Unanimidade prevaleceu na primeira reunião pública do executivo

Sem lugar a intervenções no período antes da ordem do dia, a reunião da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital, realizada ontem, ficou marcada pela cordialidade entre os sete elementos que constituem o executivo.

Com excepção da discussão em torno do futuro traçado do IC37, as decisões resultantes daquele encontro tiveram por base a unanimidade das opiniões, notando-se porém as frequentes intervenções do ex-presidente da Câmara, que não perdia a oportunidade para transmitir alguns ensinamentos ao presidente para quem – como o próprio assumiu – “ainda é tudo novo”.

Foi assim na aprovação do regimento da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital que, reunindo o contributo das três forças políticas presentes no executivo, mereceu o aval unânime. Ficou neste ponto, decidido, que as reuniões públicas do executivo serão sempre as primeiras de cada mês, com lugar no Salão Nobre da Câmara Municipal.

Retirando a alínea proposta pelo vereador do PSD Paulo Rocha que condicionava o trabalho dos jornalistas, o presidente José Carlos Alexandrino não incluiu no regulamento qualquer imposição relativamente à actividade da imprensa, acreditando porém que valerá o “bom senso” dos jornalistas na hora de captarem fotografias e gravações áudio ou de imagem.

 Ainda que com algumas condicionantes pelo meio, também o executivo votou unanimemente a atribuição de prendas de Natal aos alunos do pré-escolar e primeiro ciclo. Surgiu a discussão quando o vereador independente defendeu a substituição das prendas por cheques-brinde – “para que todo o comércio tenha hipótese de vender presentes para as crianças”, sustentou –, com o vereador Mário Alves a considerar o princípio defendido por José Carlos Mendes como “ligeiramente desvirtuado”, depois de também ele próprio ter apresentado um historial relativo à génese da atribuição das prendas de Natal por parte da Câmara Municipal.

Neste domínio surgiu ainda a atribuição de presentes aos filhos dos funcionários da autarquia. Alexandrino e a vereadora da Educação, Graça Silva, informaram da intenção do município em avançar com a experiência de atribuir cheques-brinde aos filhos dos funcionários como forma de “revitalizar o comércio local”.

“As promessas de subsídios”

A aparente cordialidade entre os elementos do executivo começou contudo a estalar, quando à baila surgiu uma proposta de apoio de 25 mil Euros para a Associação dos Amigos da Lajeosa, como forma de fazer face à dívida que a instituição tem para com os sócios e para pôr em marcha o projecto da valência de lar. “O objectivo é accionar um fundo de equilíbrio financeiro”, explicou o vice-presidente José Francisco Rolo.

Pese embora a “sensibilidade” que Alexandrino mostrou sobre o caso, Mário Alves não tardou a trazer à tona a questão das “promessas de subsídios” levantada, segundo disse, por um membro socialista na Assembleia Municipal.

Começando logo por referir que não votaria contra a atribuição do apoio, Mário Alves alertou para a necessidade de se “usar critério igual para toda a gente”. “Não pode haver filhos e enteados. Tem que ser definido um critério e aplicado por igual a todas as IPSS”, defendeu o ex-presidente que disse ter conhecimento de outras instituições que devem “muito dinheiro à banca”.

A apreciação acabou por ser bem acolhida por José Carlos Alexandrino e a atribuição do apoio recolheu o aval unânime, com a condicionante de levantamento das IPSS que também carecem de apoios.

Semelhante procedimento foi seguido no que respeita à atribuição de subsídio antecipado à equipa de futebol de São Gião. Por indicação de Alves, acabou por prevalecer a antecipação do subsídio em duodécimos para todas as equipas que jogam no Inatel.

LEIA TAMBÉM

Medalha de Ouro de Oliveira do Hospital para Ana Abunhosa aprovada no meio de várias criticas

A atribuição da medalha de Ouro do Concelho de Oliveira do Hospital foi um dos …

PSD de Oliveira do Hospital considera que atribuir a Medalha de Ouro a Ana Abrunhosa “é condecorar a incompetência”

O PSD oliveirense não entende as razões que levam a Câmara Municipal de Oliveira do …