Sónia Martins

O trajecto é rectilíneo, desde que se assumiu estudante de Leis, e assim continuará, sem hesitações na defesa intransigente dos princípios de que faz fé. A advocacia é e será sempre o seu modo de vida.

Aos 34 anos, a vida profissional sorri de forma airosa. Entregue aos seus afazeres no escritório situado no coração da cidade de Oliveira do Hospital, num tempo inesperado é despertada por um honroso convite, que inicialmente a deixou com um “aperto no estômago”; depois, mais calma, entendeu por bem dizer “sim”, e é em resultado da sua atitude que é candidata pelo Partido Socialista à Assembleia da República, círculo de Coimbra.

-“ Fui confrontada com a necessidade de haver uma representante feminina de Oliveira do Hospital na lista do PS ao Parlamento; a Comissão Política da Federação de Coimbra entendeu que eu reunia os requisitos necessários e perguntaram-me se aceitava integrar o grupo de candidatos. Pensei duas vezes, estava na dúvida, não que me assuste desempenhar o cargo, no caso de ser eleita, mas em Coimbra certamente haveria pessoas mais indicadas do que eu. Além disso, modificar a minha vida e alterar a minha carreira profissional nos tempos mais próximos não faz parte dos meus planos, mas…”.

Deixo no ar a importância de imaginar para si uma carreira política… – A minha forma de estar na política é clara: não tenho objectivos a atingir nessa área. Assumo a militância por amor e pela identificação de valores, como a transparência, solidariedade, respeito, interesse público, preocupação com o próximo e o bem-estar de todos.

Candidata a um lugar no Parlamento

– Desde quando faz parte da Comissão Política do PS em Oliveira do Hospital?
– Desde 2004. Entrei para o Partido em 2000, a tempo de acompanhar a candidatura do Manuel da Costa; estive na candidatura da doutora Maria José Freixinho, e de 2004 a 2006 fui presidente da Comissão Nacional de Jurisdição da Juventude Socialista. Continuo na Comissão Política de Oliveira do Hospital desde essa altura

– Depois de um trajecto relativamente curto como militante de base, que leitura faz do convite que agora lhe foi endereçado?

– Não posso deixar de me sentir orgulhosa porque tenho o sentimento do dever cumprido sempre que fui chamada a participar nas acções do Partido; é capaz de ser o reconhecimento desse trabalho, que registo com agrado.

Em Outubro há eleições para as autarquias locais. O PS vai a votos com José Carlos Alexandrino e António Lopes. Na opinião da Sónia Martins, “há indícios que apontam para a vitória do Partido Socialista…”.

– O PS tem todas as hipóteses de alcançar um bom resultado – assume – e não seria surpresa se os os eleitores escolhessem o Partido Socialista para dirigir a Câmara e a Assembleia Municipal.

Deixe-me falar agora como candidata a Deputada: o nosso candidato a Primeiro-ministro já promoveu o seu programa eleitoral que é, em síntese, agir, dinamizar, não é de inércia, rasgar; se transportarmos a ideia para Oliveira do Hospital, é o que existe, não há, por parte da outra candidatura, programa, não há ideias, porque acham que não são precisas, enquanto nós, Partido Socialista, estamos a capitalizar com o nosso candidato José Carlos Alexandrino, que tem ideias claras e um programa perfeitamente definido. Não tenho dúvidas de que temos todas as possibilidades de ganhar – aposto na vitória.

Sónia Martins licenciou-se em 1998 na Universidade Lusíada, no Porto, e começou a exercer em 2003, em Matosinhos; depois mudou-se para Oliveira do Hospital. Antes, em 2002, foi Jurista da Sub-Região de Saúde de Viseu.

Escolheu Direito porque gosta de alcançar os objectivos a que se propõe e é pessoa de fortes convicções, de amores e paixões. Acha que Direito é mais aliciante do que Jornalismo, outra hipótese em tempos considerada como possível.

Determinada e responsável, à entrada para a Faculdade prometeu a si mesma que a licenciatura era para fazer dentro do tempo determinado. Profissionalmente, há-de chegar onde as forças a levarem e a sua capacidade de trabalho o permitir, porque os sonhos, no seu entender, não têm limites.

Carlos Alberto

LEIA TAMBÉM

Papa Francisco prevê a sua própria morte para breve

Papa Francisco prevê a sua própria morte para breve

O Papa Francisco revelou hoje que não espera viver mais do que “dois ou três …

A figura: Joaquim Carvalheira de Almeida

A figura: Joaquim Carvalheira de Almeida

Em memória de Joaquim Carvalheira de Almeida voltamos a publicar um texto da autoria de …