenciados? Esmola ou demagogia? Como podemos nós, ficar indiferentes ? Que pensar de uma quebra de receitas  de 69%, 59 437.60 euros, de um ano para o outro? Não estaremos perante um caso de polícia..? Deve um eleito, digno e consciente das suas responsabilidades, ficar calado? Trata-se de Ressabiamento ou trata-se de Responsabilidade..?

Não tenho nada contra as feiras e as festas, não consigo é esquecer a minha juventude e os muitos natais em que não tive prenda porque nem sequer tinha “sapatinho”. O meu compromisso foi: “TUDO PELAS PESSOAS”. Bem pode o Senhor Presidente da Câmara fazer da mensagem de Natal um meio comício…! A realidade, infelizmente é esta, e não é com demagogia que se altera!

Um Bom Natal e  um Bom Ano Novo

Assembleia Municipal pretende ratificar destituição António Lopes que considera este acto mais uma ilegalidadeAutor: António Lopes

LEIA TAMBÉM

Tomada de posse dos órgãos autárquicos marcada pela tragédia dos incêndios e presidente reeleito aposta em “fazer renascer Oliveira do Hospital”

Não foi uma tomada de posse normal dos novos responsáveis pelo munícipio. Os discursos inflamados …

Luís Lagos abandonou liderança distrital do CDS/PP e só aceita cargo de eleito na AM de Oliveira do Hospital “com total liberdade partidária”

O Presidente da Distrital do CDS/PP de Coimbra, Luís Lagos, abandonou ontem a liderança daquele …

  • Carlos Sousa

    Responsabilidade, é o que o concelho precisa.
    Parabéns Sr António Lopes, excelente artigo, continue, mostre aos Oliveirenses o que se passa pela câmara. O que chega cá fora é pouco, mas sempre é melhor do que nada.

    • cavalcanti

      Parabéns Sr. Lopes. Todos nós precisamos de saber do que se passa no Concelho.Enquanto estes meninos sem educação continuarem estamos muito mal.O concelho está a perder a dignidade que sempre teve e merece.Muito obrigado pelo desejo de Boas Festas desejo as mesmas.

  • Joaquim Pereira

    Muito bem Sr António Lopes, pelo menos ficamos a saber a vergonha que gastam e não mostram em festas e a miséria que querem dar aos pobres.
    Deviam ser presos.
    Muito obrigado pelo esclarecimento.

  • Acta CMOH 17/06/2014

    6 – EXPOH – PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO COM A ADI – AGÊNCIA PARA O DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DE TÁBUA E OLIVEIRA DO HOSPITAL

    D.A.G.F./DOC.5

    Pelo Presidente da Câmara foi presente a proposta de Protocolo de Cooperação com a ADI – Agência para o Desenvolvimento Integrado de Tábua e Oliveira do Hospital, tendo em vista a organização conjunta da edição de 2014 da EXPOH – Feira Regional de Oliveira do Hospital, para análise e aprovação.

