Seixo da Beira assinalou 500 anos do Foral Manuelino

Exatamente 500 anos depois de D. Manuel I assinar a Carta de Foral, datada de 9 de fevereiro, a população de Seixo da Beira reuniu-se para festejar a efeméride. Foi a primeira freguesia do concelho de Oliveira do Hospital a celebrar os 500 anos do Foral Manuelino, cujas comemorações se vão prolongar ao longo do ano um pouco por todo o concelho.

Para assinalar a data foi promovido um concerto com o Coral de Sant’Ana na Igreja Matriz do Seixo da Beira, espaço que acolheu um momento de recriação da entrega do foral, cujo teor do documento foi lido em voz alta e posteriormente entregue, simbolicamente, ao presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital, José Carlos Alexandrino e ao presidente da Junta de Freguesia de Seixo da Beira, Carlos Batista. Ainda nessa tarde assistiu-se ao descerramento de uma placa evocativa da efeméride, não sendo possível continuar com o programa cultural devido à chuva intensa e que impediu a atuação do Rancho Folclórico da Associação Cultural da Freguesia de Seixo da Beira. As comemorações culminaram num jantar comemorativo para toda a população.

A presidir a uma freguesia que conta com um “valioso património cultural e religioso” e que constituem “as marcas da nossa história”, Carlos Batista considerou que “o povo e a Junta de Freguesia não podia ficar indiferente a isto”. Meio século depois, “hoje também é dia de festa. Estamos a comemorar com emoção, solenidade e muita dignidade uma das datas mais importantes da nossa longa e rica história”, afirmou o presidente da Junta de Freguesia. Uma festa “simples mas com a dignidade que merece” e que terá continuidade ao longo do ano, como assegurou o autarca do Seixo da Beira, nomeadamente por ocasião da Festa do Pão, Bolos e Bolas, em que “continuaremos a celebrar os 500 anos foral”. “Também assim continuamos a desenvolver a nossa freguesia”, disse Carlos Batista.

A acompanhar a sessão comemorativa, o presidente da Assembleia Municipal não deixou de abordar alguns aspetos históricos acerca da importância dos forais manuelinos e que na sua opinião ajudam a compreender o presente. “É preciso tentarmos perceber estas evoluções”, afirmou António Lopes, explicando que “há 500 anos foi uma mudança muito significativa na vida das pessoas, como foi agora uma mudança relativamente significativa para aquelas que perderam algumas freguesias”. Para o presidente da Assembleia Municipal “é preciso olhar para isto como um momento de reflexão da história e da evolução da sociedade” e para defender e lutar pelos “nossos direitos”. “Hoje, como há 500 anos, também precisamos do foral da nossa afirmação, da reivindicação de muitos dos nossos interesses que continuam por realizar”, concluiu.

Associando-se às comemorações, o presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital, José Carlos Alexandrino congratulou todos os envolvidos na iniciativa, desenvolvida “em parceria e com uma colaboração muito forte com o pelouro da Cultura” que realizará um trabalho conjunto, ao longo de 2014, com todas as freguesias que comemoram a atribuição do Foral Manuelino.

Tal como a atribuição do foral representou algumas conquistas para o povo, o autarca reafirmou o “compromisso” de “lutar pelas nossas populações, para que tenham igualdade no acesso à educação, à justiça ou à saúde, que são direitos fundamentais”. “Hoje, todos nós, com uma atitude crítica, devemos lutar para continuar a defesa de direitos que nos pertencem e que nos querem roubar”, referiu José Carlos Alexandrino. Numa altura em que se evoca um momento “importante e de alegria”, o presidente da Câmara Municipal não deixou de transmitir uma palavra de esperança e de luta para que “não nos sejam retirados” direitos conquistados. “A história do passado foi construída pelos nossos antepassados mas somos nós que construiremos o futuro para os nossos filhos e netos. Essa história está nas nossas mãos”, acrescentou José Carlos Alexandrino.

No final, Isabel Tavares, professora de História, fez uma pequena abordagem à história e importância da Carta de Foral atribuída por D. Manuel I que quis “criar um estado moderno”, organizar melhora a sociedade e “que quis ouvir o povo”.

Durante o presente ano, a Câmara Municipal de Oliveira do Hospital e as Juntas de Freguesia irão assinalar os 500 anos dos forais manuelinos com várias iniciativas, desde a organização de palestras e exposições, recriação da entrega dos Forais Manuelinos, concertos musicais, criação de um site e publicação de livros, colocação de placas comemorativas dos 500 anos e de um pendão nas fachadas da igreja matriz ou outro local, em cada uma das localidades. Depois de Seixo da Beira, seguir-se-á Oliveira do Hospital (27 de fevereiro); Lagos da Beira (15 de março); Ervedal da Beira e Lagares da Beira (15 de maio); Lourosa, Avô, Nogueira do Cravo, S. Sebastião da Beira (12 de setembro). Dos doze forais manuelinos, apenas estes nove são de 1514, mas as restantes localidades com carta de foral – Bobadela (1513), Penalva de Alva (1516) e Vila Pouca da Beira (1519) – irão assinalar a efeméride também este ano.

LEIA TAMBÉM

Polícia Judiciária deteve mulher que tentava introduzir haxixe na prisão de Coimbra

PJ deteve em Coimbra autor de crimes de homicídio, na forma tentada e de roubo

A Polícia Judiciária deteve um homem pela presumível prática de um crime de homicídio, na …

GNR realizou ontem 40 detenções em flagrante delito, sete das quais por roubo

Filho preso por suspeitas de ter matado mãe com martelo em Viseu

O homem de 37 anos suspeito de ter matado a mãe em Santarinho, no concelho …