Seia quer promover natalidade e fixar população

Seia quer promover natalidade e fixar população a partir de Janeiro

A Câmara Municipal de Seia vai incentivar a natalidade e à adopção, que prevê o reembolso de despesas com crianças nascidas ou adoptadas no concelho a partir de Janeiro de 2015. O presidente da autarquia, Carlos Filipe Camelo (PS), o estímulo à natalidade “efectua-se através da atribuição de um subsídio mensal, a pagar a partir do nascimento da criança até aos 36 meses de idade da criança. Nos casos de adopção, a medida aplica-se desde o mês da concretização e durante o período de 36 meses”.

O apoio consiste no reembolso “de despesas efectuadas na área do concelho de Seia, com a aquisição de bens ou serviços, nomeadamente frequência de creche ou similar, consultas médicas, medicamentos, artigos de higiene, puericultura, alimentação, vestuário e calçado”, acrescenta o autarca. “O valor do incentivo varia de acordo com a idade, tendo como tecto máximo 50 euros mensais, no primeiro ano de vida, 30 euros no segundo ano de vida e 20 euros no terceiro ano. O valor do incentivo à natalidade é majorado em 10 por cento a partir do nascimento do segundo filho”, indica uma nota hoje enviada à agência Lusa.

A medida visa o aumento da natalidade, a fixação e a melhoria das condições de vida das famílias residentes no município, “num território com baixa taxa de natalidade e elevado envelhecimento populacional”, segundo a fonte. E destina-se aos indivíduos residentes, há pelo menos um ano, e recenseados no município, nos seis meses anteriores à data de nascimento da criança, que não aufiram rendimentos mensais ilíquidos superiores a 1.750 euros ou 2.750 euros, a título singular ou por casal, respectivamente. Ficam igualmente excluídos do programa, aqueles que aufiram de abono de família dos sistemas de segurança social e complementares.

O programa foi aprovado na última Assembleia Municipal de Seia, por maioria, com duas abstenções, e o projecto de regulamento encontra-se em fase de discussão pública durante o período de 30 dias, para vigorar a partir de 1 de Janeiro de 2015.

 

LEIA TAMBÉM

Atropelamento mortal em Candosa, concelho de Tábua

Mulher morreu hoje em Oliveira do Hospital vítima de atropelamento na EN17 junto ao Lidl

Uma mulher, com 60 anos, morreu ao final da manhã de hoje na sequência de …

João Paulo Albuquerque acusa PS por não concluir IC6, pelo menos, até 2030

João Paulo Albuquerque considera que o IC6 não é uma prioridade, mas sim uma necessidade …