Sampaense sofre derrota frente aos atuais campeões nacionais

A vitória do Benfica, por 103-56, resulta fundamentalmente da intensidade defensiva colocada no jogo pelos encarnados, bem como da eficácia do tiro exterior, da exploração do contra-ataque e a supremacia em todos os aspetos nas áreas próximas do cesto.

O SL Benfica demonstrou desde a bola ao ar que não estava na disposição de deixar o Sampaense criar expetativas quanto a uma vitória neste encontro.

Os encarnados entraram a defender bem, a tentar fechar todas as linhas de primeiro passe, a dominar a luta das tabelas, a explorar bem o contra-ataque e, quando o jogo interior não era opção, o tiro exterior era solução eficaz.

Eram demasiados problemas para o técnico José Calabote ter que resolver. Já o resultado, esse, começava a avolumar-se e no final do 1º período o Benfica já vencia por dezoito pontos (24-6). No segundo quarto, a equipa de S. Paio de Gramaços procurou explorar mais as penetrações em drible. Mas os comandados de Carlos Lisboa continuavam a aplicar-se na defesa, contestando todos os lançamentos dos jogadores do Sampaense.

Sensivelmente a meio do 2º período, quando o resultado já era favorável ao Benfica em 40-15, José Calabote optou por uma zona 1x2x2, que ainda assim não conseguiu impedir os lançamentos triplos dos encarnados. O intervalo chegava com os campeões nacionais a marcarem claramente a diferença no marcador (55-23).

O registo do jogo na segunda parte não se alterou, pelo que, se a tarefa do Sampaense no final do 1º tempo já era enorme, no termo do 3º período (83-44) poder-se-ia qualificar de monstruosa.

Domínio avassalador dos benfiquistas, fruto de uma boa eficácia nos lançamentos triplos, onde Lace Dunn (30 pontos e 4 ressaltos), com 8/13, é um bom exemplo dessa pontaria. João Betinho (18 pontos e 9 ressaltos) ficou muito perto do duplo-duplo, mais um do que o companheiro Seth Doliboa (17 pontos e 7 ressaltos). De referir ainda que Carlos Andrade e Ricky Franklyn ficaram de fora neste jogo.

O Sampaense não teve uma tarde fácil, embora todo o mérito tenha que ser dado ao seu adversário pela forma como se apresentou neste jogo. O norte-americano Alexander Rapier (19 pontos e 8 ressaltos) foi o mais valorizado no conjunto de S. Paio de Gramaços.

Texto e foto: www.fpb.pt

LEIA TAMBÉM

O Bava da Bola

Um tal Bava, Zeinal de primeiro nome, foi presidente executivo durante anos da PT. Em …

Aquela máquina…

Dois golos de Cristiano Ronaldo e um de André Silva asseguraram a vitória de Portugal …