Trabalhadores da Socongo “sem trabalho e sem dinheiro”

O fantasma do desemprego paira sobre a empresa oliveirense Socongo. A empresa interrompeu a construção de uma estrada no concelho de Elvas e aos mais de 20 trabalhadores que somam mês e meio de ordenados em atraso e um elevado montante em subsídios, não restou outra solução que não fosse a suspensão dos contratos de trabalho.

“Sem trabalho e sem dinheiro”. É assim que se encontram os mais de 20 trabalhadores da Socongo – Sociedade de Construções Gouveia, que desde há cerca de oito meses procediam à construção de uma estrada no concelho de Elvas e que, no início de junho, receberam ordem de regresso a Oliveira do Hospital. A motivar a retirada da empresa oliveirense do território alentejano, onde a empresa também deixa seis trabalhadores nas mesmas condições está, de acordo com o Sindicato da Cerâmica e Construção do Centro “o incumprimento do contrato estabelecido com a Câmara de Elvas”. “A Câmara não os aceita mais a trabalhar”, afirmou o coordenador do Sindicato Luís Almeida depois de esta manhã reunir com os trabalhadores em plenário realizado à porta da empresa, na zona industrial de Oliveira do Hospital, seguido de reunião com o advogado da administração.

Sem trabalho, os mais de 20 funcionários da empresa que se dedica à abertura e alcatroamento de estradas vêem-se também a braços com salários e subsídios em atraso. “Está por pagar meio mês de abril e o mês de maio e vários subsídios desde 2005”, explicou o coordenador do Sindicato, denunciando também o gozo incompleto dos períodos de férias a que cada trabalhador tinha direito. Motivos que, explicou Luís Almeida, levaram já a maioria dos trabalhadores a optar pela suspensão dos contratos de trabalho, como forma de mais rapidamente acederem ao subsídio de desemprego.

A agravar o mau momento por que passam a empresa e os trabalhadores, está também a desconfiança de que a administração iniciou um processo de descapitalização da Socongo, encaminhando dinheiro e património para uma segunda empresa unipessoal. “Temos certeza de que está a ser desviado dinheiro para outra empresa”, contou esta manhã um dos trabalhadores mais antigos da Socongo , entendendo ser aquela a explicação para a repentina falta de dinheiro da empresa, numa altura em que a Câmara Municipal de Elvas adiantou 200 mil Euros destinados à construção da estrada. “Aquela Câmara pagava e agora não sabemos para onde foi o dinheiro”, continuou Estevão Oliveira que, com 28 anos de casa, nunca viu a empresa passar por um momento tão difícil como este. “Só sei que viemos sem dinheiro e sem trabalho”, desabafou o trabalhador que à entrada da reunião com o advogado da empresa se mostrou pouco confiante na retoma da laboração.

Há oito anos a trabalhar na empresa que abriu portas no concelho há cerca de três décadas e foi responsável pelo alcatroamento de grande parte da rede viária municipal, Graciano Mendes também não está mais otimista. “O material na obra já andava a faltar há algum tempo”, contou o trabalhador que também suspeita das “más intenções” da administração que, recentemente mandou retirar os autocolantes publicitários de todas as viaturas e máquinas da empresa e que se encontram localizadas nos estaleiros de Oliveira do Hospital, Gouveia e Castelo de Vide. Com 38 anos e uma filha pequena para criar, o trabalhador não augura nada de bom e teme por aquele que vai ser o seu futuro próximo, porque o ordenado da esposa não chega para fazer face a todas as despesas.

No processo que conduziu à paragem da laboração e já conduziu à suspensão de grande parte dos contratos de trabalho há ainda a registar a falta de comunicação por parte da administração. “Só nos diz que não tem dinheiro”, queixou-se António Silva, lamentando a falta de diálogo e de contacto. Uma postura que, segundo os trabalhadores, sempre foi própria da administração, mas que foi sendo colmatada com o pagamento assíduo dos salários. “Mas agora não há dinheiro, nem trabalho à nossa volta”, lamentou o trabalhador de 57 anos, que sem grandes encargos financeiros às costas teme pelo mau momento por que passam os colegas mais novos e que todos os meses têm “200 e 300 Euros para pagar ao fim do mês”. “Sem receber como é?”, questiona.

O correiodabeiraserra.com tentou estabelecer contacto com a administração da Socongo, mas por se encontrar ausente das instalações da unidade empresarial, tal ainda não foi possível.

LEIA TAMBÉM

Denuncia do grupo do empresário Fernando Tavares Pereira coloca IMT sob investigação do DIAP

Duas empresas do grupo Tavfer, do empresário Fernando Tavares Pereira, a CIMA – Centro de …

Universidade de Coimbra aposta na folha de mirtilo para tratamento da Esclerosa Múltipla

Um projecto de investigação da Universidade de Coimbra aposta no potencial terapêutico da folha de …

  • ze ninguem

    SENHOR PAULO
    QUAL É O EMPREGADO QUE DIZ BEM DESSA EMPRESA !!!!!!!!!!!?????????????????
    SERÁ QUE VOCÊ TEM UMA ESTATUA ERGUIDA NO ESTALEIRO DA SOCONGO ?????!!!!
    PORQUE ENTROU E SAIU ????????????????’