Septuagenária foi estrela em cerimónia de entrega de diplomas

 

“Estou muito orgulhosa, porque nunca é tarde para aprender e nunca desisti”. As palavras proferidas, ontem à noite sobre o Palco do Mandanelho, pertencem a Olinda Cruz, uma oliveirense natural da Bobadela, mas que desde os 9 anos de idade se radicou em Vila Pouca da Beira.

Pese embora o elevado número de adultos, que tal como Olinda, concluiu uma etapa escolar, o microfone tinha que necessariamente dar voz à experiência da aluna que, tal como os demais, concluiu com sucesso o terceiro ciclo de Ensino Básico.

É que sobre o palco, naquela noite fria, que é a terceira da EXPOH que decorre em Oliveira do Hospital, estava o exemplo vivo de que “nunca é tarde para aprender”. E foi esta ânsia pelo conhecimento que a diplomada partilhou com o público.

“Aprendam sempre e, mesmo a trabalhar nunca desistam, porque há cabeças muito boas pelo mundo”, aconselhou Olinda Cruz que se confessou apaixonada pela aprendizagem e pela possibilidade de “saber mais”.

“É maravilhoso”, confidenciou aos jornalistas a septuagenária que encara a oportunidade de aprender como “a coisa mais linda do mundo”.

Com um passado dedicado à família e mais recentemente à igreja, Olinda Cruz não pensou duas vezes quando a presidente da Junta de Freguesia de Vila Pouca da Beira a convidou para o novo desafio. “Fiquei satisfeitíssima”, referiu, contando que ao contrário de outros habitantes da freguesia que não chegaram a concluir o desafio, ela não desistiu.

É que na memória da recém diplomada está a falta de oportunidades que, na sua juventude, a impediu de prosseguir os estudos, obrigando-a a ficar apenas com a 4ª classe.

Perante o mínimo sinal de oportunidade, Olinda cruz não hesita em aprender mais. Aconteceu, o mesmo, há uns anos, quando teve a possibilidade de completar o 6º ano de escolaridade, através de uma iniciativa da Junta de Freguesia de Vila Pouca da Beira.

A irradiar uma felicidade contagiante, Olinda Cruz sobressaiu entre os demais e, sobre “um palco cheio de gente nova”, disse alegremente sentir-se como uma “avozinha”.

“Investir na formação é uma mais valia e, mais cedo ou mais tarde, terá o seu retorno”

No total, foram cerca de seis dezenas os adultos que ontem concluíram os seus processos de Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências.

As mais valias profissionais, pessoais e sociais foram identificadas pela diretora do Centro Novas Oportunidades como algumas das garantias decorrentes da participação na resposta educativa, direcionada para os adultos, a quem é dada a possibilidade de certificação de competências.

Cristina Borges apreciou a coragem dos recém diplomados e, ao mesmo tempo desafiou, outros adultos a fazerem face ao comodismo e a tomarem a decisão de aprender mais. “Investir na formação é uma mais valia e, mais cedo ou mais tarde, terá o seu retorno”, considerou a responsável, que não escondeu a satisfação de pelo CNO terem já passado adultos que, depois enveredaram para Cursos de Especialização Tecnológica e, outros que se tornaram empreendedores e criaram os próprios negócios.

“São exemplos que nos enchem de orgulho”, confessou.

Em jeito de desafio, o presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital felicitou os diplomados e pegou no exemplo de Olinda Cruz para constatar que “nunca é tarde para voltar à escola e aprender”.

Neste sentido, elogiou a existência dos CNO e verificou que “quem fala mal das novas oportunidades não percebe o esforço dos adultos em termos de valorização”. “Mas eu, como professor e não como presidente do município percebo isso muito bem e queria-vos dar os parabéns”, frisou José Carlos Alexandrino, na opinião de quem “é muito importante termos uma sociedade com conhecimento e melhor preparada para os desafios”.

Aos que concluíram o 9º ano, Alexandrino colocou o 12º ano como nova etapa a atingir. Aos que reconheceram competências ao nível do 12º ano, o presidente do município aconselhou a realização de matrícula no ensino superior.

LEIA TAMBÉM

EPTOLIVA distinguida nos prémios Ciência na Escola

A EPTOLIVA (Escola Profissional de Oliveira do Hospital, Tábua e Arganil) foi a escola da …

Os pais da exclusão… Autor: Renato Nunes

Biblioteca Nacional de Lisboa, 29 de Setembro de 2017. Depois de mais um dia de …