Vice-presidente da Câmara apela aos desempregados para apostarem na criação do próprio emprego

 

Depois do Bem Crescer e do AGIR, o Contrato Local de Desenvolvimento Social (CLDS) é o projecto de acção social que está no terreno com o objectivo de prestar apoio aos que mais necessitam.

Pelo menos é esta a convicção do vice-presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital e vereador do pelouro da Solidariedade e Acção Social que, esta tarde, considerou que “havendo respostas e recursos qualificados, não temos desculpas para não dar respostas à população”.

A participar na sessão de apresentação do CLDS designado por TEAR e do primeiro número do seu boletim informativo, José Francisco Rolo justificou o surgimento da nova resposta social concelhia com as “fragilidades” que afectam o tecido social de Oliveira do Hospital, nomeadamente com o “desemprego forçado de várias centenas de homens e mulheres”.

“É uma situação que exige muito de nós, poderes públicos, e das entidades que estão no terreno e que têm oportunidade de aceder a projectos e programas capazes de minorar dificuldades”, observou o número dois na autarquia oliveirense, apelando por isso ao envolvimento de todas as entidades e organismos do Estado.

“Há enormes exemplos na nossa região de pessoas que conseguiram transformar o seu problema de emprego e criar micro-empresas”

Numa altura em que apresentava a nova equipa técnica que se encontra no terreno e coordenada por Raquel Baptista, o responsável pelo pelouro da Acção Social destacou a capacidade do município para atrair “novos e diferentes projectos”.

Contudo, desafiou o TEAR a um esforço redobrado junto de pessoas desempregadas com capacidade para a criação do próprio emprego. “Há enormes exemplos na nossa região, de pessoas que conseguiram transformar o seu problema de emprego e criar micro-empresas”, verificou José Francisco Rolo, destacando a importância de o CLDS divulgar “estes casos de sucesso” junto de pessoas com capacidades para criação do próprio emprego. “Acho que é este o caminho correcto”, frisou.

Essencialmente vocacionado para apoiar famílias fragilizadas e prestar apoio à empregabilidade, o TEAR comporta também a Plataforma de Atendimento e Acompanhamento Social Integrado, que resulta de uma trabalho conjunto de todos os actores sociais concelhios.

“É uma marca distintiva daquilo que poderá ser a acção social de cada concelho”, explicou o vice-presidente, na expectativa de que este modelo possa ser “replicado e imitado” por outros municípios.

Enquanto projecto inovador, a Plataforma de Atendimento e Acompanhamento Social Integrado congrega 24 entidades responsáveis pela triagem de casos que carecem de acompanhamento social em todo o território concelhio.

Todo o trabalho funciona em rede e tem por base uma plataforma electrónica que é gerida pela equipa do Contrato Local de Desenvolvimento Social. “As peças estão a ser colocadas no terreno e estamo-nos a organizar”, sublinhou José Francisco Rolo.

Comandado por uma equipa multidisciplinar – Ana Catarina Ribeiro (técnica de Serviço Social), Ana Luzia Brito (técnica de Gestão), Paula Ferrão (Animadora sociocultural) e Raquel Baptista (coordenadora), o TEAR é promovido pela Câmara Municipal de Oliveira do Hospital, financiado pelo Instituto da Segurança Social e executado pela Associação para o Desenvolvimento Social e Cultural do Vale do Cobral.

LEIA TAMBÉM

PSA anuncia produção de carros de lazer na fábrica de Mangualde

Depois de ameaçar encerrar a produção em Portugal, o grupo francês PSA aumenta a pressão …

Câmara da Guarda: Álvaro Amaro exige ser ouvido pelo Governo na estratégia nacional para o lítio

O presidente da Câmara Municipal da Guarda, Álvaro Amaro (PSD), emitiu ontem um comunicado onde …