“Temos aqui um Plano e Orçamento para as suas necessidades político-partidárias”

… S. Paio de Gramaços e Ervedal da Beira, votaram a favor – e três abstenções da bancada da CDU as Grandes Opções do Plano (GOP) para o quadriénio 2009/2012 e o Orçamento da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital (CMOH) para 2009 , foram este sábado aprovados, por maioria, na última sessão do ano da assembleia municipal.

“Há aqui obras que deveriam ter sido feitas em anos anteriores… o senhor tem andado a adiar obras consoante o seu interesse político e pessoal. Temos aqui um Plano e Orçamento para as suas necessidades político-partidárias”, sentenciou o deputado do PS, Carlos Maia, justificando assim o seu sentido de voto.

No tom crítico que lhe é conhecido, aquele que é um dos principais pivôs do PS na assembleia municipal, acusou ainda o presidente da câmara de “não querer fazer nada” relativamente ao desenvolvimento empresarial do concelho. “Chega um empresário a Oliveira do Hospital e o senhor manda-o embora porque não tem onde o instalar. Vão para Nelas, Arganil e Carregal do Sal, afirmou Maia, apontando a inexistência de espaços de localização empresarial no concelho e o caso do Pólo Industrial da Cordinha que, conforme referiu, “agora é um estaleiro de obras”.

Deputado da CDU reivindica construção de piscinas em Ervedal da Beira

Da bancada da CDU, João Dinis que se congratulou perante a obra em curso da recuperação da Estrada entre Oliveira do Hospital e Felgueira Velha, lamentou que as GOP não tenham contemplado a construção de umas piscinas junto à EB 1,2,3 da Cordinha, frisando que, no seu entender, aquela obra “não é um luxo”.

De resto, o autarca comunista criticou o facto de o “belo e nobre vale do Mondego continuar a estar semi-abandonado” e “com plantações de eucaliptos e extracção de areias ilegais”.

Alegando não compreender também como é que o Castro do Vieiro – um vestígio arqueológico com cerca de 3 mil anos – não tem merecido a atenção do executivo camarário, o presidente da junta de freguesia de Vila Franca da Beira salientou que “o património do concelho não é só a Bobadela”.

O deputado municipal do PS, Rodrigues Gonçalves, considerou lamentável que no final do próximo ano a taxa de execução dos investimentos previstos fique entre os “50 a 60 por cento”, e insurgiu-se contra o facto de a estação central de camionagem ser uma obra “que já vem do século passado”.

 PSD aplaude investimentos do executivo camarário

Da bancada do PSD, João Esteves manifestou-se contente com a linha de rumo traçada pelo executivo de Mário Alves e destacou – entre outras obras – a construção da biblioteca municipal, os investimentos na educação e o projecto “Oliveira online”, como exemplos de realizações que agradam aos deputados sociais-democratas.

Para Carlos Teixeira da Rocha, do PSD, os documentos apresentados em assembleia “estão em linha com a actuação do executivo ao longo do seu mandato”. Apesar de admitir que a câmara municipal “podia ir mais longe, sobretudo, em ano de eleições”, Rocha disse que tal não aconteceu “em nome do equilíbrio financeiro”.

“Tem obras estruturantes para o concelho”

O autarca da CDU que governa Meruge, também não criou ondas, quanto ao Plano apresentado pelo município. “Parece-me coerente, realista e tem obras estruturantes para o concelho… não tem obras faraónicas”, considerou João Abreu.

Aquele deputado municipal, criticou no entanto o facto de a Estação de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) de Meruge não constar dos planos da câmara para 2009. “Temos fossas sépticas a debitar directamente para o rio”, denunciou Abreu.

