Vereador do PSD criticou visita “extemporânea, politiqueira e da propaganda” de Idália Serrão

 

O ex-presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital não viu com bons olhos a vinda da secretária de Estado Adjunta e da Reabilitação ao concelho, por ocasião da assinatura do protocolo da Plataforma de Atendimento e Acompanhamento Social Integrado.

“Foi uma visita extemporânea, politiqueira e da propaganda”, considerou esta manhã em reunião do executivo, o vereador do PSD que, tomando por base o currículo da governante, colocou em causa a pertinência da vinda de Idália Serrão ao concelho.

Mário Alves vincou ainda o facto de a secretária de Estado pertencer a um governo de gestão que “não se deve dedicar à propaganda política do partido que está no poder”.

“Com políticos desta natureza jamais o país sairá do buraco”, insistiu o ex-presidente da autarquia oliveirense apresentando um voto de protesto à visita de Idália Serrão.

Lembrando que o convite que dirigiu a Idália Serrão aconteceu há um ano, o presidente da Câmara Municipal referiu a Mário Alves que a governante tem um “currículo de poder autárquico”, porque já foi “presidente de uma Junta de Freguesia, exerceu funções de vereadora e já presidiu uma Comissão de Proteção de Crianças e Jovens”.

“É uma negação da sua parte estar a questionar o currículo de Idália Serrão”, considerou José Carlos Alexandrino, notando que a governante veio a Oliveira do Hospital proferir um “discurso de verdade”. O autarca informou ainda que, até à data das eleições legislativas, espera receber em Oliveira do Hospital, um secretário de Estado para a assinatura de dois protocolos “a bem de duas freguesias do concelho”.

O vice-presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital lembrou ainda a Mário Alves que a vinda da governante não foi em vão e, que foi aproveitada pelo executivo para reivindicar um conjunto de respostas sociais essenciais ao concelho, dando o exemplo dos cuidados continuados, cuidados paliativos e centro de emergência social em Travanca de Lagos.

José Francisco Rolo chegou a considerar que as reações de Alves, relativamente à vinda de governantes ao concelho são “hostis” e não são protagonizadas em concelhos vizinhos por onde, também, passam membros do governo.

Mário Alves não deixou de retorquir, colocando em causa o “objetivo prático” das reivindicações apresentadas a “membros demissionários”. “Qual é a eficácia disso, senão a demagogia e a política do faz de conta”, questionou.

LEIA TAMBÉM

Nova liderança da JSD de Oliveira do Hospital quer colocar problemas dos jovens na agenda política local

Virgílio Salvador, de 26 anos, foi eleito no domingo presidente da Juventude Social Democrata de …

«Castração» política em Oliveira do Hospital. Autor: João Cruz

Passados 44 anos após o 25 de Abril de 1974, vive-se hoje em Oliveira do …