Home - Últimas - Leite materno é o primeiro escudo do bebé contra a COVID-19

Leite materno é o primeiro escudo do bebé contra a COVID-19

O leite materno é a primeira vacina que o recém-nascido recebe. Faz parte do seu órgão imunitário, também face à COVID-19. E embora nos primeiros momentos da pandemia, devido à falta de informação, houvesse dúvidas, as evidências colocam-no como um “escudo” para o bebé face ao vírus.

Por ocasião da Semana Mundial da Amamentação, que termina esta sexta-feira, muitas agências e sociedades médicas têm enfatizado nestes dias os muitos benefícios que esta prática proporciona tanto à mãe como ao bebé, também contra o coronavírus. Paula Lalaguna, coordenadora espanhola da iniciativa internacional lançada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e pela Unicef, para a humanização dos cuidados de parto e amamentação (iHAN), também o afirmou em declarações à agência Efe, embora tenha salientado que no início da pandemia, com a incerteza, “tanto a amamentação como a pele a pele “que era tão difícil de implementar” foram “deitadas fora”.

Um facto que se reflecte, juntamente com outros especialistas, num artigo de revisão da literatura disponível sobre amamentação e COVID-19 publicado no National Journal of Public Health, que sublinha que a crise de saúde teve “impacto” nos cuidados de parto e amamentação. Precisamente, como explica à Efe, o objectivo da publicação deste artigo de revisão era insistir que as recomendações das autoridades sanitárias e das sociedades médicas estão actualizadas porque, como estes meses passaram, “foi estabelecido que não há provas de risco de contágio” para o bebé através do leite materno com coronavírus.

Pela sua parte, a porta-voz da Associação Espanhola de Pediatria de Cuidados Primários (AEPap), Cecilia Gomez, disse à Efe que não se observou que o medo da COVID-19 tenha sido uma causa para parar de amamentar uma vez iniciada a amamentação, mas que “alguma confusão inicial sobre se era ou não possível ir aos centros de saúde levou a alguma diminuição das taxas” nos períodos iniciais por outras razões ou dúvidas frequentes.

Dúvidas, acrescenta, que foram resolvidas por pediatras, parteiras ou em grupos de amamentação e que foram consultadas mais tarde “embora nas maternidades tenham recomendado a amamentação e as revisões do primeiro mês de vida nunca foram suspensas desde o início da pandemia”.

Se até agora não há provas de transmissão vertical da mãe através do aleitamento materno, “há, e muito, fortes provas dos seus benefícios”. O facto é que o “ouro líquido” como por vezes chamam ao leite materno é, como diz Lalaguna, um “escudo”. “Protege sempre de qualquer doença, é a primeira vacina que o bebé recebe, a maioria das doenças que a mãe sofre dos anticorpos passam através do leite e são imunizadas graças ao leite da mãe”.

Com o coronavírus não é diferente, “a natureza demonstrou que é um mecanismo muito sábio e que responde exactamente da mesma forma que outros vírus respiratórios e outras patologias, pelo que a mãe gera anticorpos e são estes que protegem o bebé”. A porta-voz da AEPap disse: “O leite materno é um escudo protector no recém-nascido e no bebé para doenças respiratórias de origem viral e bacteriana, melhora a sua sobrevivência e proporciona benefícios para a sua saúde”, acrescentou Gomez.

Belén Fernández, neonatologista do Hospital Universitário Central das Astúrias e membro da Sociedade Espanhola de Neonatologia (seNeo), diz também que a amamentação é mais benéfica do que não amamentar. Por esta razão, seNeo tem vindo a recomendar, desde praticamente o início da pandemia, o contacto pele com pele entre mãe e bebé após o nascimento e amamentação, assim como agências como a OMS e a UNICEF.

Apenas a China sustenta que estas práticas não devem ser levadas a cabo quando a mãe está infectada com a COVID-19 e a Associação Americana de Pediatria, segundo Gomez, recomenda que, se a mãe estiver infectada, ela deve exprimir o seu leite, mas não amamentar.

Da Associação Espanhola de Pediatria (AEP), a chefe da área de amamentação do Comité de Nutrição e Amamentação, Susana Ares, deu nestes dias numa declaração algumas directrizes para as mães com suspeita ou infecção confirmada para amamentar em segurança. A higiene extrema das mãos, especialmente antes de tocar no bebé, bem como a limpeza e desinfecção das superfícies, são algumas delas. Recomenda o uso de uma máscara médica enquanto a mãe amamenta e cobre a boca e o nariz com um lenço de papel ao espirrar ou tossir. Apesar deste conselho, defende que se uma mãe estiver infectada e/ou as condições não permitirem a amamentação, “a melhor alternativa para recém-nascidos e lactentes é a de expressar o seu leite”, com extrema cautela.

 

LEIA TAMBÉM

Um ferido grave em despiste no Carregal do Sal

Um homem, de 25 anos, ficou gravemente ferido após despiste do carro que conduzia em …

Rui Rio acredita na conquista da CM de Oliveira do Hospital e Francisco Rodrigues fala em “dinâmica de vitória irreversível”

A Câmara Municipal de Oliveira do Hospital é uma das autarquias que o presidente do …