“É pena que o Governo não faça o que lhe compete relativamente à ESTGOH”

Para Mário Alves, “há muita coisa que não consta do Plano, porque não há condições objectivas”. Relativamente à taxa de execução do plano entre “50 a 60 por cento”, Alves argumentou que “isso não é novo”, respondendo a Rodrigues Gonçalves que o próprio PS – quando governou a autarquia, com César Oliveira – também teve a mesma prática. “O senhor quer que lhe vá buscar os planos do antigamente”, perguntou Alves ao deputado do PS.

Quanto à intervenção de Carlos Maia, que acusou o autarca do PSD de estar a planear obras em função de “necessidades político-partidárias”, Alves reagiu, alegando que aquele deputado socialista estava a fazer “insinuações inqualificáveis”. “Aqui faz-se política do concelho”, notou o presidente da CMOH.

Sobre as futuras instalações da Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital (ESTGOH), Alves disse que “é pena que o Governo não faça o que lhe compete relativamente à ESTGOH” e desafiou mesmo o PS a sensibilizar o Governo para que esta questão “urgente” possa ser resolvida.

O executivo camarário prevê gastar este Orçamento de 25.819.650,00 milhões de euros da seguinte forma: 10.959.150,00 € em despesas correntes do município e 14.86.500,00 € nas chamadas despesas de capital, que normalmente estão associadas ao investimento.

A principal fatia do Orçamento, que conta com um empréstimo de 5 milhões de euros contraído no início do ano pela CMOH junto da Caixa Geral de Depósitos, está destinada ao chamado programa das comunicações e transportes, onde as obras mais onerosas são as empreitadas de beneficiação/rectificação das estradas entre Oliveira do Hospital/Felgueira Velha e Lagares da Beira/ Meruge, assim como o troço III que liga Aldeia das Dez a Vale de Maceira, num total de 3 milhões de euros.

A Estação Central de Camionagem, inscrita nas GOP desde 2001, tem uma verba inscrita de 145 mil euros. Outro “sorvedouro” do Orçamento, prende-se com a requalificação urbanística do largo Ribeiro do Amaral – local onde está a ser implantado um silo automóvel com capacidade para cerca de 70 lugares de estacionamento – e de algumas das principais artérias da cidade.

Para este projecto, em 2009, a previsão de investimento cifra-se em 1 milhão e 900 mil euros. Já na área da educação, as estimativas do município apontam para um valor de 1 milhão e 210 mil euros.

Na rubrica “Cultura, Desporto e Tempos Livres”, a principal aposta – propalada há vários anos – volta a ser a construção da biblioteca municipal de Oliveira do Hospital, com 500 mil euros previstos em Orçamento para o projecto e execução e mais 100 mil euros destinados à aquisição da casa dos magistrados.

No sector empresarial, vem aí aquilo que a CMOH designa como “Espaço Para Incubação de Empresas”. O arrendamento do edifício – o executivo camarário ainda não divulgou nada de concreto sobre este assunto – tem um custo inscrito em Orçamento de 25 mil euros/ano, acrescido de mais 75 mil euros para obras de adaptação.

Para o lançamento deste espaço, o executivo chefiado por Mário Alves inscreveu uma verba, para o próximo ano, de cerca de 150 mil euros.

Na edição impressa de amanhã, terça-feira, o Correio da Beira Serra fará uma actualização a esta notícia, com especial destaque para a troca de mimos que ocorreu na assembleia municipal entre o deputado do PS, José Carlos Alexandrino, e o presidente da câmara

LEIA TAMBÉM

SONAE (Ai – Ai …) Ou em como o “ouro” de uns é o nosso prejuízo!

CDU vê aprovado na Assembleia da União de Freguesias de Ervedal e Vila Franca da Beira voto de protesto contra falta de apoio das autoridades às vítimas dos incêndios

O eleito da CDU na Assembleia de Freguesia da União de Freguesias de Ervedal e …

Nova liderança da JSD de Oliveira do Hospital quer colocar problemas dos jovens na agenda política local

Virgílio Salvador, de 26 anos, foi eleito no domingo presidente da Juventude Social Democrata de …