Home - Últimas - GNR encerra “temporariamente” postos nos distritos da Guarda e Castelo Branco para fiscalizar fronteiras
Detidos por tráfico de droga em Santa Comba Dão

GNR encerra “temporariamente” postos nos distritos da Guarda e Castelo Branco para fiscalizar fronteiras

A GNR deciciu encerrar alguns postos nos distritos da Guarda,  como nos concelhos de Gouveia e trancoso, e Castelo Branco. Esta decisão levou os deputados do PCP, através de uma questão enviada a Eduardo Cabrita, a interregoar o Governo sobre a suspensão de vários postos de atendimento reduzido da GNR na região. Os comunistas querem saber se esta situação “é temporária”, se irão encerrar “mais postos” e se para fazer o controlo de fronteiras “não havia outras opções”. A GNR  assegura que se trata de uma medida temporária, numa altura em que o país vive uma situação excepcional, que permitiu vantagens operacionais para o controlo das fronteiras.

O PCP lembra que estamos a falar de uma região “com uma grave situação de despovoamento e envelhecimento” e  encerrar postos “cria preocupações às populações do ponto de vista da segurança, mas também do ponto de vista do desenvolvimento da região sujeita a muitos encerramentos de serviços de proximidade”.

Recordar que na área do comando territorial de Castelo Branco foram encerrados 10 postos de atendimento reduzido, entre eles os de Unhais da Serra e Paul no concelho da Covilhã, e ainda os de Mata, Cebolais de Cima e Malpica do Tejo no concelho de Castelo Branco; Soalheira no município Fundão; Monsanto, Ladoeiro e Rosmaninhal em Idanha-a-Nova e Cernache do Bonjardim no concelho da Sertã. Segundo a GNR, esta medida permitiu a transferência temporária de 43 militares para os Postos Sede de Agrupamento.

No distrito da Guarda, a GNR suspendeu temporariamente o funcionamento de cinco postos de atendimento reduzido (PAR) no distrito da Guarda: Freixedas, Freixo de Numão, Miuzela, Pínzio e Vila Nova de Tázem, em Gouveia. A GNR adiantou que há outros quatro PAR que estão com actividade suspensa apenas ao fim-de-semana, como são os casos de Loriga, Paranhos da Beira, Soito e Vila Franca das Naves,  em Trancoso. “Esta medida permitiu a transferência temporária de 47 militares para os postos Sede de Agrupamento”, acrescenta.

Segundo a GNR, a suspensão temporária da actividade de alguns postos territoriais, “os quais já funcionavam em Regime de Atendimento Reduzido, teve como pressuposto as circunstâncias particulares e excepcionais que o país atravessa [devido à pandemia causada pela covid-19], em especial a reposição do controlo de fronteiras terrestres, tarefa essa com forte empenhamento da Guarda Nacional Republicana”.

“A Guarda [GNR] considerou operacionalmente vantajoso adoptar esta medida temporária, à semelhança do que já ocorreu na fase inicial da pandemia, a qual permite alocar um maior número de militares para o serviço operacional, nomeadamente para o controlo da fronteira terrestre, sublinhando-se que a mesma apenas vigorará enquanto se afigurar absolutamente necessário, retomando a situação de normalidade logo que possível”, remata.

LEIA TAMBÉM

Um ferido grave em despiste no Carregal do Sal

Um homem, de 25 anos, ficou gravemente ferido após despiste do carro que conduzia em …

Rui Rio acredita na conquista da CM de Oliveira do Hospital e Francisco Rodrigues fala em “dinâmica de vitória irreversível”

A Câmara Municipal de Oliveira do Hospital é uma das autarquias que o presidente do …