Universidade de Aveiro desenvolve códigos ADN para combate à contrafacção de marcas

Newton Gomes e Francisco Coelho, biólogos da Universidade de Aveiro (UA), desenvolveram códigos de ADN para marcas, uma tecnologia inovadora que pode ser aplicada em qualquer produto para fazer prova da respetiva autenticidade e, por isso, ajudar no combate à contrafação. Projetados no Laboratório de Estudos Moleculares e Ambientes Marinhos (LEMAM) da UA, os códigos podem ser aplicados em qualquer superfície e inseridos em qualquer produto, desde uma obra de arte, a uma peça de roupa ou a um telemóvel, e constituem etiquetas moleculares únicas, de fácil e barata produção e impossíveis de falsificar, ao contrário de todos os métodos utilizados atualmente pelos mercados para identificar e autenticar produtos.

A descoberta da UA permite que, caso a originalidade de qualquer produto seja posta em causa, e tendo este incorporado a tecnologia do LEMAM, basta recolher uma amostra do ADN da etiqueta com uma simples cotonete, enviar para o laboratório e esperar pelos resultados da autenticação. Parte do “segredo do negócio”, apontam os investigadores, está na dificuldade em ler as etiquetas moleculares sem a “chave” única de cada código. “Isto impossibilita a sua replicação e aplicação em produtos falsificados”, garantem os biólogos Newton Gomes e Francisco Coelho.

“O aumento de produtos contrafeitos e falsificados nas cadeias de distribuição nunca como agora representou uma ameaça tão importante”, lembra o biólogo Newton Gomes. O investigador, e responsável pelo LEMAM, aponta que as perdas devido a contrafação e falsificação estão a tomar proporções alarmantes. “Estima-se que causem prejuízos na ordem dos 1.7 biliões de dólares em 2015”, antecipa. E não é só um maior número de produtos contrafeitos que está a penetrar as cadeias de distribuição, “é também uma cada vez maior perfeição nos produtos falsificados, existindo mesmo alguns casos em que nem o próprio fabricante consegue distinguir o produto que fabrica do produto falsificado”.

Para contrariar a tendência os códigos de ADN da UA já estão patenteados e prontos a entrarem no mercado. “A tecnologia que criámos produz códigos de ADN a partir da variabilidade de ADN existente na natureza. Assim é possível criar um código único para cada empresa, ou para cada linha de produtos”, explica Newton Gomes. O conceito desenvolvido pelos investigadores é, por isso, “semelhante ao código de barras tradicional, sendo que neste caso, a informação está codificada no ADN e não nas barras”.

Os códigos podem ser aplicados a uma vasta gama de produtos e superfícies ou em combinação com outras tecnologias de gestão de stocks, como o RFID ou o código de barras tradicional, reforçando assim a sua segurança. Podem, exemplifica Newton Gomes, “ser aplicados em tinta que é depois utilizada para autenticar documentos ou até produtos finais”.

LEIA TAMBÉM

Alunos da ESTGOH consideram “Oliveira do Hospital uma cidade acolhedora”

ESTGOH atrai 110 alunos na primeira fase de acesso ao ensino superior, curso de Gestão das Bioindústrias sem grande adesão

A Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital (ESTGOH) preencheu 110 das …

Amianto vai ser retirado da Escola Secundária de Oliveira do Hospital, oposição critica “timing”

A Câmara Municipal de Oliveira do Hospital anunciou ontem que assinou um contrato de adjudicação …