Supremo Tribunal rejeita providências cautelares contra o novo mapa judiciário

Supremo Tribunal rejeita providências cautelares contra o novo mapa judiciário

O Supremo Tribunal Administrativo fixou jurisprudência ao rejeitar providências cautelares contra o novo mapa judiciário, que irá entrar em vigor a partir de 1 de Setembro e que vai afectar o Tribunal de Oliveira de Hospital que vê quase todos os serviços fugirem para Coimbra. O Supremo considerou que não tem competência para “impugnação de actos” resultantes do exercício político e legislativo.

Na decisão a que a agência Lusa teve acesso, o Supremo Tribunal Administrativo (STA) entendeu que a acção popular interposta por uma comunidade intermunicipal e um cidadão, que pediram a manutenção da Comarca do Alentejo Litoral – Santiago do Cacém, é “matéria a ser regulada pela via legislativa”. O STA admitiu a “incompetência administrativa” e “exclui do âmbito da jurisdição” do tribunal “a apreciação de litígios que visem a impugnação de actos praticados no exercício da função pública e legislativa”.

Esta é a primeira decisão do STA, no que se refere à impugnação da nova organização judiciária, e sucede à do Tribunal Administrativo e Fiscal de Viseu, que, em Maio, rejeitou as providências cautelares da extinção do Tribunal de Armamar.

Os autores da acção recorreram para o Tribunal Central Administrativo – Norte e o Ministério da Justiça apresentou já contra-alegações. Também na primeira instância – nos tribunais administrativos de Aveiro e Mirandela – estão pendentes mais cinco providências cautelares contra o novo mapa judiciário.

O novo desenho divide o país em 23 comarcas e a reorganização judiciária implica o encerramento de 20 tribunais, com volume processual inferior a 250 processos por ano, enquanto 27 outros são convertidos em igual número de secções de proximidade.

 

LEIA TAMBÉM

GNR GNR deteve mais de uma centena de pessoas e apreendeu droga e armas de fogo

Acidente com camião corta IP3

Uma colisão entre um veículo pesado de mercadorias e outro ligeiro, também de mercadorias, no …

João Dinis acusa CM de Oliveira do Hospital de “negligência continuada” em estrada municipal

O membro da Assembleia de Freguesia da União de Freguesias de Ervedal e Vila Franca …

  • JPCRUZ

    È vergonhoso como este executivo ainda não se prenunciou nada sobreeste assunto qe é mais um atentado deste governo ao estado social e a justiça deste pais. Oliveira do Hospital arrisca a um curto espaço de tempo ser quase uma aldeia. perde-se o tribunal, o centro e saude está em risco de fechar, cadavez temos menos escolas, as finanças também é para fechar a ESTGOH dura só mais 2 anos e este executivo camarário nada faz nem defende os interesses dos municepes isto é vergonhoso

  • Vamos à festa

    Já informaram o Sr Presidente da Câmara que perdeu a maioria das valências do tribunal de Oliveira?
    É que se calhar ele não sabe. Como só quer saber de festas e romarias e de cuidar da sua imagem politica, isto passou-lhe completamente ao lado.

  • Conturcionista

    Do tribunal está à espera do Julgamento da difamação ao Lopes e da reposição dele na presidência da Assembleia. Acham que se deve preocupar? Tá mais pra Quim Barreiros,Gabriel, e Ruizinho…

    • Pouco preocupado

      Ai preocupa de certeza. Porque acha que foi parar ao hospital?
      Essa situação que criou, é forte demais para ele. É areia demais para a camioneta dele.