Home - Outros Destaques - Açude promovido pela CM de Oliveira do Hospital poderá estar na origem da morte dos peixes no rio Mondego

Açude promovido pela CM de Oliveira do Hospital poderá estar na origem da morte dos peixes no rio Mondego

O membro da Asssembleia da União de Freguesias de Ervedal da Beira e Vila Franca da  Beira  João Dinis insiste que é necessária a realização de análises aos muitos quilos de peixes mortos, à água e ao lodo do leito do rio Mondego junto a um açude que fica um pouco a jusante da Ponte da Atalhada, na EN 230, Ponte que une os concelhos de Oliveira do Hospital e Carregal do Sal. “É necessário saber porque é que isso aconteceu, ali, nesse exacto troço junto ao tal Açude”, refere, criticando a obra que ali foi feita e que absorveu 160 mil euros. João Dinis insiste que a realização do açude patrocinado pela CM de Oliveira do Hospital poderá ter tido efeitos nefastos ao impedir a passagem dos peixes e solicita, por isso, a abertura de um auto de contra-ordenação.
.
“Lembro que a 2 ou 3 de Fevereiro do passado mês de Fevereiro, eu enviei uma ‘exposição/apelo’ a muitas de Vossas Excelências a chamar a atenção para um muito controverso ‘projecto’ promovido pela Câmara Municipal de Oliveira do Hospital, sob o patrocínio da APA, Agência Portuguesa do Ambiente, e pago (mais de 160 mil euros) pelo Fundo Ambiental.  Esse ‘projecto’ alegadamente para regularização da margem esquerda do Mondego – nesse mesmo troço do Mondego onde, agora, apareceram os peixes mortos – foi realizado antes das cheias de 23 /24 de Dezembro do ano passado. Com essas cheias, ficou à vista o erro em que deu  o ‘projecto’ tal como foi concebido e executado pois acabou por dar o resultado contrário ao seu objectivo propagandeado. Afinal, contribuiu para destruir dezenas de metros da margem esquerda nesse local!”, frisa João Dinis, eleito pela CDU.
.
Sublinhando que o açude agora em causa – junto ao qual (lado de cima) apareceram os muitos peixes mortos –  também foi intervencionado na execução desse “projecto”com o altear dos últimos metros do açude  junto à margem direita do rio, João Dinis explica que “antes dessa intervenção a alteá-lo nessa parte, passava muita água mesmo no Verão e que, com a intervenção lá feita, deixou de passar por ficar represada…”. “Ou seja, se de facto foi por “falta de oxigénio” que os peixes ali morreram, essa alteração estrutural a altear o Açude nessa parte, terá para isso contribuído decisivamente pois fez com que os peixes maiores ali se amontoassem ‘à procura’ da passagem do Açude que estavam habituados a utilizar e que agora não encontravam…”, continua.
.
João Dinis pede, por isso, a abertura de um auto de contra-ordenação para se averiguar o que ali aconteceu não só para determinar a atribuição das correspondentes responsabilidades mas também para se evitar novos desastres congéneres. “Nesse contexto, requeiro ser ouvido a depor e informo que há um outro Cidadão – Paulo Alves Santos – aliás o proprietário das várzeas afectadas pela execução do mencionado ‘projecto’ e, agora, com o enterramento dos peixes mortos.

LEIA TAMBÉM

Cartaz do PS em rotunda de Oliveira do Hospital causa polémica e há quem o considere um perigo para o trânsito

Um “outdoor” enorme do candidato do PS à Câmara Municipal de Oliveira do Hospital colocado …

“Há muitos que são obrigados a fazer limpezas e nem têm dinheiro para comer e no domínio público continua tudo maioritariamente abandonado”

Fernando Tavares Pereira considera que o poder central e as autarquias têm de tomar uma …