Trabalhadores da antiga IRAL cumprem último dia de trabalho

É oficial, a empresa de metalomecânica Imporfabril, antiga IRAL, vai mesmo encerrar. Hoje as duas dezenas de trabalhadores que em setembro decidiram pela não rescisão dos contratos de trabalho cumprem o último dia laboral e, amanhã, já não regressam ao trabalho.

A empresa que para sempre vai ficar ligada à IRAL e ao seu fundador, Armindo Lousada, entrou recentemente em processo de insolvência a pedido dos 19 trabalhadores que em setembro rescindiram contratos e que até agora não receberam os quatro salários que tinham em atraso.

Desde aquela data, ainda que reduzida a metade dos trabalhadores, a unidade industrial não conseguiu fazer face à crise e acabou por engrossar a dívida para com os trabalhadores resistentes que terminam 2011 com sete salários e dois subsídios em atraso.

Criada há cerca de seis anos numa tentativa de recuperação da conhecida IRAL, a Imporfabril cedo começou a sentir dificuldades em honrar os compromissos junto dos trabalhadores que transitaram da antiga unidade industrial.

De acordo com informação apurada junto de fontes conhecedoras do processo, a Imporfabril nunca conseguiu funcionar com capitais próprios, tendo frequentemente necessidade de recorrer à banca.

Numa conjuntura de crise e perante a redução do volume de encomendas, a empresa terá acabado por entrar numa situação irreversível, em que os trabalhadores se afiguram como os principais credores.

A poucos dias do final de 2011, aos 20 trabalhadores nada mais resta do que recorrer ao subsídio de desemprego.

Pelo que este diário digital apurou, o ambiente que hoje se vive no interior da empresa é de “constrangimento”. Alguns trabalhadores levam na bagagem a recordação de uma vida de trabalho na empresa de metalomecânica e, pelo adiantado da idade, não têm lugar para grandes esperanças em encontrar um novo emprego, pelo que a reforma se afigurará como o caminho a seguir.

Localizada junto à rotunda Armindo Lousada, onde em 2007 foi erigido o monumento ao empresário, a Imporfabril termina o ano da pior maneira possível. A Assembleia de Credores deverá ter lugar no próximo mês de janeiro.

LEIA TAMBÉM

AVMISP avisa, após reunião Marcelo Rebelo de Sousa, que falta de apoios pode levar empresas afectadas pelos incêndios a encerrar

A Associação das Vítimas do Maior Incêndio de Sempre em Portugal (AVMISP) lamentou hoje, na …

Ano de 2017 foi o melhor de sempre para o turismo no Centro de Portugal

O ano de 2017 foi o melhor de sempre para a atividade turística no Centro …