Salvemos o Concelho Municipal da Juventude! Câmara Municipal não deve ser materialista… Autor: João Pedro Cruz

Ao fazer-se uma análise mais rigorosa, pode concluir-se que o Conselho Municipal da Juventude, tal como andou, não passava de um faz de conta em que quase toda a gente que dele fazia parte dizia ámen às (poucas) propostas que a ele chegavam, nomeadamente às vindas da Câmara Municipal.

No contexto de uma certa paz podre por lá reinante, a JCP até já foi interpelada para não provocar muitas ondas dentro deste Conselho Municipal da Juventude, sob pena de não haver quórum para realizar as reuniões desse mesmo Conselho! Enfim, queriam perpetuar uma espécie de clube de bons rapazes e raparigas entretidos a dizer e a ouvir umas larachas mornas e sem grandes consequências, destino por outros traçado mas que a JCP não aceitou nem aceita.

Ora, no exercício mais interventivo dos seus direitos e responsabilidades enquanto organização de jovens e para os jovens, no caso dentro do nosso Município, a JCP chegou a apresentar dois projetos candidatos ao chamado “Orçamento Participativo Jovem” que, anualmente, deveria enquadrar esse tipo de projetos protagonizados pelos jovens e/ou suas organizações representativas para depois, e se aprovados também com intervenção do Conselho Municipal da Juventude, virem a entrar no âmbito do orçamento e plano de atividades da Câmara Municipal.

Porém, e sobretudo por causa de teto máximo dos 25 mil euros por projeto e por ano, teto máximo imposto ultimamente pela Câmara Municipal, ambos os projetos apresentados pela JCP e pelo seu representante não foram considerados, o que é lamentável pois tais projetos eram e continuam a ser meritórios. Recorde-se que um desses projetos era para adequação e aproveitamento do Parque dos Marmelos, que continua quase abandonado, e outro projeto era para instalar novos equipamentos públicos (casas de banho) e, também, para alindamento e melhor utilização do Largo Ribeiro do Amaral.

A nosso ver, a maior limitação ao empenhamento e às propostas dos jovens para o Orçamento Participativo Jovem, foi o teto máximo dos 25 mil euros por projeto e por ano como a verba a disponibilizar pelo Orçamento anual da Câmara Municipal. A outra falha, por parte da Câmara Municipal, foi a falta de divulgação do programa precisamente junto dos Jovens e, por exemplo, junto das Juntas de Freguesia e das Coletividades Populares do Concelho.

Entretanto, e por proposta vinda da Câmara, foi agora posto fim ao Orçamento Participativo Jovem sob a alegação de que não interessava os jovens.

Trata-se de uma posição da Câmara que nós podemos classificar como maternalista e, até, inferiorizadora, assim como se estivesse a dizer-nos “ vamos tirar-vos (aos Jovens) este brinquedo – o Orçamento Participativo Jovem – porque vocês não querem brincar com ele”… Ora, pusesse, a Câmara, os meios efetivos à nossa disposição, aumentasse ela para 50 mil euros o teto máximo/ano, houvesse melhor divulgação do programa, e veríamos se havia ou não outras e mais diversificadas propostas dos Jovens para o Orçamento em causa… Mas, pronto, a Câmara optou por matar o Orçamento Participativo Jovem!

Vamos pois evitar que o Conselho Municipal da Juventude não tenha sido ferido de morte também!

Vamos apelar para a participação generosa e empenhada, como é característica dos Jovens!

Vamos levar o Conselho Municipal da Juventude até junto dos Jovens, nas Freguesias e nas Coletividades Populares do nosso Município!

Podem contar com a JCP!

Autor: João Pedro Cruz, Representante da JCP no Conselho Municipal da Juventude.

LEIA TAMBÉM

José Carlos Alexandrino considera prioritário financiamento para recuperar empresas afectadas pelos incêndios

O presidente da Câmara de Oliveira do Hospital mostrou-se hoje mais preocupado com a recuperação …

João Paulo Albuquerque

Vereador do PSD questiona razões para despesa de 2219,26 euros em refeições por parte da autarquia de Oliveira do Hospital no mês de Outubro

O vereador do PSD questionou, ontem, em reunião de Câmara, o executivo municipal de Oliveira …

  • A. Cunhal

    «Este palerma nem o nome sabe escrever, e aqui parece o João Dinis a escrever! Ontem era militante do PSD, hoje é Comunista e amanhã logo se vê!»

    • JPCRUZ

      é vergonhoso como ainda á pessoas que tem de recorrer aos pseudónimo para vir para aqui mandar postas de pescada. O senhor/a porque nao sem quem estáai desse lado deveria ter vergonha em evocar o nome do GRANDE ÁLVARO CUNHAL EM VÃO! eu sei que isto custa de ouvir mas enquanto eu puder nao me calarei doa a quem doer
      cumprimentos

  • J.J

    Oh Cunhal, deves andar às voltas no caixão só de pensar nestes líderes virtuosos.

  • COLIGAÇÃO DE ESQUERDA

    Ó Joãozinho Padeiro, cuidado com as criticas, o Senhor já se esqueceu que agora vocês pertencem todos à Coligação de Esquerda?. Aliás o Presidente Alex e o 1º. eleito da AM foram os pioneiros desta coligação, o Costa não trouxe nada de novo. Bom, resta-me esperar e desejar que a agora Coligação de Esquerda dure menos tempo do que durou a da CMOHP.

    • politicalex

      Pois… têm tudo em primeira mão visionários que prevêem o futuro a milhas e não aproveitam..! Aconselho ler um discurso de Álvaro Cunhal, proferido a 31 de Maio de 1980, na Alfândega do Porto, onde diz- milimetricamente, tudo o que está a acontecer…Agora dizem que é a crise..! E é, mas de saber e competência…

  • Se o montante é muito ou pouco, isso são as regras do jogo. É o que é. Só vai a jogo quem quer. Há câmaras que nem têm orçamento participativo jovem. Mas agora dizem que os moldes do programa vão ser alterados para o próximo ano, devido à cada vez menor participação dos jovens. Qual será razão desta somenos participação? A participação é pouca, é verdade. Mas, digam-me lá, dos poucos projetos que foram escolhidos, quais são os que foram financiados? Apenas um. O bar da ESTGOH que serviu também para pagar alguns favores ao “Empreiteiro” responsável pela execução da obra. Já que não se construir uma nova escola, há que compor o ramo de alguma forma. Não é assim de estranhar que os jovens pensem duas vezes em candidatarem-se com qualquer projeto que o valha. Fossemos nós doidos! A culpa desta fraca participação tem que ser repartida.

    • JPCRUZ

      tem toda razão naquilo que diz e por isso é que desde que a JCP entrou no Conselho Municipal de Juventude não papa desses grupos. porque aquilo não era mais nem menos que uma simples homilia. mais a JCP já disse que os grandemembros votantes do Conselho Municipal de Juventude porque quando eles não levam a sério aquele próprio orgão como a juventude poderá levar? Apesar de me isolarem de fazerem pseudo-chantagens a minha ninguem me cala e enquanto puder irei sempre denunciar aquilo que está mal naquele orgão