Universidade de Aveiro desenvolve chão inteligente

Universidade de Aveiro desenvolve pavimento cerâmico inteligente

Um pavimento repleto de sensores que permitem saber a cada momento a localização exacta de quem o percorre. Esta tecnologia acaba de ser desenvolvida na Universidade de Aveiro (UA) para ser incorporados em revestimentos cerâmicos. Os sensores foram especialmente pensados para o chão de espaços onde um mapa, muitas vezes, faz falta a cada momento, como hospitais, aeroportos ou centros comerciais, por exemplo. Com a nova tecnologia bastará apenas um clique no smartphone para saber onde está e que caminho tem de percorrer até ao destino desejado. Foi pensada também para ser utilizada em bengalas para cegos funcionando como ‘copilotos’ dos utilizadores.

O segredo do chão inteligente, desenvolvido por uma equipa de investigadores do Instituto de Telecomunicações da UA, está no retransmissor de RFID colocado em cada ladrilho. O investigador responsável pelo projecto, Ricardo Gonçalves, explica que “o sistema usado é equivalente àquele que é utilizado nos sistemas de acesso em edifícios ou nos transportes públicos”.

“No chão inteligente é o dispositivo leitor que se move, enquanto os tags [os cartões de acesso] estão estáticos pois são dispositivos totalmente passivos, que não dependem de nenhum tipo de bateria para funcionar”. “Ao embeberem-se os tags no chão estes não requerem manutenção nem trocas de bateria, o que se podia revelar uma tarefa difícil ao ponto de inviabilizar a aplicação desta tecnologia”, explica este responsável.

A energia é enviada para os tags através do leitor, quando este está por cima do chão inteligente. “Esta transferência de energia é feita através de indução magnética, em que o leitor gera um campo magnético através de uma bobine que por sua vez a bobine em torno do tag capta e transforma em corrente”, explica Ricardo Gonçalves. Esta corrente é usada para alimentar o tag durante os milissegundos de operação, suficientes para este enviar a mensagem com o respectivo número de identificação, normalmente apelidado de ID, para o leitor.

“Desta forma o pavimento fica apto a comunicar com um dispositivo que reencaminha os dados através de comunicações de rádio para um computador ou telemóvel o que pode ser especialmente útil para serviços de localização de pessoas e objetos com a precisão de alguns centímetros”, explica Nuno Borges de Carvalho, investigador do IT e orientador do Doutoramento de Ricardo Gonçalves.

O sistema, aponta Nuno Borges de Carvalho, “tem aplicação em cenários onde a navegação seja mais difícil porque cria uma interação entre o espaço e as pessoas”. Mas, para além da ‘simples’ localização de uma determinada loja para quem anda às compras num centro comercial, os investigadores da UA apontam outras aplicações. “Pode ser utilizado por cegos para melhor navegarem em sítios públicos, pode ser usado em lares de terceira idade ou numa normal casa onde os habitantes queiram criar interações como entrar na sala e a luz desse compartimento ligar-se automaticamente”, diz Borges de Carvalho.

“Bastante baratos e fáceis de serem aplicados nos revestimentos”, os investigadores pretendem agora estabelecer parcerias com a indústria de cerâmica para poder levar os primeiros ladrilhos inteligentes para o circuito comercial.

LEIA TAMBÉM

Fiscalização da GNR sobre automobilistas levou a sete detenções

Detido em Seia traficante de estupefacientes

A GNR de Seia e de Paranhos da Beira detiveram um homem de 23 anos, …

Mortes em acidente em Tábua no acesso ao IC6

Dois homens morreram hoje na sequência de uma colisão frontal entre duas viaturas ligeiras numa …