    Ainda sobre este assunto o Presidente da Câmara referiu que “contra aquilo que alguns
    dizem e apregoam a EXPOH, no ano transato, organizada pela Câmara Municipal, teve um investimento de cerca de 60.000,00 €”. Disse no entanto que “mesmo assim julgo que, este ano, devemos readaptar a EXPOH para que o investimento seja, no limite máximo, até 45.000,00 €”. O Sr. Presidente da Câmara prosseguiu citando como exemplo, quer em termos financeiros, quer em termos de organização, a realização da EXPOFACIC, por parte do Município de Cantanhede.
    Interveio a vereadora Cristina Oliveira declarando que “também não sou daquelas pessoas que acha que nada se deve fazer, acho que sim, num modelo ou noutro, penso que se deve investir neste certame, no entanto, considero que deveríamos dar-lhe uma dimensão diferente daquela que tem tido”. Disse entender que “não deve ser um certame só de festa, mas que seja uma oportunidade para a indústria e o comércio local se apresentarem, sobretudo investir na área empresarial do concelho que tenho verificado nem sempre estar presente”. No que se refere ao presente protocolo referiu não ver qualquer constrangimento a não ser no facto de entender que “a ADI deveria ir ao encontro do setor empresarial local e incentivá-lo a estar presente para que este certame seja também uma oportunidade de fazer negócios e não aquele certame de comércio que normalmente, todos os anos, ali se instala”. Realçou que “aí penso que de facto há um grande trabalho a fazer”.
    Disse igualmente entender que “seria interessante que, na mesma semana em que se realiza este certame, se realizassem outras iniciativas, em paralelo, que tenham a ver, precisamente, com o desenvolvimento da economia do concelho e com o empreendedorismo, ou seja, tudo aquilo que diz respeito à captação de investimentos para o concelho”. Considera assim que “aliar este certame da festa dos concertos àquilo que também deve ser um dos objetivos do concelho seria, sem dúvida, uma verdadeira organização de um evento desta natureza”. Mais declarou que “em relação ao protocolo tenho alguma resistência naquilo que diz respeito às obrigações da ADI, relativamente a questões financeiras. Julgo que esta parte financeira deveria ficar sob o controlo do Município e não ser entregue a uma Agência, é uma Agência que tem um papel fundamental na parte da organização dos espaços, na divulgação e na segurança, mas discordo que tenha uma intervenção mais direta na questão financeira, designadamente na adjudicação nos direitos de exploração e na “arrecadação” das receitas da feira”. Conclui referindo que “são as únicas questões com as quais discordo, acho que toda a parte financeira deveria manter-se sob o controlo da Câmara Municipal”.
    O Presidente da Câmara lembrou que a EXPOH tem características muito diferentes,
    incluindo a vertente social (EXPO SOCIAL), pelo que, neste momento, não há espaço suficiente para alargar a dinâmica desta feira. Quanto ao protocolo disse entender que “este documento não pode ser mais claro, nem mais transparente nas suas medidas”, frisando que “este protocolo obriga à elaboração de um relatório final que fundamente a parte financeira”, razão pela qual, como referiu, não vê qualquer problema.
    Tomando uso da palavra, a vereadora Graça Silva referiu que “a ADI é uma Agência que tem contribuído muito para a promoção do comércio local, quer de Oliveira do Hospital, quer de Tábua”, afirmando que, “se eventualmente houver lucro, é certo de que será dado conhecimento do mesmo ao executivo e a ADI fará certamente um bom investimento na promoção do comércio local do concelho de Oliveira do Hospital”.
    Interveio também o vereador Nuno Ribeiro destacando e realçando a importância que a ADI tem tido em todas a iniciativas que tem realizado no sentido de alavancar e incentivar o comércio local de Oliveira do Hospital. Referiu igualmente acreditar que caso a ADI tenha mais verba disponível o tecido empresarial e o comércio local de Oliveira do Hospital sejam ainda mais dinamizados e aproveitados.
    A vereadora Graça Silva lembrou ainda que “a Câmara Municipal tem tido muito essa
    parceria por parte da ADI, nomeadamente no que se refere ao pelouro da cultura no âmbito da promoção cultural nas várias iniciativas desenvolvidas e brevemente também o terá em algumas iniciativas relacionadas com a moda onde, mais uma vez, aquela Agência estará em parceria com o Município na sua atividade cultural”.
    O Presidente da Câmara lembrou igualmente que a ADI foi uma herança do anterior mandato, mas que, este executivo, na pessoa do vereador José Francisco Rolo, tem vindo a dinamizar muito bem, realizando um bom trabalho na sua recuperação. Concluiu referindo que “não vejo nas palavras da senhora vereadora Cristina Oliveira, nenhuma crítica em relação à EXPOH, e até acredito que a visão que tem em relação àquela feira, seja aquela de que eu gostaria, mas, como sabemos, é preciso ter meios para o pôr em prática”.
    Prestados os necessários esclarecimentos, o assunto em questão foi submetido à votação, tendo a Câmara Municipal deliberado, por maioria, com os votos favoráveis dos vereadores Graça Silva, Nuno Ribeiro, Teresa Dias e João Ramalhete e do Presidente da Câmara e o voto contra da vereadora Cristina Oliveira, pelas razões acima aduzidas, aprovar o Protocolo de Colaboração a celebrar entre a ADI – Agência para o Desenvolvimento Integrado de Tábua e Oliveira do Hospital e o Município de Oliveira do Hospital, tendo em vista a organização conjunta da edição de 2014 da EXPOH – Feira Regional de Oliveira do Hospital, incluindo todas as ações relacionadas com o planeamento, divulgação, inscrição e organização de instalação de expositores, animação, controlo de entradas e saídas, e segurança e vigilância, documento que se anexa e que fica a fazer parte integrante desta ata. –
    Em virtude do Vereador José Francisco Rolo ser em simultâneo o Presidente da Direção da ADI, ausentou-se da sala de reuniões no momento da discussão, apreciação e votação deste assunto.

