Home - Outros Destaques -  “Alguns de nós voltarão, levando conhecimento… o que contribuirá para o desenvolvimento do nosso país”

 “Alguns de nós voltarão, levando conhecimento… o que contribuirá para o desenvolvimento do nosso país”

O investigador oliveirense na área das neurociências Luís Fernando Gomes Moreira, de 34 anos, encontra-se actualmente nesta área, em sistema de pós-doutoramento, na universidade de Harvard, nos Estados Unidos da América. Licenciou-se na Universidade de Coimbra, seguindo-se uma passagem pela universidade de Berlim. Concluiu o doutoramento em Março de 2019 na Champalimaud Research. Permaneceu dois anos nesta instituição na área da investigação durante dois anos. Em Janeiro de 2021 seguiu para os Estados Unidos. Para a Universidade de Harvard.

Natural de Oliveira do Hospital, Luís refere, em entrevista ao CBS, que a partida para estado de Massachusetts não foi uma propriamente uma escolha, mas quase uma necessidade devido ao corte no investimento na investigação em Portugal. Explica que a área das neurociências é importante para o combate a doenças e desenvolvimento de próteses. “Para além disso, oferece novas formas de resolver problemas e tomar decisões em empresas ou mercados, tanto ao estudar o comportamento humano como ao desenvolver algoritmos de aprendizagem e inteligência artificial, como as redes neuronais”, conta, assegurando que, apesar da falta de oportunidades existente nesta área, sente saudades de Oliveira do Hospital e do interior de Portugal. “Mas acredito que, com investimento e planeamento, tem potencial”, resume.

CBS – Qual foi a motivação para se dedicar à área das neurociências?

Luís Fernando Gomes Moreira – É uma área que está em constante expansão e que abrange o estudo de temas muito diversos, quer a nível molecular quer nível de comportamento de grupos ou populações.

Resumidamente em que pode ajudar a população a investigação em neurociências?

Esta é uma pergunta difícil de responder resumidamente, porque pode ajudar em muitos aspectos. Podem estudar-se terapias e genes directamente envolvidos em doenças, ou desenvolver próteses para quem perdeu membros ou mobilidade. Para além disso, oferece novas formas de resolver problemas e tomar decisões em empresas ou mercados, tanto ao estudar o comportamento humano como ao desenvolver algoritmos de aprendizagem e inteligência artificial, como as redes neuronais.

O que o levou a optar pelos Estados Unidos para prosseguir a investigação?

Não foi bem uma opção. Com o início da pandemia e o corte de investimentos na ciência em Portugal, muitas pessoas viram-se forçadas a procurar emprego fora, eu fui só mais um.

Como surgiu a oportunidade de trabalhar numa das mais prestigiadas universidades do mundo?

O convite surgiu depois do trabalho que realizei na Champalimaud Research e da análise das publicações que fiz em revistas da especialidade. Foi a oportunidade de trabalhar com alguns dos melhores. É uma experiência que está a ser extremamente positiva.

Portugal não investe o suficiente para conseguir segurar os seus investigadores?

Não. Mas talvez seja um problema europeu (apesar de mais grave em alguns países do que outros, como é o nosso caso).

Certamente conhece outros cientistas e jovens qualificados em várias disciplinas que também seguiram para o estrangeiro. Isso não se reflecte negativamente na evolução do país?

A longo prazo acho que será bom para o país. Eventualmente, alguns de nós voltarão, levando o conhecimento de volta o que contribuirá para o seu crescimento/ desenvolvimento. Mas de certeza que se reflecte negativamente nas vidas dos cientistas, jovens, e suas famílias, que perdem qualidade de vida e conforto.

Qual a diferença entre o que se faz nesta área nos Estados Unidos e na Europa?

Os recursos que temos para fazer ciência nos Estados Unidos são muito superiores aos que temos na Europa. Não tenho a noção dos números médios, mas na minha experiência pessoal talvez tenha dez vezes mais acesso a todo o tipo recursos do que antes.

Está a trabalhar em alguma área específica das neurociências?

Sim, na caracterização eletrofisiológica, molecular e funcional de diferentes populações de neurónios do cerebelo, uma área que está relacionada com comportamentos motores e autismo, por exemplo.

O seu futuro passa pelo estrangeiro ou poderá vir a desenvolver o seu trabalho em Portugal?

Neste momento é difícil fazer planos, mas gostaria de voltar para Portugal mesmo que o futuro não passe pela neurociência.

Quando começou a estudar em Oliveira do Hospital passava-lhe pela cabeça conseguir um pós-doutoramento em Harvard?

Não. Apenas tinha a percepção de que gostava muito da área da biologia.

À distância, como vê Oliveira do Hospital e o interior do país?

Por um lado, vejo que o interior do país neste momento não tem condições para empregar cientistas, ou outro tipo de profissionais de formação qualificada. Mas acredito que, com investimento e planeamento, tem potencial. Por outro, com muitas saudades.

LEIA TAMBÉM

EPTOLIVA distinguida novamente como “Escola amiga da criança”

A Escola Profissional de Oliveira do Hospital, Tábua e Arganil (EPTOLIVA) voltou, este ano, a …

Concelho de Oliveira do Hospital com cinco novos casos de COVID-19

O concelho de Oliveira do Hospital tem cinco novos casos de COVID-19, mas mantém os …