Home - Opinião - A Felicidade Hoje, Aqui e Agora! Autor: André Feiteira.
À Boleia Autor: André Duarte Feiteira

A Felicidade Hoje, Aqui e Agora! Autor: André Feiteira.

A sociedade mundial está em constante modificação, mas nem tudo se alterou com o passar do tempo. É notória e compreensível a alteração da concepção do individuo, tanto pelo avançar dos anos, aqui na terra, como pelos acontecimentos que surgiram nesta viagem temporal.

Será que tudo se alterou? Na minha opinião, os nossos antepassados, os presentes e os futuros mortais cometeram e cometem insistentemente os mesmos erros. Esta coisa da vida pode ser interpretada de várias formas, dependendo do individuo, da crença religiosa ou até mesmo do núcleo onde nos inserimos. Mas, de todas as interpretações possíveis e imaginárias há uma que vai de encontro a todas elas: a certeza que a mesma tem um fim. E, sabendo nós que esse fim chegará, sem poder calcular o dia da sentença final, não deveríamos levar uma vida na sua plenitude e aproveitar cada segundo, cada momento, cada sentimento, como se fosse o último?

Os erros do ser humano, na minha opinião, teimam em prevalecer sobre tudo isto. Fazemos planos, enchemo-nos de preocupações e projectos para o futuro, carregamos a saudade do passado e ansiamos impacientemente pelos acontecimentos do futuro. De tal forma que o presente quase sempre perde a sua importância e é negligenciado. No entanto, somente o presente nos possibilita sentir prazer, alterar o rumo dos acontecimentos, fazer com que seja da forma que queremos, enquanto o futuro e mesmo o passado quase sempre são diferentes daquilo que pensamos ou tentamos projectar. Sendo assim, desperdiçamos uma vida inteira a iludirmo-nos com o que foi ou com o que esperamos que seja, em vez de vivermos o presente.

Embora a busca pelo passado seja sempre útil e a preocupação com o futuro um acautelamento necessário para a nossa sobrevivência, é o presente que constitui o cenário da nossa felicidade. Hoje traçamos o presente, que amanhã se vai transformar em passado e, então, tornar-se-á tão indiferente como se nunca tivesse existido. E, não vamos esperar pelo futuro, pois o espaço para a nossa felicidade é este momento, aquele em que livres de escolha e imbuídos no sentimento de felicidade nos permite ridicularizar o passado e troçar do futuro, já que a felicidade está aqui, bem à nossa frente.

Porta-voz dos Números. Autor: André FeiteiraAutor: André Feiteira

LEIA TAMBÉM

Um novo caso de COVID-19 em Oliveira do Hospital, mas infectados descem para nove

O município de Oliveira do Hospital teve um novo caso de COVID-19 e dois recuperados, …

Ponte Palhez – rio Mondego – liga concelhos de Mangualde e Gouveia e distritos da Guarda e Viseu. Autor: João Manuel Pais Trabulo

Situada na EN 232, sobre o rio Mondego, serve de ligação entre os concelhos de …