UA desenvolve partícula bimetálica 50 mil vezes mais fina do que um cabelo

É a nanopartícula bimetálica mais pequena alguma vez produzida pelo Homem. Tem um diâmetro 50 mil vezes mais pequeno do que o diâmetro de um fio de cabelo, é constituída por cobalto e platina e foi desenvolvida por uma equipa de investigadores da Universidade de Aveiro (UA). Utilizadas em memórias de computadores, em exames de ressonância magnética e em tratamento de tumores, as actuais nanopartículas constituídas por apenas dois metais podem ter o futuro comprometido. É que o tamanho e as propriedades magnéticas da partícula metálica da UA multiplicam a eficácia em cada missão.

“Conseguimos desenvolver as mais pequenas nanopartículas bimetálicas de sempre, com menos de 2 nanómetros [1 nanómetro é um milhão de vezes mais pequeno que um milímetro], feitas à base de platina e de cobalto, com propriedades superparamagneticas [apresentam magnetização apenas na presença de um campo magnético externo] e com a particularidade de, elas próprias, aumentarem a magnetização”, congratula-se Robert Pullar, um dos autores do estudo levado a cabo por uma equipa de cientistas dos departamentos de Física e de Engenharia de Materiais e Cerâmica e do CICECO-Instituto de Materiais de Aveiro da UA.

Robert Pullar sublinha a importância desta nanopartícula face ao crescente interesse geral em nanopartículas magnéticas devido à necessidade gerada pela biomedicina e pelas novas tecnologias. Em particular, sublinha o investigador, “as nanopartículas magnéticas bimetálicas com alta coercividade magnética têm atraído muitas atenções devido às respectivas aplicações em memórias de armazenamento e computação magnéticos, em exames de ressonância magnética e em tratamentos de cancro”.

No que diz respeito à terapia oncológica através da hipertermia magnética, uma técnica que conduz as nanopartículas pelo organismo até aos tumores, e cujo aquecimento por indução magnética destrói as células malignas, a pequenez é uma vantagem. Quanto menor e mais magnética for a partícula, melhor poderá ser levada até ao alvo e mais termicamente eficaz pode ser. Na utilização de nanopartículas magnéticas em ressonância magnética, estas servem de agente para contraste nas imagens. Assim, e da mesma forma, quanto mais magnéticas e pequenas forem as nanopartículas, maior contraste e melhor resolução espacial se obtém com o exame.

Já no armazenamento de informação, a densidade que se pode armazenar num disco rígido magnético de computador é medida em bits/área. Considerando que cada nanopartícula representa um bit, quando menor for o tamanho das nanopartículas utilizadas, maior será a densidade de informação. O resultado é um maná para a indústria informática: poderão oferecer computadores com muito mais memória disponível sem necessidade de aumentar o volume das máquinas.

O trabalho foi desenvolvido pelos investigadores da UA Robert Pullar, David Tobaldi, João Amaral, João Labrincha e Mohamed Karmaoui (atualmente investigador na Universidade de Birmingham) e foi publicado no último número da revista Journal of Physical Chemistry Letters.

LEIA TAMBÉM

Fogo em duas localidades do concelho de Oliveira do Hospital já foi dominado

Situação em Góis “é preocupante” e pode agravar-se

O comandante operacional da Protecção Civil, Vítor Vaz Pinto, disse hoje que o incêndio de …

PSD e CDS/PP de Oliveira do Hospital solidários com vítimas da tragédia de Pedrogão Grande

O Partido Social Democrata de Oliveira do Hospital e o CDS/PP manifestaram–se ontem solidários com …