Secretário de Estado do Tesouro demite-se e queixa-se do “lado podre da política”

O secretário de Estado do Tesouro apresentou a sua demissão na manhã desta quarta-feira e diz que não tem “grande tolerância para a baixeza” com que foi tratado nos últimos dias. Também garante que houve um documento “falseado” neste processo.

Na base da decisão de Joaquim Pais Jorge está a polémica com a sua participação na apresentação de uma solução de swaps ao Governo de José Sócrates, em 2005, que começou por negar, na sexta-feira, e depois teve que admitir ter participado em reuniões quando era diretor do Citigroup.

Sobre a sua participação nas reuniões com o Governo socialista, que o secretário de Estado já admitiu, por escrito, anteontem, nem uma palavra hoje. O governante baseia toda a sua carta de demissão na acusação de manipulação do documento que foi entregue pelos representantes do Citibank ao gabinete de José Sócrates. Essa proposta incluía a criação de um swap para reduzir a dívida e o défice públicos nas contas oficiais.

Em comunicado divulgado há pouco pelo seu gabinete, Joaquim Pais Jorge afirma que a apresentação com mais de oito anos [documento que o Citigroup terá entregue ao gabinete de Sócrates em 2005] que motivou a polémica foi “falseada” para que incluísse o seu nome “revelam um nível de atuação política” que considera “intolerável”.

“A minha disponibilidade para servir o país sempre foi total. Não tenho, no entanto, grande tolerância para a baixeza que foi evidenciada”, aponta Joaquim Pais Jorge.

Mas vai mais longe: “É este lado podre da política, de que os portugueses tantas vezes se queixam, que expulsa aqueles que querem colocar o seu saber e a sua experiência ao serviço do país.”

Na terça-feira à noite, o Governo dizia manter a confiança no secretário de Estado do Tesouro, justificando com uma manipulação de documentos as notícias de envolvimento de Joaquim Pais Jorge na tentativa de venda de contratos de swap ao Governo Sócrates.

Ao fim de um dia inteiro de avaliação, o Ministério das Finanças afirmou nesta terça-feira à noite que o documento que tem sido noticiado por vários órgãos de comunicação social com propostas de contratos swap do Citigroup ao Governo em 2005, onde consta o nome de Joaquim Pais Jorge, actual secretário de Estado do Tesouro, foi afinal manipulado.

Joaquim Pais Jorge tomou posse como secretário de Estado do Tesouro no dia 2 de julho, juntamente com a nova equipa das Finanças, depois da demissão de Vítor Gaspar no dia anterior.

publico.pt

LEIA TAMBÉM

Ano de 2017 foi o melhor de sempre para o turismo no Centro de Portugal

O ano de 2017 foi o melhor de sempre para a atividade turística no Centro …

Uma insólita invasão de javalis na cidade de Viseu

Uma ‘praga’ de javalis tem invadido todas as noites a cidade de Viseu, revela o …

  • Erasmo de Roterdão

    Ao que este País chegou..! Não obstante, continuam a dizer-nos serem a melhor opcção..!Não merecemos mais?

  • Guerra Junqueiro

    Belarmino;

    Joaquim Pais Jorge esteve em reuniões com o governo de sócrates para vender SWAPs. O governo de sócrates não lhe comprou SWAPs. Joaquim Pais Jorge foi o único responsável de um banco que não conseguiu vender SWAPs ao Estado.
    O que podemos dizer, é que o homem é um nabo.

    Cumprimentos
    Guerra Junqueiro

  • Erasmo de Roterdão

    Concordo…logo, se nem para isso tinha jeito, foi lá fazer o quê? Para “artista” é preciso ter “arte”..! Não achas que num País normal, esta gente já estava esquecida de que tinham sido governantes? Não achas deprimente esta situação? Nem que me pagassem a ouro ..!E quantos dias para ir a ministra..?

    • Guerra Junqueiro

      Belarmino;

      E a cabeça do Sócrates. E do Paulo Campos. E, e, e…
      Em 6 anos duplicaram a divida e enriqueceram exponencialmente.
      Quem paga esta pobreza? Esta dependência? Esta vergonha? Este compromisso dos que até ainda não nasceram? Este crime de lesa-Pátria?
      Não te envergonha levares contigo uma multidão de dependentes, que acham que o pseudoemprego os vai solucionar ou sei lá adiar a solução. Não tens vergonha disto? Pensa. Fazia-te mais honesto, pois podemos enganar todos, mas enganarmo-nos a nós próprios é a abjecção mais mesquinha do Homem.
      «O mais corajoso de todos os homens nem sempre tem a coragem de afirmar aquilo que sabe de certeza.»
      Para seres grande, tens que ser inteiro e integro, acima de tudo contigo próprio.
      «Só uma coisa é mais terrível do que a calúnia: a verdade.»

      Cumprimentos
      Guerra Junqueiro