    • Politicalex

      Quem foram esses “alguns” que disseram que a EXPO H de 2013, teve um “investimento”!!! de 60 mil euros??? O prejuízo, quer Vossa Excelência, senhor Presidente, dizer… “Investimento” em quê? Qual foi, ou é, o retorno? “O Senhor Presidente “escalpelizou” na anterior reunião”!!! “Escalpelizou” o quê? Na acta não está nada..! O Senhor Presidente não declarou à imprensa que estávamos em contenção, e que no máximo gastaria 45 mil euros, conforme a acta supra, de 17 de Junho..? Mas, nas actas supra, estão 107 920 97 euros. Não os 45 mil anunciados… Presidente de Câmara é sinónimo de aldrabão..? Vai vir a costumada demagogia falar de “alguns”? As actas são falsas? Afinal, se a despesa foi de 45 295, 61 euros , o que fizeram ao resto do dinheiro..? Se já tinham concedido à ADI 45 000 00 euros para fazer a festa, porquê e para quê, as decisões de 24 de Julho com mais 45 525 00 euros mais IVA? Estamos a falar dos mesmos, dados à ADI? Se sim, não creio, como pagaram aos “artistas do regime” :Quim Barreiros, Gabriel e Rui de Penacova? Quem pagou as muitas jantaradas e beberadas? Como é que os gastos diminuiram 15 000 euros e as receitas quase 60mil??? Não houve ninguém que se esqueceu de entregar as caixas??? Não anda ninguém a brincar com o nosso dinheiro e inteligência? Os números estão errados, ou são as actas dos subsídios..? Alguém nos vai esclarecer, ou vamos continuar com os “comícios” demagógicos como o da mensagem de Natal e não só..? Quem nos vem esclarecer..? Com números… e documentos…

      • José Carlos

        Caro Politicalex;

        Números? Então se não conseguiam compreender e defender o números com que brindaram o Orçamento para 2015 acha que lhe vão explicar alguma coisa? Só com o cuzinho num mocho é que vão aprender a fazer contas. Eu sei é que são perto de 18 milhões de euros para o orçamento e não chegamos a 18 mil pessoas, andam a brincar com 1000 euros por ano de cada um de nós.
        Depois vêm fazer uma farmalha estrondosa porque compram uma latas de atum, umas bolachas, umas lentilhas e uns xixaros para darem aos pobres e carenciados.
        Eu dava 3000 euros a quem os corresse à pedrada.

        • Politicalex

          Cá para mim, acho melhor não “estragar” as pedras. Ao bater naqueles “calhaus” corre-se o risco de as danificar…

    • Duvida

      Fiquei sem entender, aqui, se aprovaram o protocolo ou o protocolo com os 45k.

      • Aprova-se tudo

        Ó Homem, é tudo aprovado, cada vez que o Bizu sai da sala, são uns milhares de euros que lhe dão para estoirar.
        Ele sai, pois até deve ter vergonha do que lhe aprovam.

  • Acta CMOH 24/07/2014

    2.3.7 – “AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS PARA O ESPETÁCULO COM O GRUPO THE GIFT” – 2 DE AGOSTO DE 2014

    D.A.G.F./DOC.11

    Nos termos do disposto no nº. 3 do artigo 35º. da Lei nº. 75/2013, de 12 de setembro, a Câmara Municipal deliberou, por unanimidade, ratificar a decisão do Sr. Presidente da
    Câmara que, por despacho de 11 de julho de 2014, emitiu parecer favorável quanto à
    contratação da “Aquisição de Serviços para o Espetáculo com o Grupo The Gift”, a realizar no dia 2 de agosto do ano em curso, no âmbito da EXPOH 2014, mediante processo de ajuste direto, com convite à empresa Chuva de Sucessos Unipessoal, Lda., no valor estimado de 20.000,00 € (vinte mil euros), a que acrescerá o IVA à taxa legal em vigor, conforme documento que se anexa e que fica a fazer parte integrante desta ata.

