Home - Últimas - O último homem do povo indígena brasileiro Juma, Aruká, não resitiu à COVID-19

O último homem do povo indígena brasileiro Juma, Aruká, não resitiu à COVID-19

O último homem do povo indígena Juma, Aruká não resistiu à Covid-19. Na quarta-feira, morreu devido a complicações associadas com a doença num hospital de Porto Velho, no estado federal da Rondônia, dá conta o grupo de comunicação social Globo. Aruká tinha entre 86 e 90 anos. Entidades indígenas acusam governo federal de nada fazer para o proteger da pandemia, afirmando que ele foi “assassinado” pelo poder de Brasília.

Da sua etnia só sobram as filhas Borehá, Maitá, Mandeí, mas a continuidade dos Juma ficou garantida com os casamentos das três com elementos do povo indígena Uru-Eu-Wau-Wau, com a qual partilham a mesma língua.E a linhagem também já contempla 14 netos e bisnetos.

Na família de Aruká, durante o mês passado, doze parentes ficaram infetados com Covid-19. O patriarca começou com sintomas a partir de dia 17 de Janeiro. Sentiu-se mal, tendo de ser internado no hospital regional de Humaita. Conseguiu ter alta dias depois, mas o seu estado de saúde voltou a deteriorar-se e teve mesmo de ser internado numa unidade de cuidados intensivos, no hospital de campanha Regina Pacis, em Porto Velho.

Não resistiu à doença e foi enterrado na aldeia onde cresceu, em Canutama. Outros povos indígenas decidiram homenagear Aruká, tendo-se realizado um cortejo de enterro. Várias entidades índigenas publicaram uma nota de pesar a lamentar a morte de Aruká, na qual afirmam que ele foi “assassinado” pelo governo federal, devido à falta de proteção que era concedida aos Juma. “Novamente, o governo brasileiro se mostrou criminosamente omisso e incompetente.O governo assassinou Aruká. Assim como assassinou seus antepassados, é uma perda indígena devastadora e irreparável”, acusam.

O povo Juma, que no início do século XX era composto por mais de 15 mil indígenas, foi vítima de vários massacres. O último ocorreu em 1964, quando um grupo de homens estava interessado em comercializar sorva e castanha que estava no território dos Juma. Perante a recusa de ceder o espaço, os comerciantes alvejaram vários indígenas — sendo que mais de 60 foram assassinados. Sete conseguiram sobreviver, um deles Aruká.

LEIA TAMBÉM

tractor

Despiste de tractor provoca uma vítima mortal na Covilhã

Um homem de 56 anos morreu, esta terça-feira, na sequência de um despiste de um …

Coimbra: homem de 85 anos morre num tanque de vinho

Um homem de 85 anos morreu, ao final da manhã desta terça-feira, depois de cair …