Home - Opinião - A situação política está um “pântano” ou uma “sarjeta”?… Autor: João Dinis, jano

A situação política está um “pântano” ou uma “sarjeta”?… Autor: João Dinis, jano

Como classificar pois a actual situação política deste nosso Portugal?  Vamos por partes…

A dominante em que nos põem a viver recai na sucessão infindável de escandaleiras com Ministros, Secretários(as) de Estado, Presidentes de Câmara, Deputados.  Tais escândalos são-no pela essências dos casos a que se reportam, por norma: – corrupção, nepotismo, favoritismo partidário e congéneres.  Mas todos estes casos também “só” ganham tamanho relevo público porque sectores da grande comunicação social deram em “pescá-los à linha” e em os denunciarem e denunciarem, e repetirem, e “venderem” sem descanso.

É um “massacre” informativo que acaba por subverter muitos e sensíveis vectores e acaba por se voltar contra o sistema democrático e seus protagonistas, culpados ou não.

De facto, são-nos impostos autênticos julgamentos na praça pública o que não é bom sistema.  E a insistência e exposição mediáticas – em “dose”  diária brutal – fazem concentrar as atenções nos “casos  e casinhos” a pontos de tudo o resto passar mesmo a “restos”…          E tanto assunto mais há a merecer as atenções das Portuguesas e dos Portugueses pois influenciam as nossas vidas, do bolso, ao estômago, à habitação, ao salário, à pensão de reforma, à educação, à saúde!…

Todavia, também não se pode subestimar a gravidade da situação tamanha é a “praga” de casos e de envolvimentos pessoais, políticos e partidários. Mas vamos com calma, com a exigência de transparência e mais transparência na “coisa” pública.  Haja mais Democracia!

Atenção aos “lobos” políticos que se propagandeiam feitos “cordeiros” …

 Entretanto, há quem se aproveite da onda para a sarfar (de “surf”): os  oportunistas políticos que têm todo o “tempo de antena” nas rádios e televisões para se travestirem em “inocentes” e moralistas e para gerarem (falsas) expectativas a quem os vê e ouve palrar.   Cuidado pois com o cantar das sereias…com os lobos na pele de cordeiro…

 A situação da TAP é mais um exemplo da velha técnica em desacreditar a gestão pública.

Tem barbas essa “técnica” que consiste em somar autênticas escandaleiras na gestão de importantes sectores económicos e sociais públicos. Primeiro, para incutir na opinião pública e mesmo no sentir das Portuguesas e Portugueses que o melhor mesmo é privatizar – vender quase sempre por preços abaixo do efectivo valor das empresas públicas e estratégicas.  Como aconteceu desde 1975 com a criminosa (judicial – política – económica – social) série de “privatizações selvagens” que foram consumadas por sucessivos (des)governos e (des)governantes…

Acresce que vários são outros casos em que, primeiro, o Estado, através do governo “de turno”, pegou em (grandes) empresas falidas ou a caminho da falência onde, a seguir, investiu “rios” de dinheiro público para as preparar – normalizar – para serem vendidas e regressarem, “drenadas”, a grandes grupos económicos e financeiros muitas vezes depois de feito um certo trabalho “sujo” – por exemplo, muitos despedimentos.

Desgraçadamente exemplar também é o que acontece com alguns dos Bancos que faliram graças às falcatruas por lá cometidas pelos (ex) titulares privados. Bancos que, entretanto, têm custado ao erário público muitos e muitos milhares de milhões (biliões) de euros e que, depois das “metamorfoses” a que foram sujeitos, continuam privados e a “mamar”!…

Sim, este processo com a TAP tem sido um autêntico crime de lesa – Pátria.   E caminha para se agravar a curto prazo com a venda anunciada da maioria do capital da empresa que ainda está no domínio público e a ser muito cobiçada…

Em consequência, hoje, a grande parte da opinião pública, “intoxicada”, estará desejosa de que a TAP seja “privatizada” e pronta a aceitar que isso aconteça a baixo preço.  Pudera!…

De facto, não basta que uma grande empresa estratégica esteja nacionalizada – embora seja por aí que se deva começar.  Também é necessário assegurar uma gestão séria e transparente!  Infelizmente não é isso que tem acontecido na TAP e nem sequer estamos a polarizar esta nossa apreciação em torno de honestidades individuais, mas, sim, na falta de seriedade e de ética políticas e institucionais de facto fiéis ao património público, ao interesse público.  Sim, a experiência mostra isso mesmo!  Até quando?!

Janeiro de 2023

 

 

Autor: João Dinis, Jano

LEIA TAMBÉM

Diário da Campanha. O IC6. Autor: Nuno Tavares Pereira (Vídeo)

A amnésia dos políticos sobre o interior… Autor: Fernando Tavares Pereira

Assisti com alguma regularidade aos debates televisivos entre as diversas forças partidárias candidatas às legislativas …