    2.3.8 – “ALUGUER, MONTAGEM E DESMONTAGEM DE STANDS E EQUIPAMENTOS AFINS NO ÂMBITO DA EXPOH 2014”

    D.A.G.F./DOC.12

    Nos termos do disposto no nº. 3 do artigo 35º. da Lei nº. 75/2013, de 12 de setembro, a
    Câmara Municipal deliberou, por unanimidade, ratificar a decisão do Sr. Presidente da
    Câmara que, por despacho de 17 de julho de 2014, emitiu parecer favorável quanto à
    contratação da aquisição de serviços para “Aluguer, Montagem e desmontagem de Stands e Equipamentos Afins no âmbito da EXPOH/2014”, mediante processo de ajuste direto, com convite à empresa Multitendas – Comércio e Aluguer de Tendas, Lda., no valor estimado de 24.525,00 € (vinte e quatro mil, quinhentos e vinte e cinco euros), a que acrescerá o IVA à taxa legal em vigor, conforme documento que se anexa e que fica a fazer parte integrante desta ata.

  • Acta CMOH 30/10/2014

    A-5) – ADI – AGÊNCIA PARA O DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DE TÁBUA E
    OLIVEIRA DO HOSPITAL

    D.A.G.F.

    A vereadora Graça Silva propôs à Câmara Municipal que, no âmbito do protocolo de
    cooperação celebrado entre o Município de Oliveira do Hospital e a ADI – Agência para o Desenvolvimento Integrado de Tábua e Oliveira do Hospital, tendo em vista a organização conjunta da edição de 2014 da EXPOH – Feira Regional de Oliveira do Hospital e após a apresentação do relatório final das despesas e receitas da feira, da responsabilidade daquela entidade, atribua à ADI – Agência para o Desenvolvimento Integrado de Tábua e Oliveira do Hospital, um subsídio no montante de 18.395,97 € (dezoito mil, trezentos e noventa e cinco euros e noventa e sete cêntimos), ou seja, o valor correspondente ao diferencial que resulta entre o total das despesas que foi de 45.295,61 € (quarenta e cinco mil, duzentos e noventa e cinco euros e sessenta e um
    cêntimos) e o total das receitas que foi de 26.899,64 € (vinte e seis mil, oitocentos e noventa e nove euros e sessenta e quatro cêntimos).
    A Câmara Municipal nos termos do disposto na alínea u) do n.º 1 do art.º 33.º da Lei
    n.º 75/2013, de 12 de setembro, deliberou, por maioria, com os votos favoráveis dos vereadores Graça Silva, Nuno Ribeiro, João Ramalhete e Teresa Dias e a abstenção da vereadora Cristina Oliveira, que a justificou alegando total desconhecimento do documento em apreço, uma vez que não lhe foi enviada cópia do mesmo, aprovar a presente proposta.
    Ainda sobre este assunto, a vereadora Cristina Oliveira manifestou a sua estranheza pelo facto de verificar que os senhores vereadores votaram a presente proposta com desconhecimento do documento que originou a concessão deste apoio, ao que os senhores vereadores disseram entender que, no caso em apreço, o motivo apresentado pela vereadora Cristina Oliveira para justificar o seu voto de abstenção, não faz sentido, uma vez que, na anterior reunião, o Sr. Presidente da Câmara
    teve o cuidado de escalpelizar o relatório final das despesas e receitas da feira, da responsabilidade da ADI.
    Concluída a votação do assunto supra referenciado, o Vice-Presidente da Câmara
    entrou na sala de reuniões, retomando os trabalhos da presente reunião.

  • RO CMOH 27/07/2014

    2.4.4.1 – ADI – AGÊNCIA PARA O DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DE
    TÁBUA E OLIVEIRA DO HOSPITAL

    O Presidente da Câmara propôs à Câmara Municipal que atribuía à ADI – Agência para o Desenvolvimento Integrado de Tábua e Oliveira do Hospital, um subsídio no montante de 8.000,00€ (oito mil euros), como apoio à implementação de ações, para colmatar a falta de projetos co-financiados, com vista à dinamização e incentivo às compras no Comércio local/Tradicional de forma continuada e devidamente programada, ao longo do ano.
    A Câmara Municipal deliberou, por todos os membros presentes, e nos termos do disposto ma alínea u) do n.º 1 do art.º 33.º da Lei n.º 75/2013, de 12 de setembro, aprovar a presente proposta.
    Em virtude do vereador José Francisco Rolo ser em simultâneo o Presidente da Direção da ADI, ausentou-se da sala de reuniões no momento da discussão e apreciação deste assunto.

