Vereador do PSD não quer que o Agrupamento Brás Garcia se desculpe com a Câmara para não pagar a fornecedores

O vereador do PSD usou o período antes da ordem do dia, da reunião pública da Câmara, para confrontar o executivo em permanência, sobre a alegada existência de uma dívida da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital para com o Agrupamento de Escolas Brás Garcia de Mascarenhas.

“Tenho conhecimento de que o Agrupamento disse a fornecedores que não podia pagar, porque a Câmara lhe devia muito dinheiro”, afirmou Mário Alves, recordando que “em Outubro foi paga toda a dívida” àquele agrupamento de escolas.

O vereador solicitou ao executivo em permanência para que apure “até que ponto, há aqui uma exploração negativa por parte do Agrupamento relativamente à organização Câmara Municipal”.

Apanhada de surpresa, a vereadora da Educação disse não ter conhecimento de qualquer dívida para com aquele estabelecimento de ensino, admitindo contudo que a escola se possa estar a referir ao subsídio que já foi aprovado, mas ainda não foi entregue.

Graça Silva informou ainda ter conhecimento de que o “agrupamento está a passar dificuldades” e que tem marcada uma audiência para dia 15, com o director Luís Ângelo.

Mário Alves não tardou em esclarecer a vereadora de que o subsídio nada tem a ver com a dívida. Insistiu, porém com a consideração de que é “inadmissível que as pessoas do Agrupamento usem o nome da Câmara para justificar a dívida”, porque “é mau para a instituição”. “Eu sei que a Câmara, por norma, não deve às escolas e aos agrupamentos”, frisou o ex-presidente da autarquia.

Do lado da dupla independente ficou a indicação de se chamar a atenção do Agrupamento para esta situação. “Acho que a Câmara deveria enviar uma carta ou efectuar um contacto telefónico dizendo para não usarem esse argumento, para justificar a dificuldade por que estão a passar”, aconselhou José Carlos Mendes.

O correiodabeiraserra.com tentou, há instantes, obter uma posição do Agrupamento de Escolas sobre o assunto, mas tal não foi possível pelo facto de o director Luís Ângelo estar ausente daquele recinto escolar e, a ele regressar só na próxima segunda-feira.

LEIA TAMBÉM

Os pais da exclusão… Autor: Renato Nunes

Biblioteca Nacional de Lisboa, 29 de Setembro de 2017. Depois de mais um dia de …

Coligação liderada pelo CDS preocupada com empreitada da retirada do amianto das escolas de Oliveira do Hospital

A Coligação Construir o Futuro (CDS-PP / MPT / PPM) está “preocupada e apreensiva” com …