Após a derrota em casa na passada semana frente à equipa do Benfica, cabia agora ao Sampaense deslocar-se ao pavilhão Açoreana no complexo desportivo do estádio da Luz.

Sampaense: Época termina na primeira eliminatória

O favoritismo estava todo do lado da equipa lisboeta, mas era vontade inequívoca dos beirões ir a Lisboa vingar as épocas anteriores de sucesso, onde o clube de S. Paio de Gramaços chegou por 4 vezes consecutivas à final da competição conseguindo aí 3 campeonatos nacionais.

O jogo iniciou-se numa toada de equilíbrio com o Sampaense a dominar os primeiros cinco minutos. A equipa do Benfica parecia surpreendida com a postura dos visitantes mas após os primeiros minutos os jogadores “chave” das águias apareceram e, devido à sua superior técnica, melhoraram os índices atacantes.

O primeiro período termina empatado a 15 pontos. O segundo período foi a confirmação da superioridade da equipa da casa. Com jogadores técnica e tacticamente mais valiosos, o Benfica consolidou o seu jogo colectivo e superou a até então eficaz defesa do Sampaense. Os visitantes viram-se impotentes ao tentar parar jogadores como António Tavares e as suas penetrações mortíferas ou ao tentar evitar o acerto exterior de Seco Camará.

O jogo vai para intervalo com o resultado de 37-27. No terceiro período não houve alterações ao rumo da partida. Os homens da casa estavam mais confiantes e o desnorte apoderou-se dos visitantes que começaram a cometer demasiados erros nos movimentos atacantes. Ao tentarem ser rápidos nas transacções entre a defesa e os lances de ataque, os jogadores do Sampaense viram muitas das suas tentativas acabarem nas mãos dos adversários após passes precipitados e muito denunciados.

Este período terminou com o resultado de 59-39 e deixava o Sampaense quase definitivamente fora da corrida para a vitória. Nos últimos 10 minutos o Sampaense tentou, nos primeiros minutos, recuperar pontos no marcador. Com Justin Marshall visivelmente impossibilitado de dar o seu melhor devido a lesão, cedo se percebeu que a equipa beirã já não tinha hipótese de dar a volta aos acontecimentos.

Nessa altura Gradeço decidiu oferecer a todos os jogadores minutos em campo e, ao mesmo tempo, Henrique Vieira decidiu igual e deu também hipótese a todos os seus jovens jogadores de banco a chance de mostrarem um pouco do seu basquetebol. Nesta altura o jogo voltou-se a equilibrar, mas já era tarde para uma reviravolta no marcador. O resultado final foi de 86-63.

O Benfica foi justo vencedor pelo que fez nos dois jogos e pela qualidade do seu plantel. No Sampaense fica para a história a pior época de sempre, desde a sua participação na Proliga e salva-se o facto de ter conseguido classificar-se nos 8 primeiros lugares da fase regular, facto que lhe pode valer a participação na reformulada competição a definir para a próxima época.

O MVP da partida foi Seco Camará com 28 pontos e 9 ressaltos. No Benfica estiveram em igual destaque António Tavares com 23 pontos e 3 ressaltos e Marco Gonçalves com 12 pontos e 8 Ressaltos. Na equipa do Sampaense queria desta vez destacar toda a equipa que dentro das suas limitações tudo fez para conseguir a vitória. De forma mais destacada queria referir os jogadores menos utilizados, uma vez que mesmo não tendo sido tão decisivos como os seus companheiros com mais minutos, sem eles seria impossível levar esta equipa aos mais altos patamares do basquetebol nacional.

Por isso, destacava então André Santos que veio das camadas jovens este ano, Cláudio Figueiredo capitão e também campeão pela nossa equipa, Filipe Matos que também é um jovem da formação e Frederico Portugal.

 

Por: pnv

LEIA TAMBÉM

O Bava da Bola

Um tal Bava, Zeinal de primeiro nome, foi presidente executivo durante anos da PT. Em …

Aquela máquina…

Dois golos de Cristiano Ronaldo e um de André Silva asseguraram a vitória de Portugal …