  • Marcelo Caetano

    “Em poucas décadas estaremos reduzidos à indigência, ou seja, à caridade de outras nações, pelo que é ridículo continuar a falar de independência nacional. Para uma nação que estava a caminho de se transformar numa Suiça, o golpe de Estado foi o princípio do fim. Resta o Sol, o Turismo e o servilismo de bandeja, a pobreza crónica e a emigração em massa.”
    “Veremos alçados ao Poder analfabetos, meninos mimados, escroques de toda a espécie que conhecemos de longa data. A maioria não servia para criados de quarto e chegam a presidentes de câmara, deputados, administradores, ministros e até presidentes de República.”

    • Justo

      Alex, Alex, como o Marcelo sabia que íamos ser vilipendiados por vermes da tua laia.

    • Politicalex

      Muita me custa admitir mas, o problema, não é o subprime,como os PSs gostam de dizer. O problema , essencialmente, são esses “meninos mimados” “ditos de esquerda” (PSs) que se encarregaram de dar razão ao M. Caetano…

  • Eu é mais bolos

    O meu assunto é mais bolos, mas tenho de agradecer ao senhor Lopes este esclarecimento. Ajuda a compreender como vai a (des)governação do reino. Esta gente não tem uma ponta de decoro. Ainda bem que passou para a oposição e deixou de dar cobertura a estas trapalhadas. O meu assunto é mais bolos, o deste executivo não sei qual é, mas certamente não o assunto deles não boa governação nem trabalhar em prol do povo.

  • Eu é mais bolos

    Resta-me dar-lhe os parabéns por este artigo e um bom Natal para si também..

  • Mitómano

    Já enjoa tanta demagogia. Até na mensagem de Natal o Sr.Presidente fez um comício..Razão tinha o Marcelo Caetano. Gostava de ver uma posição da Câmara acerca deste artigo do Sr. António Lopes. As actas estão aí, venha a explicação.

  • Guerra Junqueiro

    Caro Sr.
    António Lopes;

    Agradecendo e
    retribuindo desde já as felicitações que endereçou de “Bom Natal e Feliz Ano
    Novo”, aproveito para o congratular pela primazia e excelência do artigo de
    opinião que redigiu, pois de forma despretensiosa, simples e clara mostrou
    pegando no caso da ExpOH que não foi este “Tudo pelas Pessoas”, onde se gasta “à tripa forra” e se dá “uma esmola aos pobres” escondendo e não demonstrando as
    contas a quem de direito e nos devidos locais, que o fizeram envolver-se e
    comprometer-se politicamente com Oliveira do Hospital e com os Oliveirenses.
    Acredito e
    concordo que realmente o que o move é a responsabilidade, pois não há muito
    tempo o criticava pela forma como defendia aqueles que agora se opõe, sei que
    acreditava neles e no projecto que apostaram levar a cabo, um outro “Tudo pelas
    Pessoas” bem diferente deste onde há pessoas que tudo levam e pessoas que tudo vêem
    levar. Só um Homem responsável opta por este desassossego, confrontando acérrima
    e persistentemente o poder que se instalou, tomou e parasitou todas as
    organizações, fundações e associações do concelho para além dos organismos e
    departamentos municipais, estatais e semi-estatais.
    Somos responsáveis
    pelo que fazemos, pelo que não fazemos e por aquilo que impedimos de fazer,
    como tal considero, aprecio e estimo o modo como endereçou e remeteu à
    responsabilidade civil e criminal, a irresponsabilidade politica que alguns
    agentes eleitos e executivos transformaram em folclore, iludindo, não
    respondendo e escondendo aos cidadãos as questões que lhes fizeram e que lhes
    cumpria explanar, esclarecer e elucidar com toda a frontalidade, verticalidade exatidão
    e veracidade.
    A jornalista
    Helena Matos escreveu que nós Portugueses “perdoamos muito mais facilmente a
    quem se demite das suas responsabilidades do que a quem as assume”. Eu, pelo
    contrário não perdôo a quem se apeia e afasta dos comprometimentos e
    compromissos assumidos perante o povo numa campanha exímia, que levou a
    resultados retumbantes, impensáveis e exagerados.
    Por isso, Sr.
    António Lopes, ao parabenizá-lo, acredito que queira honrar as promessas e os
    compromissos assumidos perante os cidadãos que lucidamente denomina de povo e
    ao qual afirma pertencer. Enganá-los a Eles, é enganar-me a mim e é também
    enganar-se a si. Sei que não o vai fazer. E sabe porquê? Porque é Responsável.

