O vereador do PS, José Francisco Rolo, é de opinião que a Câmara Municipal deve fazer uma “declaração pública para informar os munícipes sobre os passos conducentes a um processo de relaxe”, na sequência da notícia do CBS em que a DECO considerou que a CM de Oliveira do Hospital cobra uma taxa “ilegal”

Vereador do PS defende “transparência e harmonização dos procedimentos”

Imagem vazia padrãoDepois de constatar que a resposta do presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital (CMOH) não foi muito consensual quando interpelado sobre a legalidade da aplicação de uma taxa de relaxe aos consumidores de água que se atrasem no pagamento da tarifa, José Francisco Rolo entende que nada mais resta à autarquia do que fazer “uma declaração pública para informar os munícipes sobre os passos conducentes a um processo de relaxe”.

“Acho que a Administração Pública está obrigada a esta transparência e tudo deve ser feito para isso”, referiu ao diário online do Correio da Beira Serra o vereador socialista que na última reunião do executivo camarário – tomando por base a manchete da última edição impressa do Correio da Beira Serra – questionou o presidente Mário Alves sobre a legalidade da aplicação da taxa de relaxe, dado que ao CBS um jurista do gabinete de estudos da DECO dava como certa a sua ilegalidade. Sem querer dar resposta a uma interpelação fundamentada em informação veiculada pelo CBS, o presidente da CMOH terá remetido para o ponto 2.1 da Ordem de Trabalhos – “Cobrança de Receitas Municipais” – a posição da autarquia sobre essa matéria. Segundo explicou o vereador José Francisco Rolo, Mário Alves invocara uma “panóplia” de decretos-lei para justificar a abertura de um processo de relaxe e a aplicação da sua taxa ao abrigo do procedimento tributário. Contudo, apesar de considerar estar em causa um procedimento legal, o edil – segundo Rolo – admitira que neste âmbito as opiniões não são consensuais, justificando assim a posição da DECO sobre esta matéria.

Em face da falta de consensos, ao diário online do CBS, José Francisco Rolo posicionou-se em defesa do “princípio da transparência”. “O munícipe deve saber passo a passo o que lhe acontece quando entra em processo de relaxe”, reiterou o vereador, sublinhando que essa informação “deve estar disponibilizada nos vários agentes de pagamento”. Na opinião de Rolo, o próprio recibo de relaxe deve pormenorizar a forma de aplicação da taxa. “A Câmara tem a obrigação de esclarecer o munícipe sobre o valor que lhe é aplicado. Os valores devem estar decompostos”, considerou.

Tendo sido informado pelo presidente da CMOH de que outros municípios também aplicam a taxa de relaxe, José Francisco Rolo defende que se pugne pela “harmonização dos procedimentos”. É que na opinião do vereador, é inaceitável que os municípios não sejam unânimes nos procedimentos, por noutras autarquias nem sequer se falar em processos ou taxas de relaxe. “Isto cria dúvidas e gera desconfianças. Eu como munícipe posso perguntar: mas afinal o que é que se passa?”, considerou Rolo.

Vereador defende pagamento por Multibanco
Em sede de executivo, o vereador questionou ainda o presidente da câmara sobre as formas de pagamento das facturas de água colocadas ao dispor dos munícipes. Tomou conhecimento de que tal pode ser feito por débito bancário e no agente local, pelo que propôs a Mário Alves que seja disponibilizado pagamento por Multibanco, mediante a “modernização” dos procedimentos”. Uma proposta que – segundo Rolo – o presidente da autarquia não rejeitou.

O eleito socialista – também alertado pela notícia do CBS – apelou ao executivo para que o regulamento de abastecimento de água fosse actualizado, uma vez que continua a exigir aos consumidores uma caução que a lei em vigor já não prevê. Alertou ainda para a necessidade de os valores em escudos serem convertidos em Euros. Alves terá concordado com Rolo, admitindo que a “lei em vigor se sobrepõe ao regulamento”.

LEIA TAMBÉM

SONAE (Ai – Ai …) Ou em como o “ouro” de uns é o nosso prejuízo!

CDU vê aprovado na Assembleia da União de Freguesias de Ervedal e Vila Franca da Beira voto de protesto contra falta de apoio das autoridades às vítimas dos incêndios

O eleito da CDU na Assembleia de Freguesia da União de Freguesias de Ervedal e …

Nova liderança da JSD de Oliveira do Hospital quer colocar problemas dos jovens na agenda política local

Virgílio Salvador, de 26 anos, foi eleito no domingo presidente da Juventude Social Democrata de …