Sampaense disputou final do Troféu António Pratas

A final do Troféu António Pratas teve tanto de inédita como de emotiva. Apesar de a Ovarense ter voltado à conquista de títulos, vitória por 65-62, a formação de Ovar, pela forma como o jogo decorreu, não esperaria tantas dificuldades para levar de vencida a batalhadora equipa do Sampaense.

Depois de ter estado a vencer largo, os vareiros deram-se mal com a pressão defensiva do adversário, os erros sucederam-se, o desconforto tomou conta dos jogadores de Ovar, que ainda assim na parte final do encontro tiveram lucidez para gerir a vantagem pontual que chegou a ser muito curta. Bom espetáculo de basquetebol, que valeu essencialmente pela entrega das duas equipas, e pela forma como lutaram até ao último segundo.

O primeiro período foi pautado pelo equilíbrio, ligeira supremacia da Ovarense nos primeiros minutos, com o Sampaense a recuperar a liderança já na parte final do quarto, mas seria a equipa de Ovar a terminar na frente o primeiro período (13-12).

Mas tudo se alteraria passados dois minutos do segundo quarto, altura em que o Sampaense perdia pela diferença mínima (17-18). Com um parcial de 18-1, favorável aos vareiros, nos últimos oito minutos da 1ª parte, a equipa de Ovar disparou no marcador até ao intervalo (35-18). O conjunto de S. Paio de Gramaços abusava, sem sucesso, do tiro de três pontos como solução ofensiva, enquanto que do lado oposto a eficácia era bem maior. O jovem Nuno Morais estava com a mão quente nos lançamentos de longa distância (2 triplos), Miranda transmitia estabilidade à equipa da linha de lance-livre, aproveitando o técnico Carlos Pinto para rodar o seu banco que contribuía com pontos.

O início da segunda parte não trouxe nada de novo, o Sampaense continuava a cometer erros defensivos, com algumas distrações à mistura, tendo sido Sergi Brunet a referencia ofensiva da Ovarense nos primeiros ataques da etapa complementar. A equipa de Ovar circulava muito bem a bola no ataque, o coletivismo era palavra de ordem, sempre na procura do jogador em melhores condições para lançar ao cesto.

O técnico José Calabote procurava no seu banco as soluções para encurtar a diferença, que chegou a ser de vinte e seis pontos (27-53), bem como experimentava novas estratégias defensivas. Se bem que, tenha sido mais pela rotação efetuada pelo técnico Carlos Pinto nos minutos finais do 3º período, que o Sampaense se aproximou um pouco no marcador (33-52).

No 4º período, o Sampaense reapareceu a defender uma zona press 2x2x1, que se transformava numa defesa match-up. Opção defensiva que deu frutos, já que a formação de Ovar revelou enormes problemas para ultrapassar essa pressão, bater as situações de 2×1, bem como a encontrar soluções ofensivas para fazer pontos no ataque. Mas mais problemática, era a facilidade com que sofria pontos em contra-ataque, fruto de perdas de bola na transição defesa-ataque, a forma perfeita para recuperar de uma desvantagem pontual alargada. Um triplo de José Barbosa, mesmo no final de tempo de ataque (55-40), cortava o bom momento vivido pelo Sampaense.

Mas o jogo estava longe de estar decidido, o Sampaense animado pela recuperação, a carregar bem no ressaltos ofensivo e mais agressiva a atacar o cesto, encostava o resultado a quatro pontos de diferença (58-60) com 1.30 minutos para jogar. Cristóvão Cordeiro (11 pontos, 5 ressaltos e 4 assistências), da linha de lance-livre fez funcionar de novo o marcador a favor da Ovarense (61-58), e depois de dois ataques sem sucesso por parte da Sampaense, seria novamente da linha de lance-livre que Fernando Neves (10 pontos) colocava a Ovarense mais próxima da vitória (63-58).

Depois de um ressalto ofensivo transformado em dois pontos (60-63), e uma falta ofensiva conquistada a Miguel Miranda (7 pontos, 10 ressaltos e 4 assistências), o Sampaense ainda dispôs de dois lançamentos de três pontos para tentar levar o jogo para prolongamento. Faltavam poucos segundos para o fim, José Barbosa (10 pontos e 4 assistências) converteu os dois lances-livres após falta rápida da equipa de S. Paio de Gramaços (65-60), e de nada valeu o cesto de Joel Almeida (10 pontos, 3 ressaltos e 2 roubos de bola) a dois segundos do final.

Mesmo tendo tido problemas de faltas que o obrigaram a passar mais tempo no banco, o espanhol Sergi Brunet (12 pontos e 7 ressaltos), foi o mais valorizado da equipa de Ovar, como resultado da sua eficácia nos lançamentos de curta e média distância. O MVP do jogo, com 22.5 de valorização, acabaria por ser o atleta da Sampaense, Christopher Jr., autor de 19 pontos, 3 ressaltos, 3 assistências e 3 roubos de bola. Quem também esteve muito bem na equipa de S. Paio de Gramaços foi Hélder Carvalho (12 pontos, 7 ressaltos, 4 roubos de bola e 2 assistências).

fpb.pt

LEIA TAMBÉM

GNR realizou ontem 40 detenções em flagrante delito, sete das quais por roubo

Filho preso por suspeitas de ter matado mãe com martelo em Viseu

O homem de 37 anos suspeito de ter matado a mãe em Santarinho, no concelho …

Um morto e dois feridos em acidente em Viseu

Uma colisão entre dois veículos ligeiros hoje de manhã, em Sátão, distrito de Viseu, provocou …

  • Bernardo

    Parabéns.