Quarta-feira, Março 29, 2017
Início - Outras notícias - Universidade de Aveiro dá esperança ao tratamento de fracturas nas vértebras
Universidade de Aveiro dá esperança ao tratamento de fracturas nas vértebras

Universidade de Aveiro dá esperança ao tratamento de fracturas nas vértebras

É um cimento excelente para a regeneração óssea e, em particular, muito eficaz na regeneração de vértebras fracturadas devido, por exemplo, à osteoporose ou a acidentes. A garantia é dada por uma equipa de investigadores da Universidade de Aveiro (UA) que ao combinar, pela primeira vez, estrôncio, manganês e uma ‘pitada‘ de açúcar aos habituais ingredientes, não só melhorou muito o desempenho biológico do cimento, como catapultou as respetivas propriedades mecânicas.

“A presença combinada de manganês e de estrôncio e a utilização de sucrose [um dos tipos de açúcar existentes, por exemplo, em quase toda a alimentação humana] neste tipo de cimentos constituem duas novidades que tornam este trabalho original”, explica Paula Torres, a investigadora do Departamento de Engenharia de Materiais e Cerâmica (DEMaC) que desenvolveu este material inovador.

Combinados em quantidades q.b., o manganês, o estrôncio e o açúcar, explica Paula Torres, “não só melhoram muito o desempenho biológico, tais como a adesão e crescimento de células osteoblásticas [células do osso] na superfície do cimento, como também aumentam o tempo de manuseamento, promovendo uma excelente injectabilidade e uma melhoria significativa das propriedades mecânicas”. Fatores que tornam este cimento desenvolvido na UA “muito promissor para regeneração óssea e engenharia de tecidos e em particular na reparação de vértebras fracturadas (vertebroplastia)”.

Para esse fim, o cimento ósseo, entre outras particularidades, tem de ter a viscosidade certa para poder ser manuseado e injectado através da agulha da seringa, uma velocidade de endurecimento adequada ao procedimento cirúrgico, uma resistência mecânica comparável à do osso, e potenciar o rápido crescimento do novo osso. Requisitos que os actuais cimentos ósseos não preenchem na totalidade.

Ideal para vertebroplastia

Foi precisamente a pensar na vertebroplastia – um procedimento médico que tem por objetivo tratar fracturas na coluna vertebral através da injecção de cimento ósseo no interior das vértebras fraturadas – que Paula Torres iniciou, há cinco anos atrás e no âmbito do Doutoramento em Ciência e Engenharia de Materiais na UA, a busca de um cimento com propriedades até então inexistentes.

O trabalho de Doutoramento foi conduzido sob a orientação científica de José M.F. Ferreira e Susana Olhero, ambos do DEMaC e do CICECO-Instituto de Materiais de Aveiro da UA. O trabalho contou ainda com a colaboração de uma equipa de investigação multidisciplinar mais vasta, incluindo investigadores da UA, nomeadamente, Odete Cruz e Sandra Vieira (Departamento de Ciências Médicas e iBiMED), António Calado (Departamento de Biologia e GeoBioTec), Sónia Gouveia (IEETA e CIDMA) e de outras instituições nacionais, como é o caso de João Abrantes (CICECO, UIDM/ESTG do Instituto politécnico de Viana do Castelo) e da Robert Mathys Stiftung Foundation (Suíça), com os investigadores Marc Bohner e Nicola Döbelin.

Os resultados obtidos ao longo das várias fases do estudo culminaram na obtenção de um cimento com propriedades gerais muito promissoras. Com base nestes resultados, congratula-se Paula Torres, “pode concluir-se que os objetivos inicialmente estabelecidos foram alcançados com um grau de satisfação relativamente elevado”. A próxima fase, aponta a investigadora, é levar o cimento para testes in vivo.