Terça-feira, Março 28, 2017
Início - Sociedade - Saúde - Secção do Centro da Ordem apoia colocação de jovens médicos nos centros de saúde
Secção do Centro da Ordem apoia colocação de jovens médicos nos centros de saúde

Secção do Centro da Ordem apoia colocação de jovens médicos nos centros de saúde

A Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos (SRCOM) congratulou-se hoje com a intenção do Governo de colocar jovens médicos nos centros de saúde. O organismo, liderado por Carlos Cortes, apela, porém, ao executivo para que trave a saída de profissionais para o estrangeiro.

“É o reconhecimento da tutela perante a falta de recursos humanos, designadamente os médicos especialistas em Medicina Geral e Familiar”, afirma o presidente da SRCOM. Num comunicado, a secção regional da Ordem elogia a intenção do Governo em colocar médicos de família nos centros de saúde, “especialmente nas zonas mais carenciadas”, mas exige a melhoria nos procedimentos concursais: “Anteriormente, os concursos introduziam factores de desequilíbrio e desigualdade entre os candidatos. Não podemos pactuar com essas injustiças. Os concursos têm de ser transparentes, condignos e justos”, defende.

Carlos Cortes exige ainda que o ministério da Saúde crie “condições concretas para travar a saída dos médicos do Serviço Nacional de Saúde, nomeadamente para a emigração”. “Desde 2014, da região Centro, emigraram 112 médicos”, explica, sublinhando que, neste momento, “faltam oitenta médicos de família na região Centro” e é “absolutamente urgente responder às graves carências de recursos humanos médicos nos centros de saúde, que, por esse motivo, estão a atravessar graves dificuldades das quais resultam gravosos impactos para as populações”.

Adianta que nos próximos dois anos já estarão formados mais de 140 médicos especialistas em Medicina Geral e Familiar na região Centro (dos 300 em formação neste momento, 72 no último ano da especialidade), o que “dará para suprir as necessidades e colmatar a falta de recursos humanos”. Carlos Cortes considera, porém, que “falta ainda definir o sistema de incentivos” para a colocação de profissionais de saúde nas áreas geográficas mais carenciadas.