Uma família à luz de vela…

Sem empregos, nem pensões, Gracinda e José Sousa mantêm os hábitos de há 36 anos atrás, mas por falta de condições económicas não têm intenções de mudar de vida, nem sequer de solicitar a ligação da electricidade.

Há até quem nunca tenha dado pela sua presença, mas o casal Sousa e o filho de 29 anos habitam uma casa, sem o mínimo de condições, na Quinta do Chão Costa, na Catraia de S. Paio. “Não conheço para aí ninguém”, referiu um morador das redondezas, contando que seguindo aquele caminho, o Correio da Beira Serra apenas iria encontrar a moradia de um advogado oliveirense.

De facto, ao fundo do caminho em terra batida vislumbrava-se a casa do jurista, mas muito antes, o CBS deparou-se com a habitação do casal que procurava. O alerta foi dado por conhecidos de José e Gracinda Sousa que não se conformam com a forma como continua a viver o casal e o filho de 29 anos. “Aquilo é uma miséria. Já ninguém vive assim”, alertou um conhecido, começando por contar que a casa onde habitam não tem água, nem luz, nem casa de banho.

A curta descrição foi comprovada pelo CBS numa visita à habitação que o casal arrendou há já 36 anos, por ocasião do casamento e onde criou os seis filhos. Volvidas mais de três décadas, a casa continua sem luz – por ali nem sequer se avistam os postes de iluminação pública – água canalizada, casa-de-banho e até sem vidros nas janelas. À semelhança do que acontecia há longas décadas atrás, a solução continua a passar pela iluminação através da candeia, pelo recurso à água da mina e por usar o balde e a bacia para as necessidades fisiológicas e banhos. Alguns alimentos continuam a ser conservados através do sal e as janelas são tapadas com taipas de madeira, cujas frestas são convidativas à entrada do frio e do vento que também já têm porta garantida pela estrutura que suporta o telhado à vista em qualquer uma das divisões da casa.

“A gente vê que no povo as pessoas vivem melhor”

Enganem-se, contudo, os que pensam que José e Gracinda se lamentam da vida. Garantem que não pedem nada a ninguém e que não faz parte dos seus planos largarem a casa onde vivem, nem tão pouco mudar de vida. “Estou aqui muito bem”, contou ao CBS Gracinda Sousa que, em nenhum momento, deu sinais de tristeza ou desespero. Conformada e habituada à vida que lhe é permitido gozar, a mulher de 55 anos natural de Gramaços recorda que os “últimos dias em que trabalhou fora” foi antes do nascimento dos seis filhos. “Tive os filhos e nunca mais trabalhei”, referiu, contando que devido a problemas de coluna apenas vai cultivando o necessário para casa e criando umas galinhas. “Para nós vai dando e quando não chega vou comprar à Alexandrina”, acrescentou, contando que o dinheiro que entra em casa é o marido que o ganha quando faz uns dias fora na agricultura. Por mês, Gracinda tem garantidos 20 Euros que José Sousa e o filho – trabalha na construção civil – lhe dão para preparar as roupas, mas “mal dão para o sabão”. Os condutos à mesa vão aparecendo, mas o mais habitual são os ovos, o peixe frito e carne salgada. O leite não entra na casa de Gracinda porque não tem como o conservar depois de aberto, mas a sopa é que tem sempre presença garantida na hora da refeição. As árvores do quintal asseguram a fruta e a roupa do corpo vai-se comprando e, por vezes, é oferecida por gente conhecida.

Apesar de isolada da população, Gracinda Sousa tem noção de como os tempos evoluíram. “A gente vê que no povo eles vivem melhor, mas a renda de um apartamento é muito cara”, disse, assegurando que vão convivendo com algumas pessoas porque pelas traseiras da casa está “a 10 minutos dos caldeireiros”. Recorre a uma vizinha para carregar a bateria do telemóvel, mas garante que não lhe fica a dever, porque leva sempre algo que produz na terra. Quando vai às compras e alguma pessoa amiga lhe oferece um café aceita, mas recusa de imediato se lhe oferecerem comida. “Não aceito comer do lume a ninguém, porque até era uma vergonha para mim”, frisou. Já o marido – sem emprego fixo desde que se demitiu da então designada Agloma há mais de 20 anos – não deixa de ir ao café diariamente para conviver com amigos, ler o jornal e ver televisão. Para além disso, como contou, é onde tem a possibilidade de usar uma casa-de-banho.

Falta dinheiro para uma vida melhor

Questionado pelo CBS sobre o motivo pelo qual nunca tentou mudar o rumo da vida que iniciou há 36 anos, o casal Sousa refugia-se na tese de que a casa é de renda e que o valor a pagar subiria demasiado se solicitassem melhorias aos senhorios. “Não tínhamos possibilidades de pagar”, confessou Gracinda, lembrando que só tinha dinheiro certo na altura em que criou os filhos e porque era apoiada pela Segurança Social. Depois dos filhos criados, o casal ficou desprovido economicamente e também nunca sequer pensou em comprar a própria casa, nem tão pouco lutar por melhores condições de vida. José Sousa contou ao CBS que nunca contactou a Junta de Freguesia, nem a Câmara Municipal para que pudesse vir a ter acesso à electricidade. E justificou a atitude com os custos que daí poderiam advir. Foi com o mesmo argumento que explicou também o motivo pelo qual não usa o gerador que possui. É que “um litro de gasolina é muito caro e só dá para uma hora”.

Afastado da vida em sociedade, o casal Sousa não esconde o afecto pelos animais e confessa que são uma óptima companhia. Em casa, as notícias do exterior chegam através do rádio a pilhas e pela voz de José Sousa que depois de ler o jornal no café, conta a Gracinda as novidades do momento. Sobre a possibilidade de mudança de casa, o casal revelou-se satisfeito com a vida que leva, mas também não descartou a possibilidade de mudança para outra habitação, desde que continue a pagar os 10 Euros por mês, situação que considera impossível.

Liliana Lopes

LEIA TAMBÉM

Incêndios causaram mais de 10 milhões de euros de prejuízos em Seia

Os prejuízos financeiros causados pelos incêndios dos dias 15, 16 e 17 de Outubro no …

idosos

Idoso desaparecido em Trancoso

Os Bombeiros e a GNR estão a procurar um homem de 90 anos que foi …