Home - Opinião - Agricultura, um trunfo para o Interior. Luís Cid Brito

Agricultura, um trunfo para o Interior. Luís Cid Brito

Ao longo dos anos, a agricultura tem sido percecionada como um setor onde  os seus intervenientes são menos qualificados. A este preconceito junta-se  o ditado popular que associa esta área à “arte de empobrecer alegremente”.  A verdade, porém, é que nos últimos anos, contrariando um passado muito  rudimentar e de subsistência, o setor agroalimentar tem crescido. É, hoje,  um dos setores onde há maior criação de empresas, onde a cada ano se  batem recordes de produção e exportação e que, mesmo num ano marcado  por uma elevada instabilidade mundial, associada a uma pandemia, cresceu  2,5% nas exportações. São estes diversos indicadores económicos que  corroboram o facto de que este é um setor inovador, competitivo e resiliente  que tem albergado espaço para as novas tecnologias e para os jovens e, por  isso, pode/deve ser determinante para o interior e para Portugal.  

Mas de que forma é que o interior pode capitalizar o complexo  agroalimentar? 

A cada ano que passa assiste-se a uma crescente desertificação populacional  bem como estagnação económica e social que tem afastado jovens da nossa  região e levado à prevalência de explorações agrícolas obsoletas, que  raramente permitem aos agricultores maiores rendimentos. 

No entanto, a agricultura e a pecuária podem ser uma força motriz para fixar  população nesta terra de oportunidades. Uma agricultura que preserve os  ecossistemas, que acompanhe as inovações tecnológicas e que produza com  qualidade, pode reverter esta situação. 

Acredito que a mudança passe por um modelo de agricultura circular. Por  exemplo, um modelo que recorra aos desperdícios das culturas agrícolas,  aos resíduos das limpezas florestais e excrementos dos animais para  produzir biogás, uma energia limpa independente dos combustíveis fósseis,  e biofertilizante. Esta mesma energia, sintetizada em biodigestores (infra estruturas que convertem os gases da fermentação em eletricidade e  fertilizantes) ao entrar na rede pública, alimentaria as habitações das  populações dando passos rumo à neutralidade carbónica. 

Este sistema, possibilitaria não só a captação de profissionais de outras  áreas, mas também, o estabelecimento de parcerias com instituições de  ensino, que trabalhariam passo a passo com os agricultores.

Sendo que até 2050, de forma a executar as metas do acordo de Paris, todas  as indústrias terão de ser neutras em carbono, abre-se aqui outra janela de  oportunidades para o interior – a venda de créditos de carbono, por parte  dos detentores de explorações agrícolas e florestais. Um crédito de carbono  equivale a uma tonelada de CO2 e é uma medida usada para calcular o  quanto uma empresa emite ou, então, qual a capacidade de fixação de  carbono da mesma. Assim, as empresas emissoras recorrerão a estes  agricultores (que no seu processo de produção retêm carbono) para que  efetivamente estas metas de neutralidade sejam cumpridas. 

Pelo facto de os terrenos minifúndios serem uma característica da Beira Alta,  não é possível competir, em quantidade e consequentemente preço, com  produtos produzidos em zonas de latifúndios como a região do Ribatejo e  Alentejo. 

Tendo este pressuposto em mente, deveriam ser prioritários produtos de  maior valor, tal como os produzidos em modo biológico ou produtos DOP  (Denominação de Origem Protegida) e IGP (Indicação Geográfica Protegida).  Estas indicações são selos de garantia de qualidade acreditadas que  permitem contornar este fator limitante. 

No que diz respeito ao binómio agricultura-floresta, que tem sido muito  fustigado por grandes incêndios e esquecido em terras beirãs, creio que um  modelo em mosaico poderá contornar estes acontecimentos. Deve-se optar  por um modelo que conjugue a produção extensiva/bio, ao invés de um  praticado em “quatro paredes” (produção convencional), com os terrenos  florestais. 

Não deveremos, por isso, cair na utopia de que todos os terrenos florestais  devem estar limpos, mas sim incentivar a manutenção de pecuária e  agricultura em campos agrícolas – zonas tampão na eventualidade de algum  tipo de incêndio. Reitero que a solução para esta problemática passa pela  simbiose entre os dois sistemas e a sua análise conjunta, levando a  resultados satisfatórios. 

A fixação de uma indústria transformadora com expressividade também seria uma mais-valia para as Beiras, uma vez que desvaneceria problemas  de escoamento de produtos de cariz perecível ao mesmo tempo que se  criariam produtos de valor acrescentado e mais empregos. Esta fixação  deve estar subjacente a medidas convidativas por parte do poder central e  local, que a meu ver se têm restringido a subsídios que por vezes tendem a 

ser entregues não por mérito, mas por outros critérios subjetivos. Estas  medidas deveriam passar pelos já muito conhecidos benefícios fiscais, mas  também pela oferta de zonas industriais com os devidos suportes  logísticos, com apoios à formação profissional e a apoios ao financiamento  de capital fixo junto das entidades bancárias. 

Assim, os pontos explanados e ideias apresentadas poderão encaixar-se  perfeitamente num território que urge de ações inovadoras e jovens  empreendedores. É certo também, que só a cooperação, substituindo a  competição, entre o poder central, as autarquias, os consumidores e  empresários tornará o complexo agroalimentar um setor economicamente  viável e ambientalmente confiável. 

Porque o maior cego não é quem não vê, mas quem não quer ver, devemos,  como comunidade, ter um papel ativo para que o interior não seja esquecido  do mapa. 

 

 

 

 

 

Autor: Luís Cid Brito, Vogal da Juventude Popular de Oliveira do Hospital e estudante de medicina veterinária.

LEIA TAMBÉM

Viva o 1º de Dezembro de 1640!  Viva a Independência Nacional! Autor: João Dinis

A perda da independência nacional com os Filipes de Espanha e a “União Ibérica” de …

1°. de Dezembro de 1640. Autor: João Manuel Pais Trabulo

A dinastia espanhola dos Filipes governou o país entre 1580 e 1640. Foram 120 os …