Sousa Veloso, o senhor do TV Rural, faleceu hoje

Sousa Veloso, o senhor do TV Rural, faleceu hoje

O engenheiro agrónomo Sousa Veloso, apresentador do popular programa TV Rural, que durante três décadas passou na RTP com notícias sobre a agricultura em Portugal, morreu hoje, aos 88 anos, informou fonte próxima da família.

O programa TV Rural, tal como o apresentador, fazem parte da história da televisão pública portuguesa, e, desde a primeira emissão, a 6 de Dezembro de 1960, transmitiu aos portugueses notícias relacionadas com o mundo da agricultura e da lavoura.

Sousa Veloso era licenciado em Agronomia pelo Instituto Superior de Agronomia da Universidade Técnica de Lisboa. O convite para a apresentação do programa partiu do Ministério da Agricultura, que pretendia um projecto televisivo que abordasse os temas relacionados com a agricultura, tal como existia em vários outros países europeus.

Os agricultores tinham voz neste programa que, durante três décadas, correu o país, pelos mais variados cenários naturais. O TV Rural deixou de ser emitido a 15 de Setembro de 1990, ao fim de 1.500 horas de emissão, sendo o programa de maior longevidade da televisão portuguesa. Na última emissão, o engenheiro substitui o “Despeço-me com amizade até ao próximo programa” por um “até sempre”.

 

LEIA TAMBÉM

Um morto em Viseu devido a acidente

Um homem de 35 anos morreu ontem à noite na sequência de um acidente na …

MAAVIM acusa Ministro da Agricultura de ignorância

O Movimento Associativo Apoio Vítimas Incêndio Midões (MAAVIM) acusou hoje em comunicado o Ministro da …

  • Rest in peace

    UM HOMEM BOM

    Morreu Sousa Veloso. Não o conheci e nunca falei com ele, mas tenho pena e tenho muitas saudades, morreu-me o conforto duma memória da infância. Era um homem gentil. A palavra caiu em desuso e parecerá amaneirada, mas era isso que ele era. Bonomia, afabilidade, simpatia escorriam-lhe da pose, da expressão, da indumentária e da fala. É possível que a sociedade e o Mundo mais aberto de hoje exijam uma atitude mais agressiva; é possível que a modernidade e a concorrência imponham ademanes mais categóricos; é possível que o crescente número de cães ao no entanto crescente número de ossos acarrete propensões mais pistoleiras. Mas Sousa Veloso não. Sousa Veloso era gentil. Era um homem capaz de levar um programa chamado TV Rural a surpresas de audiência.

    Não estou convencido de que fosse o simples facto de só dispormos de um canal de televisão — ou dois, não me lembro — a suscitar o interesse pelo programa, nem estou convencido de que fosse a falta de outras solicitações, de telemóveis, sms, facebooks, twitters, consolas, cabo, a inflacionar os interesses agrícolas. Estou convencido de que era o homem e o seu génio comunicacional, esse dom aristocrata que sabe afeiçoar o discurso aos conhecimentos, à literacia, aos interesses, à dignidade e valia do interlocutor, fosse ele presente ou fosse abstracto, escondido atrás do éter. Esse dom e esse génio é que convocavam citadinos para as maravilhosas equações da potência do tractor em função da área de lavradio; para os encantos da calibração dos pêssegos e da pêra rocha; para os enigmas da maçã golden que afinal devia ser verde; para as alegres potencialidades do açude e da barragem; para a deslustrada vida das vacas e como preparar-lhes a forragem. E envolvia-nos em prol da riqueza, da produtividade da terra, da exportação lucrativa. Gentilmente. Pedagogicamente. Com amizade.

    Disseram-me que era homossexual. Não sei se era e pouco me interessa. Se era, seria um reclame da opção (um reclame, que era como se chamava à publicidade e aos anúncios). Um reclame pela discreção e elegância, natural, não impositivo — em bicos dos pés nunca. Lamentei nele apenas essa coquetterie de resolver pintar o cabelo. Ficava-lhe desadequado, claramente abaixo dele. Mas era uma fragilidade de somenos numa presença generosa.

    Não sei se deixa família, se deixa quem sofra por ele. Se deixa, sofro com eles. Adeus e obrigado, engenheiro.