Universidade de Aveiro: descoberta resina renovável que é alternativa ecológica ao petróleo

Uma equipa de investigadores da Universidade de Aveiro (UA), em colaboração com a Universidade de Coimbra, desenvolveu um novo biomaterial, de elevada performance, derivado dos açúcares das plantas e que é uma alternativa ecológica a materiais com base em petróleo. O novo material tem propriedades que lhe permitem competir de igual para igual com as resinas comerciais de origem petroquímica muito utilizadas pela indústria, por exemplo, em automóveis, barcos e mobiliário. A descoberta foi anunciada no último número da prestigiada revista Polymer Chemistry e com honras de contracapa.

“Estas novas bioresinas são sustentáveis e têm propriedades que permitem competir com as resinas comerciais actuais, mas que são de origem petroquímica. O futuro poderá, portanto, ser menos dependente do petróleo. E a UA está a ajudar”, congratula-se Andreia Sousa, coordenadora da equipa da UA que juntou cientistas do Departamento de Química e do Instituto de Materiais de Aveiro. Pela Universidade de Coimbra, o estudo contou com a coordenação da investigadora Ana Fonseca.

“A grande vantagem deste novo material é o facto de ser baseado em fontes renováveis, ou seja, no famoso ácido 2,5-furanodicarboxílico (FDCA) que tem vindo a atrair grande atenção por parte da comunidade científica e que é muito cobiçado pela indústria química e de polímeros”, aponta Andreia Sousa.

Este ácido, obtido a partir do açúcar de plantas como a cana do açúcar através de uma série de reacções químicas, explicam as investigadoras, “pode vir a substituir o talvez mais importante ácido da indústria dos plásticos, o ácido tereftálico, que é de origem fóssil”. Um outro aspecto, não menos importante, está relacionado com o facto “destas novas bioresinas não serem reticuladas com recurso ao estireno, um palavrão para designar, uma molécula muito tóxica, estando comummente associada a problemas ambientais e de saúde”.

Revestimentos muito mais verdes

As resinas de poliésteres insaturados, o tipo de resinas desenvolvido agora pela UA com outros ingredientes que não o petróleo, são em geral muito aplicadas como revestimento, por exemplo em móveis, mas particularmente em componentes de automóveis e barcos. Para além destas aplicações, apontam as investigadoras, “como a composição das nossas bioresinas assenta numa criteriosa seleção de monómeros renováveis e biocompatíveis acreditamos que poderão ter aplicabilidade na área biomédica”. Um futuro que, aliás, já está a ser investigado pela equipa.

Esta investigação insere-se numa procura mais vasta, que agita a comunidade científica internacional, em busca de respostas às perguntas (quase filosóficas): Como poderemos reduzir a nossa dependência do petróleo? Como é que a humanidade pode evoluir para um planeta mais verde? “A ideia base desta pesquisa assenta precisamente na criação de novos biomateriais sustentáveis para a área biomédica. Em concreto consistiu no uso do FDCA, obtido a partir dos açúcares das plantas, na síntese de uma nova geração de poliésteres insaturados e correspondentes bioresinas reticuladas”, apontam Andreia Sousa e Ana Fonseca.

Porquê o uso do FDCA? As investigadoras explicam: “Claro, que poderíamos ter optado por outro diácido de origem renovável. Optamos pelo FDCA, porque vemos nele, tal como muitos outros cientistas, um enorme potencial de revolucionar o mundo dos plásticos, substituindo o homólogo ácido tereftálico de origem petroquímica”.

LEIA TAMBÉM

Dois detidos em flagrante em Tábua por cultivo de cannabis

O Núcleo de Investigação Criminal do Destacamento Territorial da Lousã deteve, ontem, dois homens com …

GNR realizou ontem 40 detenções em flagrante delito, sete das quais por roubo

Apenas um elemento do grupo suspeito de vários crimes na zona Centro ficou em prisão

Dos cinco jovens, com idade entre os 22 e os 28 anos detidos pela PJ …