Trio feminino apurado para o encontro gímnico nacional

Sofia, Catarina e Beatriz formam o trio que sob o comando da professora Íris Tita já venceu as provas distritais e regionais.

Venceram o encontro distrital no dia 28 de Março, mas segundo dizem, nada fazia antever o apuramento regional conseguido no dia 18 de Abril. A verdade é que Sofia Fonseca, Beatriz Pereira de 13 anos e Catarina Brito de 9, surpreenderam e têm já presença assegurada na final nacional dos encontros gímnicos a realizar em Coimbra, nos dias 1, 2 e 3 de Maio.

“Não estava à espera. Não contava ir ao regional, quanto mais ao nacional”, afirmou ao Correio da Beira Serra a professora de Educação Física da Escola Secundária de Oliveira do Hospital que, desde 2005, coordena o grupo de ginástica, integrado no desporto escolar. Iris Tita Narciso reconhece o valor dos ginastas que tem vindo a formar, mas disse também ter consciência de que as alunas apuradas “são muito novas e não têm experiência de competição”. “Fiquei bastante satisfeita”, confessou a também ginasta, que admite a dificuldade que a ginástica representa, porque requer “muito treino e dedicação da parte dos alunos”. Pese embora o esforço exigido, Íris Narciso identifica nos alunos “muita vontade de aprender”, notando que no grupo existem “bons exemplos”. “Temos atletas que podem vir a dar grandes resultados”, frisou a professora que, rapidamente, também esclareceu que “em Portugal não se vive de ser atleta”.

Aberto à participação dos estudantes do Agrupamento de Escolas Brás Garcia de Mascarenhas e Escola Secundária de Oliveira do Hospital, o grupo de ginástica tem sido procurado por alunos de tenra idade. “É o ideal”, explica Íris Tita Narciso, por considerar que os ginastas devem começar a treinar o mais cedo possível.

O trio apurado para o encontro nacional insere-se no grupo de ginástica acrobática que contempla outros trios e pares. Paralelamente, existe a ginástica de grupo constituída por 15 jovens. Sublinhe-se que no encontro regional, o grupo de Oliveira do Hospital fez-se representar pelo trio feminino, um par misto e o grupo de 15. Para além do apuramento do trio, o par misto classificou-se em terceiro lugar e a ginástica de grupo, em quarto.

Pese embora a realização de treinos regulares semanais, o apuramento para o encontro nacional obriga, agora, a uma maior preparação e dedicação por parte de Íris Tita Narciso e as três jovens ginastas. O CBS foi encontrar o grupo de treino no pavilhão da Escola Secundária de Oliveira do Hospital onde se insistia na repetição de movimentos. Equilíbrio e flexibilidade constituem a chave para o sucesso dos exercícios que, a nível local, ainda se vão praticando nos pequenos colchões estrategicamente colocados lado-a-lado. Este é um ponto fraco com que o grupo se tem deparado, face à dificuldade que a escola tem em adquirir um praticável para a prática em “segurança” da ginástica. “Precisamos de apoio”, referiu Íris Tita.

“Acho que nós estamos mesmo perfeitas”

O que para muitos é uma tarefa quase impossível de realizar é, para o trio apurado, um simples movimento de ginástica. A articulação entre as três jovens é harmoniosa e, Beatriz Pereira não tem dúvidas em considerar que as três estão “mesmo perfeitas”. Assumidamente apaixonada pelo mundo da ginástica, a jovem da Lajeosa de 13 anos de idade espera não mais deixar a actividade que pratica há dois anos, não querendo contudo fazer disso um exclusivo da sua vida. Aconselha as amigas a integrar o grupo e, ao CBS revelou-se admirada com a flexibilidade que consegue alcançar e que antes nem sonhava atingir.

Também Sofia Fonseca, de Oliveira do Hospital, pondera continuar no grupo até acabar o secundário. Ainda sem certezas quanto ao seu futuro profissional, a jovem de 13 anos tem apenas a certeza de que gosta de praticar ginástica.

A frequentar o grupo por sugestão dos pais, a pequena Catarina Brito, de 9 anos, não consegue esconder o entusiasmo na hora de praticar ginástica. Por esse motivo, a jovem de Galizes nem sequer equaciona deixar de frequentar os treinos.

Sobre Íris Tita Narciso, as três são unânimes em considerar que a professora é um “bom exemplo” para todo o grupo. “Ela é a prova de que podemos conjugar os estudos com a ginástica”, referiu Beatriz Pereira.

LEIA TAMBÉM

Alunos da ESTGOH consideram “Oliveira do Hospital uma cidade acolhedora”

ESTGOH atrai 110 alunos na primeira fase de acesso ao ensino superior, curso de Gestão das Bioindústrias sem grande adesão

A Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital (ESTGOH) preencheu 110 das …

Amianto vai ser retirado da Escola Secundária de Oliveira do Hospital, oposição critica “timing”

A Câmara Municipal de Oliveira do Hospital anunciou ontem que assinou um contrato de adjudicação …