Trabalhadoras põem termo a vigília em frente à Textursymbol (Com Vídeo)

Ao fim de 17 dias e igual número de noites à porta da empresa de S. Paio de Gramaços, as 26 ex trabalhadoras da Textursymbol dão por concluída a penosa tarefa de vigiar o portão da unidade de confeções. Há instantes tiveram acesso à listagem da maquinaria que entendem ser garante do pagamento de ordenados e subsídios em atraso.

Estavam longe de imaginar que a saga de vigiar o portão da empresa se arrastasse por tanto tempo, mas as 26 ex trabalhadoras da textursymbol que desde o início do mês decidiram não deixar retirar qualquer bem do interior da fábrica, apenas a meio da tarde de hoje tiveram acesso a lista da maquinaria que consta do interior da unidade de confeções.

“Pelo menos conseguimos alguma coisa”, comentavam as mulheres, a maioria jovens que apesar de duvidosas quanto à “boa fé” da entidade patronal em todo este processo, decidiram levantar arraiais, regressar a casa e levar por diante os seus projetos de vida.

“Louvo a vossa atitude”, referiu a presidente do Sindicato dos Trabalhadores dos Têxteis e Vestuário do Centro que perante um grupo de mulheres que vai ficar para a história de Oliveira do Hospital pela coragem que tiveram em vigiar dias e noites a fio a entrada da empresa, remeteu sobre as mesmas a responsabilidade de decidir se deveriam ou não prosseguir com a vigília. Responsável por entregar às trabalhadoras a listagem do “imobilizado” da Textursymbol, Fátima Carvalho considerou estar em face de uma primeira “vitória” a acrescer também ao facto de já no final do mês as trabalhadoras receberem o subsídio de desemprego.

As 26 ex trabalhadoras da Textursymbol colocaram, assim, termo à vigília mas não sem antes entrarem com o pedido de insolvência da unidade de confeções. “Chegou a hora de dizer basta”, registou a responsável pelo Sindicato, que para além de lamentar a atitude da administração da empresa ao arrastar o processo por demasiado tempo, repudia aquela que foi sempre a postura daquela entidade patronal ao longo dos anos, “abrindo e fechando empresas e sem assegurar os direitos das trabalhadoras” que “aguentaram de tudo”.

Sem qualquer expectativa quanto à reativação da unidade de confeções – produzia vestuário feminino – Fátima Carvalho revela-se confiante na integração das trabalhadoras em outras fábricas do concelho.

“Não tenho dúvidas. O presidente da Câmara Municipal já está a fazer contactos com outras empresas no sentido de serem integradas. Estamos perante trabalhadoras, profissionais e a maioria jovens”, referiu a responsável que, mais uma vez, voltou a apreciar o envolvimento do presidente da Câmara na resolução deste processo. “Foi inexcedível”, comentou Fátima Carvalho que às 26 mulheres deixou ainda a garantia de as continuar a acompanhar com a certeza de que, no caso de o processo não seguir o curso normal, “a luta continua”.

LEIA TAMBÉM

Polícia Judiciária deteve mulher que tentava introduzir haxixe na prisão de Coimbra

PJ deteve em Coimbra autor de crimes de homicídio, na forma tentada e de roubo

A Polícia Judiciária deteve um homem pela presumível prática de um crime de homicídio, na …

GNR realizou ontem 40 detenções em flagrante delito, sete das quais por roubo

Filho preso por suspeitas de ter matado mãe com martelo em Viseu

O homem de 37 anos suspeito de ter matado a mãe em Santarinho, no concelho …