CM de Oliveira do Hospital devolve IMI a associações e colectividades concelhias

Vila do Bispo venceu título de Município do Ano Portugal 2015, Oliveira do Hospital perde nos prémios regionais para Águeda

O concelho de Vila do Bispo, com o Festival de Observação de Aves e Actividades de Natureza de Sagres, venceu ontem em Braga o prémio Município do Ano Portugal 2015. Este troféu que reconhece as boas práticas do poder local contava também com a participação do Município de Oliveira do Hospital que depois de ver o prémio nacional ir para Vila do Bispo, viu os títulos que distinguiam a Zona Centro rumarem a Águeda e à Lousã.

Depois de 80 candidaturas, o júri nomeou 36 projectos, onde Oliveira do Hospital entrou com o projecto “Oliveira do Hospital, a Friendly Municipality”. Mas sem grande sucesso. Na Zona Centro o concelho de Águeda, com o AgitÁgueda, venceu, e na mesma região, mas na categoria dos municípios com menos de 20 mil habitantes foi o concelho da Lousã, com o Cerdeira Village, a arrecadar a distinção.

O Observatório do Sobreiro e da Cortiça deu o galardão a Coruche na Região Alentejo, enquanto o programa Jovem Autarca, de Santa Maria da Feira, foi o vencedor da Área Metropolitana do Porto.

Na Área Metropolitana de Lisboa o júri premiou Sintra pela aposta no Conselho Estratégico – Instrumento de Melhor Governo Municipal e na categoria das Regiões Autónomas foi escolhida a iniciativa Ribeira Grande: Portas de Entrada para a Natureza do Vulcão do Fogo.

A organização promoverá agora uma conferência, na qual os municípios vencedores apresentam de forma muito detalhada os seus projectos, na “lógica da partilha do conhecimento”.

LEIA TAMBÉM

Oliveira do Hospital recebe final da etapa da Volta a Portugal de homenagem às populações afectadas pelos incêndios e Marcelo acompanha caravana

A 80.ª edição da Volta a Portugal em bicicleta vai passar por alguns concelhos afectados …

FPF entregou casa reconstruída a família de Oliveira do Hospital

Uma família de Oliveira do Hospital recebeu hoje a casa onde vivia antes dos incêndios …

  • Guerra Junqueiro

    Oliveira do Hospital, um município amigo…
    Amigo de quem? Pelos vistos somente daqueles que abanaram as bandeirinhas.
    Lá tiveram que meter a viola no saco! Engraçado é que depois de tanta farmalha, mais ninguém noticiou esta derrota em que a câmara se meteu.

    Cumprimentos
    Guerra Junqueiro

  • Fashion

    Fashion
    Outra natureza da questâo:
    Entretanto…
    Recorde-se que…antes destas novas modalidades de patrocínios de campanhas -meramente publicitárias- “reinou uma tal de “Allgarve”…com dezenas de milhões às costas…quer dizer, no orçamento de todos nós. E foi um “suxesso”. na opinião deles, a pontos de o tal (des) ministro ter convidado um campeão olímpico de natação, ultra-medalhado, vir nadar na sua piscina….que bem, acompanhado de muitas “botelhas” de champanhe francês! – grade caldeirada – .com fumos de carvão de máquina a vapor, pelo meio.

    Adiante…

    É absolutamente lamentável que um concelho do interior, em tal candidatura, tenha preferido abusar-se da panaceia – sê-lo-á sempre! – do Inglês, em detrimento daquilo que é verdadeiramente seu, a sua raiz, a sua matriz, a sua História , a sua Língua e a sua cultura : a Língua Portuguesa e a História de Portugal, no caso concreto, a verdadeira marca do concelho – e dos concelhos vizinhos! – nesta séria aventura de dar a conhecer o concelho de Oliveira do Hospital ao mundo…(É provável que, à terceira geração, “a jusante”, haja gente, em todo o mundo, com raízes no concelho…e que, dele, ainda se lembra, em Português)
    A seguir-se esta (des)regra, para o próximo ano, ou provável próxima candidatura, propõe-se, nesta linha de “marketing e publicidade”, que a autarquia “embarque” na proposta do cratino ministro da (des)educação vigente e passe a a divulgar as suas candidaturas em “chinês” e que, para as promover, convide o Paulo Futre para as apadrinhar. Nunca se sabe.

    “Estrangeirados”, ficaram, também, a ser conhecidos como aqueles que “não são de lado nenhum”….mais ou menos como os actuais emi/imigrantes.

    Contudo, e para eventuais fantasias de promoção “fashion”, aconselha-se, vivamente, quer a autarcas, quer a publicitários, que leiam, com “olhos de ler”, as “Cartas de Fradique Mendes”, do mestre Eça.

    Previnam-se