Domingo, Março 26, 2017
Início - Região - Oliveira do Hospital - Verdes questionam Governo sobre poluição da SONAE em Oliveira do Hospital
Verdes questionam Governo sobre poluição da SONAE em Oliveira do Hospital

Verdes questionam Governo sobre poluição da SONAE em Oliveira do Hospital

O Deputado José Luís Ferreira, do Grupo Parlamentar Os Verdes, entregou na Assembleia da República uma pergunta em que questiona o Governo, através do Ministério do Ambiente, sobre poluição da Sonae Indústria em São Paio de Gramaços, concelho de Oliveira do Hospital, uma situação que, segundo aquele deputado, continua a afectar a qualidade de vida da população que reside na zona envolvente daquela unidade industrial.

Aquele deputado pretende saber que medidas foram tomadas depois de em Abril de 2015 o PEV ter enumerado um conjunto de questões que, segundo aquele partido, “preocupam a população que reside na envolvente da unidade industrial”, das quais se destacam: a emissão de gases, a propagação de partículas, o tratamento de águas residuais, a contaminação dos recursos hídricos e o ruído. O PEV pretende saber agora quais foram as Melhores Tecnologias Disponíveis adoptadas para minimizar as partículas libertadas para a atmosfera e as boas práticas para reduzir as emissões difusas no meio? Que medidas adicionais e eficientes têm de ser tomadas, para evitar a propagação e acumulação de partículas difusas no meio, que afectam a qualidade de vida da população limítrofe à Sonae Indústria? Em que locais específicos são realizadas as medições aos ruídos e vibrações resultantes da actividade da unidade industrial? Quantas vezes por ano ocorrem estas medições? Os valores e respectivos relatórios são afixados publicamente, em São Paio de Gramaços, para que a população os possa confrontar, verificar e analisar?

O PEV lembra que “a população que teve acesso aos esclarecimentos do Ministério ficou indignada com a resposta, face aos constrangimentos que sentem no dia-a-dia, nomeadamente no que concerne à propagação de partículas que invadem as suas habitações e que limitam a realização de certas tarefas diárias, como por exemplo, abrir as janelas ou estender a roupa no varal”, sublinham numa nota, adiantando que o “Governo da altura referiu que a unidade industrial cumpre a LA, adoptou algumas Melhores Tecnologias Disponíveis (MTD) e implementou um conjunto de boas práticas para reduzir as emissões difusas para o meio, estas práticas, assim como o ruído resultante da actividade, não são compatíveis com a qualidade de vida da população”.