    Cumprimentos

    Guerra
    Junqueiro

  • JPCRUZ

    Quando se usa propaganda a dizer que se vai gastar 40 mil na EXPOH e gastasse quase o triplo desse valor e ainda por cima não se sabe se foi mais os bilhetes oferecidos do que os comprados isto é escandaloso. Depois vem dizer que vão ajudar as famílias com uns meros 50 por família onde ainda falta executar mais de 500 mil euros na acção social. O que estou a ver é que ” O TUDO PEAS PESSOAS” não passou de uma pura propaganda á caça ao voto. Isto é crime enganar as pessoas. SR. António Lopes também desejo para si e para os seus um bom natal e umas boas entradas para o ano de 2015.
    Saudações comunistas

  • Pelas costa

    Silêncio! Grito abafado, que revela a verdade.

    A situação da Câmara Municipal de Lisboa (CMLisboa) é um tabu mediático. Distribuindo côdeas pelos pobres médias e empregando alguns editores de confiança, António Costa garante uma omertà mediática.

    Apesar de haver bastante matéria para explorar, o silêncio alastra. Veja-se este caso. Em 17-12-2013, o presidente da CMLisboa, António Costa, propôs-se transferir para as juntas de freguesia da capital 1.800 funcionários do quadro. E em 10-11-2014, foi publicado no sítio da câmara, sobre o orçamento municipal para 2015: «Uma das mais importantes parcelas da redução é nas despesas com pessoal (8,4 por cento)»…

    Dirá o leitor, como terão penado os munícipes da capital e os demais cidadãos, que este é o exemplo a seguir, na redução de despesa da administração pública. Costa é que é. Porém, a novidade é que Costa que consta tranferir mais dinheiro do que o custo dos salários e regalias. E as juntas vão aumentando a despesa, duplicando veículos de comunicação, aproveitando a subvenção extraordinária da Câmara. Assim, numa evidente manobra demagógica, Costa simula reduzir despesa com pessoal enquanto aumenta a despesa geral do município…

  • Combate

    Senhor António Lopes: Como eu sei que o senhor já conhece o assunto,apreciava que escrevesse um artigo sobre o emprego para nos falar da solução 2 org, dos POCS, das ADESAS, das ADIs, que tanto dinheiro levam. Acho que o pessoal ia apreciar conhecer a história da 2 org ..(asmos)…! Isto está a ficar mesmo refinado…Dá para perceber a preocupação do nosso presidente com o emprego e com as dificuldades dos municipes…Aos que precisam mesmo, se forem muitos, dá 50 euros.uma vez no ano. Aos que precisam pouco e forem solteiros, dá-lhes uns POCS, umas ADESAS, e umas ADIs, para receberem umas centenas todos os meses. Quando já não os pode “ajudar” mais solução org… A Alguns.Aos de ocasião e de bandeira contrária, acabam o 1º ano e”não temos possibilidades” “Os cortes são muito grandes”…Cá para mim, isto, ainda vai acabar mal…A “bandeirada ” começa a dar muito nas vistas…

  • Eleições ARCIAL

    Mário Alves continua a ser “persona non grata” em Oliveira do Hospital.
    Levou uma tareia nas eleições da ARCIAL…
    Tentou ressuscitar e acabou por levar uma abada!

    • O que é a arcial?

      É para verem o que vai acontecer, a quem está a fazer pior do que ele.

  • Combate

    O substituto é bem pior..Faz tudo o que ele fazia e ainda pior…

  • Combate

    Precisamente no dia 29 de Setembro de 2006,o então eleito à Assembleia Municipal(ver pág.14), Professor José Carlos Alexandrino referiu que, na sua opinião, tal como o Professor Mário Alves,invoca a ética para não atribuir subsídios à ARCED, também devia ser a ética a não o deixar ser discriminatório com o jornal Correio da Beira Serra…Quem diria…???

    • Guerra Junqueiro

      Outros tempos, outros discriminadores.
      Os presidentes de câmara devem ser alérgicos ao CBS.
      Trabalhem bem, cumpram a Lei e as promessas e vão ver que a alergia passa.
      O engraçado, é que os presidentes vão caindo e o CBS vai-se mantendo hirto.
      Houve quem disse-se ao JCA, que foi o CBS que o sentou na cadeira, mas que também vai ser o CBS que o vai fazer levantar. Esse alguém apareceu ontem discretamente na TV. Não precisou de pagar nem de propagandear para ser visto e ouvido.

      Cumprimentos
      Guerra Junqueiro