Santa Ovaia tem história perpetuada em livro

No passado domingo, Santa Ovaia prestou homenagem a todos os homens e mulheres que fizeram a história daquela freguesia. No Dia da Freguesia, foi homenageado José Agostinho Figueiredo e Castro, homem “de respeito, solidariedade, verdade e da honra”. Na praça central da localidade foi colocado um busto em granito deste engenheiro que foi vereador na Câmara Municipal, sob a presidência de António Simões Saraiva.

O “homem que todos nós trazemos no coração”, como o definiu o padre António Borges de Carvalho, foi lembrado numa cerimónia que juntou população e familiares, promovida pela Junta de Freguesia de Santa Ovaia, e à qual se associou o executivo da Câmara Municipal e o presidente da Assembleia Municipal de Oliveira do Hospital.
“Tinha um carinho muito especial por Santa Ovaia, que considerava a sua terra de adoção”, afirmou José Figueiredo e Castro, filho do homenageado, acrescentando que “procurou sempre melhorar a qualidade de vida da população, para que todos sentissem o progresso que as aldeias do interior merecem”.

Para António Lopes, presidente da Assembleia Municipal, é um “orgulho ter pessoas desta dimensão que honram toda a comunidade”, considerando tratar-se de uma “pessoa de humildade exemplar”. Destacando o papel de pessoas que se destacam no “empreendedorismo e capacidade de fazer”, António Lopes prestou homenagem “àqueles que também espalham o nome de Santa Ovaia e do concelho”, referindo-se aos arguinas, “artistas que fizeram este busto e que estão espalhados por esse país fora”.

“Um povo que não tem memória não é um povo digno, e a partir de hoje haverá memória em Santa Ovaia”, considerou o presidente da Câmara Municipal, que destacou uma das qualidades do homenageado: “falava a todas as pessoas, independentemente da sua condição”. “Reconheço muitas destas características do concelho e das nossas comunidades nos homens e mulheres que têm feito um trabalho em prol dos mais necessitados, proporcionando uma igualdade de oportunidades que me apraz registar”, referiu ainda José Carlos Alexandrino.

st2O Dia da Freguesia foi ainda aproveitado para a apresentação do livro “Monografia Histórica de Santa Ovaia”, da autoria de Jorge Mendes, considerado como “um maravilhoso repositório de conhecimentos” pelo pároco António Borges.
A obra, editada com o apoio da Câmara Municipal, foi classificada pelo presidente do Município como “um grande documento”. “Santa Ovaia é uma freguesia da pedra, mas também é de homens de letras”, acrescentou, enquanto António Lopes entendeu que “é muito enriquecedor ter um livro deste tipo”, os quais são “bilhetes de identidade das nossas vilas, aldeias e cidades”. A obra foi prefaciada por António Almeida Santos, antigo presidente da Assembleia da República, que esteve presente na sessão e afirmou que as pessoas de Santa Ovaia “podem ter orgulho no livro que publicam e no seu passado”.

st3No passado fim de semana, Santa Ovaia promoveu também o 4.º Festival de Sopas, que repetiu o sucesso de outros anos, garantindo uma grande adesão do público que quis provar as tradicionais iguarias e usufruir da componente cultural e musical associada ao festival. No final foram revelados os vencedores do concurso, que contou com 23 sopas a disputar o título de ‘A melhor sopa’, atribuído à Sopa de Feijão Canteiro do restaurante João Brandão, da Quinta da Geia. O restaurante A Cristina ganhou nas categorias ‘Sopa mais saborosa’ e ‘Melhor apresentação’ com as duas sopas que levou a concurso, a Sopa da Avó e a Sopa Seca, respetivamente. O título de ‘Aroma mais agradável’ foi entregue à Sopa da Pedra do restaurante Casa dos Grelhados; e a Sopa à Camponês, da Tasquinha dos Marques, foi considerada a ‘Sopa com maior riqueza de ingredientes’.

LEIA TAMBÉM

Incêndios causaram mais de 10 milhões de euros de prejuízos em Seia

Os prejuízos financeiros causados pelos incêndios dos dias 15, 16 e 17 de Outubro no …

idosos

Idoso desaparecido em Trancoso

Os Bombeiros e a GNR estão a procurar um homem de 90 anos que foi …