Home - Região - Oliveira do Hospital - A política politiqueira em Oliveira do Hospital. Autor: André Duarte Feiteira
À Boleia Autor: André Duarte Feiteira

A política politiqueira em Oliveira do Hospital. Autor: André Duarte Feiteira

Com papas e bolos se enganam os tolos, e, por aqui, inexplicavelmente vai dando resultado. Há poucos dias, o Partido Socialista de Oliveira do Hospital, fez uma acção reivindicativa que teve como finalidade a melhoria das acessibilidades. Como foi realizada, e o que foi dito, não me deixa alternativa – pura demagogia e populismo político. Nessa “reivindicação”, o senhor presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital, acusou o Secretário de Estado das Obras Públicas, Sérgio Silva Monteiro, de ter enganado a população em plena campanha para as autárquicas e de não ter condições para se manter no lugar.

“Não tem palavra. Andou aqui a enganar o meu povo”. Muito bem senhor presidente, está no seu direito, mas, já que é necessária coerência, e como também estou no meu direito, também me recordo de há seis anos, o senhor presidente dizer que se demitiria caso não conseguisse fazer a ligação do IC6. Afinal, só o senhor Secretário de Estado das Obras Públicas é que não tem condições para se manter no lugar? Para além disto, é inconcebível que numa reivindicação se usem expressões como: “Era bloquearmos a EN17 entre o limite do concelho de Gouveia e o limite do concelho de Oliveira do Hospital. Bloqueada completamente. São dezenas de quilómetros de estrada bloqueada. É isso que defendo”. A sério que é isto que defende?

Eu apenas apelido esta atitude de política politiqueira, já que, resultados visíveis não traz (seis anos de mandato e veja-se o estado das estradas), mas o povo lá vai pensando que tem sido uma luta incansável… Coloquem os olhos no vosso camarada Manuel Machado, presidente da CM de Coimbra eleito pelo Partido Socialista, que, unido com o presidente da CM de Viseu eleito pelo PSD, Almeida Henriques, reivindicam a requalificação do IP3, no traçado Coimbra-Viseu, para quatro faixas. Contudo, estes dois presidentes de Câmara, dizem que “de tudo se irá falar, menos de manifestações”…formas diferentes de estar na política e, certamente, resultados diferentes!

Já agora, também não me esqueci de quem é que deixou o IC6 a meio, foi o senhor Secretário de Estado das Obras Públicas do Partido Socialista, que, inexplicavelmente, sendo natural de Oliveira do Hospital, lá deve ter achado que ligando o traçado a Arganil e a Tábua era suficiente! Ainda sobre as acessibilidades, não basta exigir novo, há que conservar o antigo, e, a maioria das estradas municipais, não sofrem qualquer requalificação desde que o Partido Socialista tomou posse. Já para não falar da sinalização, a maioria inactiva e degradada, tomo por exemplo o cruzamento da Catraia de São Paio em frente ao Lidl, os semáforos estão praticamente o ano todo inactivos. Neste, e noutros casos, parece que só quando houver um azar é que se dá a devida importância à situação.

Se na busca de melhorias nas acessibilidades dependemos de terceiros, existem outras temáticas que podem e devem ser resolvidas pelo nosso Município.

Dêem uma volta pelo nosso concelho, desçam até à zona do Alva (seja por que ligação for), vão até a Alvôco das Várzeas, passem em Meruje, dirijam-se a Lagares da Beira e dêem um pulinho a Seixo da Beira, e, se ainda tiverem tempo e combustível na viatura, visitem as restantes freguesias.

É alarmante o que se está a passar no nosso Concelho! Dia após dia multiplicam-se as plantações de eucaliptos, nem as silvas crescem assim! Não me digam que é o governo que também tem que fiscalizar estes actos criminosos, mas digam-me se irão começar a fiscalizar estas plantações, caso contrário iremos criar uma equipa multidisciplinar (já que está na moda) de cidadãos livres que defendem o que de melhor temos por cá, a paisagem. Lavoisier dizia que “na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma”, mas, com a interferência humana na natureza, tudo se pode criar, tudo se pode perder, e está à vista como se transforma. Antigos terrenos agrícolas completamente secos, corte de várias espécies de árvores (a maioria de longo crescimento) para dar lugar a plantações de eucaliptos, assim como, terrenos e espécies de árvores que são afectadas directamente pela proximidade com eucaliptais. Segundo afirmou Victor Hugo “É triste pensar que a natureza fala e que o género humano não a ouve”. A nossa já se expressou e alguns já se aperceberam do recado, esperamos que não seja necessário esperar pelo último carvalho enforcado!

Autor: André Duarte Feiteira.

LEIA TAMBÉM

“O Deus Sol” continua a “cantar vitória com a força toda, apesar de…” Autor: António Lopes

Tal como tinha previsto, foram 4-3, porque o António José Cardoso, ficou aquém das expectativas. …

Estranho (des)concelho

Concelho este, meu, que te estranho. Abafado, nestes tempos que correm: Alguns, do mal  procuram …