Sampaense despede-se do playoff

O desempenho dos conimbricenses durante o 2º período (24-9) foi decisivo para o triunfo final, pois não só permitiu que conseguissem dar a volta ao marcador, como também construir uma pequena vantagem que revelar-se ia importante durante a etapa complementar.

O primeiro período demonstrava que o Sampaense estava disposto a corrigir o resultado negativo do dia anterior, tendo ficado marcado pela alta pontuação conseguida pelas duas equipas (29-20). Se no período seguinte a formação de Coimbra deu continuidade à sua boa eficácia ofensiva (24 pontos), do ponto de vista defensivo condicionou muito mais o adversário, levando a que conseguisse apenas 9 pontos. Os dois conjuntos recolheram aos balneários para tempo de descanso, com a Académica na frente do marcador por 44-38.

O recomeço do jogo foi bem mais equilibrado, ainda que os 10 primeiro minutos tenham servido melhor os interesses dos visitantes já que continuavam na liderança (66-61). Nos últimos 10 minutos, o treinador José Calabote apostou numa defesa mais agressiva, ao utilizar uma zona press todo campo, que apara além de tentar forçar turnovers, tinha por objetivos reduzir o tempo de ataque da Académica, bem como tentar desregular os seus movimentos ofensivos.

Assim que a Académica conseguiu alargar um pouco mais a diferença pontual, o base Mário Fernandes (17 pontos, 5 assistências e 3 ressaltos) assumiu o comando da equipa de Coimbra. Fosse para ultrapassar com paciência a pressão, marcar os ritmos de jogo, prolongar o mais possível os movimentos ofensivos, ou para chamar a si a responsabilidade atacante através da exploração dos bloqueios diretos.

O capitão Fernando Sousa (19 pontos, 7 ressaltos, 4 roubos de bola e 2 assistências) voltou a mostrar toda a sua utilidade, o mesmo aconteceu com Szymon Lukasiak (12 pontos, 3 ressaltos e 2 desarmes de lançamento), muito eficaz, beneficiando da forma inteligente como rola nos bloqueios diretos.

O extremo Carlos Ferreirinho (35 pontos e 5 ressaltos), MVP do jogo com 31.5 de valorização, tudo fez para evitar a derrota, ao chamar para si a responsabilidade de ter a bola nas suas mãos nos minutos finais do jogo. Tal como o jovem internacional, também Diogo Gonçalves (20 pontos, 3 ressaltos e 2 roubos de bola) esteve muito eficaz nos lançamentos de longa distância.

Fonte: fpb.pt

LEIA TAMBÉM

O Bava da Bola

Um tal Bava, Zeinal de primeiro nome, foi presidente executivo durante anos da PT. Em …

Aquela máquina…

Dois golos de Cristiano Ronaldo e um de André Silva asseguraram a vitória de Portugal …