Home - Opinião - Vacinar anti Covid: Mas que confusão estes(as) senhores(as) já armaram ??!!… Autor: João Dinis

Vacinar anti Covid: Mas que confusão estes(as) senhores(as) já armaram ??!!… Autor: João Dinis

Primeiro, há a “confusão” criminosa – a “negociata”, sim, Senhora Ministra da Saúde ! – com o abastecimento das Vacinas já contratadas com os grandes Laboratórios Farmacêuticos (privados) europeus que, entretanto, especulam e atrasam o respectivo fornecimento a Portugal, por exemplo.  A seguir, são as indicações – preocupantes – acerca de uma dessas vacinas, informações que têm vindo a público e segundo as quais essa vacina não é a mais indicada para Pessoas acima dos 65 anos e até com menos idade.  Então ? Em que é que ficamos, Comissão Europeia, Governo Português e Presidente da República? Afinal quando é que conseguem sair das constantes confusões deste tão desastrado e desastroso processo de ataque à pandemia em geral, e também já quanto à vacinação em especial ?

E, para não destoar do contexto, por aqui continuam a confusão com a vacina !

No seu estilo institucional costumado, enquanto “porta-voz”, de facto, do Ministério da Saúde, pelo menos em Oliveira do Hospital, o Presidente da Câmara correu, há dias, a propagandear a “camisola amarela” do nosso Município naquilo que, na Região, toca ao início da vacinação dos idosos com mais de 80 anos que, segundo essas declarações, na semana passada, iria começar a vacinação a partir de dia 11 de Fevereiro (Quinta-Feira). 

Porém, agora, os responsáveis regionais do Ministério da Saúde encheram-se de brios próprios, e legítimos aliás, mas logo vieram anunciar que a vacinação começará a partir de Sexta-Feira, dia 12 de Fevereiro.  Dizem até qual é a vacina que será inoculada nos idosos e, para aumentarem as nossas interrogações e as nossas preocupações, informam que vai ser essa tal e desaconselhada vacina que, aliás, outros países já estão a “descartar” de aplicar nos idosos…

Em contra-resposta e ao que também acabo de ver na comunicação social e não desmentido, o Presidente da Câmara de Oliveira do Hospital, também na sua qualidade de Presidente em exercício da CIM, Comunidade Intermunicipal  – Região de Coimbra –, vem agora reclamar – com razão – que a vacinação deveria ser descentralizada, dentro do nosso Município por 4 pontos de vacinação, e que noutros concelhos também o deveria ser. 

Enfim, de nossa parte, há meses que estamos a batalhar, como podemos, pela revisão, a sério, do “Plano Nacional de Vacinação anti Covid” e, desde logo, pelo grande aumento dos “postos de vacinação” nele previstos até agora. E não é preciso ser-se “um génio” para afirmar uma coisa destas… Basta o bom senso e alguma sensibilidade.  No caso, importa reter que, apesar de se registar uma diferença de um dia apenas entre uma e outra, são diferentes as informações dadas à População pelo Presidente da Câmara, primeiro, e pela Administração Regional de Saúde de Coimbra (Região Centro), logo a seguir.  Ou, então, esta ignorou o anúncio público feito pelo Presidente da Câmara quanto ao início da vacinação em Oliveira do Hospital…  Terá sido “ciumeira” (política e administrativa) ou “vingançazita” em jeito “caciqueiro” ??…

Seja como for, importa agora que o Presidente da Câmara assegure que vai haver pelo menos os tais 4 polos de vacinação no concelho de Oliveira do Hospital e isso mesmo já deveria ele ter assegurado e muito antes de se pôr a anunciar o que anunciou apenas a alguns dias atrás.

E ainda vamos ver se haverá as vacinas todas ou não…

“Descentralizar” também é ir vacinar os idosos e outros a casa deles, 

pelo menos dos que tenham  maiores dificuldades ou que o tenham requerido !

Criar pelo menos 4 postos de vacinação efectiva em Oliveira do Hospital é já um bom avanço em relação ao que de início estava previsto.  Mas também ainda não basta !  É preciso mais e melhor e rapidamente !

Já o dissemos e enfatizamos, e repetimos agora, que é necessário ir vacinar, a casa deles, muitos e muitos dos mais idosos e outros com dificuldades de mobilidade (física ou mental).

Para isso acontecer, é em primeiro lugar preciso que haja uma convicta vontade política, e sensibilidade social – e humanismo ! – para o fazer !  E planificar a tempo e horas, tendo até em conta que estamos em pandemia.   A este propósito, no Brasil estão a ir vacinar, contra a Covid, populações residentes em plena selva…

Acontece que nós até sabemos que o Governo Português é dos que menos dinheiro tem gastado com a pandemia e ficou longe, por exemplo, de aplicar o dinheiro que teve disponível em Orçamento do Estado de 2020, para este efeito.  Portanto…

Muita atenção à forma, e aos meios utilizados, como vão ser feitas as convocatórias 

para se ir apanhar as vacinas…

Fala-se no envio dessas “convocatórias” por mensagem SMS, a enviar sobretudo pelo telemóvel. 

Ora, muitos e muitos idosos não têm telemóvel…outros não sabem ver as mensagens…outros não vêem bem…outros mais não sabem ler.  Muitos ainda não têm médico de família e não têm os dados actualizados na “base de dados” do Ministério de Saúde.  Por tudo isto e por mais ainda,  nada substitui o contacto directo com eles !  

É que, se estes(as) Senhores(as) apenas fizerem como estão a dizer que vão fazer, então, mais à frente, perante um número, muito provavelmente abaixo do desejável de vacinados, não nos venham para cá dizer, e seja lá quem for, que as Pessoas não se vacinaram “porque não quiseram”…  Aliás, esta nossa insistência metódica no assunto da vacinação, também é para ver se ajudamos os principais responsáveis pelo processo, afinal, a serem mais sensíveis e mais competentes…nem que isso lhes custe…

Fim à confusão de base oficial/institucional com a vacinação anti Covid !

Mais respeito pelos direitos e pelo estado físico e emocional dos Utentes,

e dos mais idosos em especial !

8 de Fevereiro de 2021

 

João Dinis, Jano

LEIA TAMBÉM

Apreendidas mais de três mil munições e armas na Guarda

A Guarda Nacional Republicana (GNR) apreendeu esta quinta-feira mais de três mil munições e várias …

Estranho (des)concelho

Concelho este, meu, que te estranho. Abafado, nestes tempos que correm: Alguns, do mal  procuram …